IPOs na B3: confira as altas e baixas da estreantes mais recentes

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: Reprodução / YouTube / B3

A última semana de julho foi recebida com várias empresas estreando na B3 (B3SA3). Com as oscilações dos pregões nos últimos dias, foi difícil prever quais IPOs (ofertas iniciais de ações, na sigla em inglês) subiriam ou desceriam. Não houve nenhuma empresa que cancelou ou adiou a oferta.

Há dez dias que as novas companhias têm seus momentos de brilhar no novo mercado. Com oito estreantes, seis delas são especificamente do setor de tecnologia, indicando o aquecimento do mesmo.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Em 2020 foram 27 novas companhias na bolsa e em 2021 a fila de ofertas é grande.

IPOs em alta

Desktop (DESK3)

A Desktop (DESK3) estreou na B3 (B3SA3) no dia 21 de julho. Durante o início do pregão, a ação da empresa chegou a bater elevação de mais de 10%. Em seu primeiro dia, a empresa fechou com alta de 3,19%.

A precificação da ação ficou perto do piso da faixa indicativa, que ia entre R$ 23 a R$ 28, com papel valendo R$ 23,50 na oferta inicial de ações. A Desktop captou R$ 715 milhões no IPO.

A oferta consiste em 30.435.000 ações ordinárias. Podendo ser acrescida de 20%, ou seja, mais é 6.087.000 ações ordinárias. Além de mais 15% do lote suplementar, de 4.565.250 ações ordinárias. Caso todas sejam vendidas, a empresa terá um free float de 44,89%.

A oferta secundária servirá para que a Makalu Partners, que administra a participação do controlador da companhia, o fundo norte-americano HIG Capital, venda uma fatia no negócio.

Os recursos provenientes da oferta primária do IPO serão usados pela Desktop para crescimento orgânico; aquisições estratégicas; aumento de posição de caixa.

Sobre a Desktop (DESK3)

A empresa iniciou suas atividades em 1997 na cidade de Sumaré, no Estado de São Paulo. A partir de 2013 a companhia passou a focar na tecnologia de fibra ótica, período em que o mercado ainda implantava, em sua maioria, redes de rádio, cobre e cabo coaxial para usuários de banda larga.

Atualmente, a Desktop atua principalmente no mercado de prestação de serviços de banda larga com tecnologia de fibra óptica de alta velocidade voltado para o consumidor pessoa física.

No mês de maio de 2021, a companhia operava mais de 16.500 quilômetros de redes próprias de fibra óptica. Ela conta com mais de 321 mil usuários ativos, em 53 cidades no interior de São Paulo.

Em 2020, a receita líquida de serviços teve alta de 47% na comparação com 2019, totalizando R$ 167,086 milhões. O lucro líquido subiu 22% na comparação anual, indo de R$ 21,831 milhões em 2019 para R$ 26,593 milhões.

Multilaser (MLAS3)

As ações da Multilaser (MLAS3) estrearam na B3 (B3SA3) no dia 22. Os papéis passaram o dia inteiro no alto e fecharam com elevação de 16,67%.

A precificação foi decidida em R$ 11,10 por ação. Abertura da oferta inicial envolveu a venda de 198.160.223 ações, movimentando R$ 2,2 bilhões. Cerca de R$ 1,9 bilhão correspondem à oferta base do montante.

Como a operação envolve apenas a venda de ações novas, os recursos devem ir para o caixa da companhia, que pretende usá-los para reforçar o caixa, pagar dívidas e fazer aquisições.

A Multilaser afirma deter 65% do mercado de pendrives, 39% dos cartões de memória no país e fabrica também smartphones, notebooks e acessórios de computador e para esportes e saúde, além de equipamentos de áudio e vídeo, segurança eletrônica e brinquedos, entre outros.

Os coordenadores do IPO foram Itaú BBA, a XP, o BofA e o UBS-BB e o Safra.

Sobre a Multilaser (MLAS3)

A Multilaser acredita ser uma das mais diversificadas companhias de bens de consumo do Brasil devido à amplitude de seu portfólio com mais de 5000 produtos diferentes (SKUs) e ampla capacidade de distribuição nacional.

A empresa atua no desenvolvimento, fabricação, distribuição, venda e pós-venda de diversos produtos em diferentes áreas como tablets, smartphones, notebooks, pen drives, chips de memória, acessórios de informática, eletroportáteis, casa conectada, utensílios domésticos, ferramentas, acessórios e equipamentos esportivos, entre outros.

Em 2020, o faturamento da companhia foi de cerca de R$ 3 bilhões, com crescimento de aproximadamente 27% no ano.

A Multilaser protocolou em maio de 2021 o pedido de IPO à CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Em 2018 a empresa já havia tentado entrar na Bolsa de Valores, mas desistiu por conta do cenário econômico adverso.

Da primeira vez, a empresa faria apenas uma oferta secundária, com os sócios vendendo partes do negócio. Mas, agora, o IPO deverá ser de oferta primária, quando os recursos vão para o bolsa da empresa.

Os recursos do IPO serão usados para reforço de caixa, amortização e liquidação de dívidas que totalizam R$ 871,6 milhões. A empresa deve destinar 15% a potenciais aquisições.

Os principais acionistas da Multilaser são Alexandre Ostrowiecki, com 50,05%; o fundo Dragon Gem, com 35,64%; Edward James Feder, com 7,82%; e André Poroger, com 4,84%.

TradersClub (TRAD3)

A plataforma social para investidores TradersClub (TRAD3) estreou na B3 (B3SA3) na quarta-feira (28). As ações dispararam durante o dia e fechou o pregão com alta de 32,63%, a R$ 12,60.

A companhia levantou R$ 606,9 milhões em oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) na segunda-feira, conforme dados publicados na CVM, que avaliou a empresa em R$ 2,7 bilhões.

O TradersClub precificou suas ações em R$ 9,50, próximo do piso da faixa estimada, que vai de R$ 9 a R$ 11,25.

Na oferta, primária e coordenada por BTG Pactual e Banco Modal, foram vendidas 63.888.889 milhões de ações – oferta base e ações suplementares. O lote adicional não foi exercido.

Conforme o prospecto, os recursos do IPO servirão para: realização de aquisições estratégicas que possibilitem o aprimoramento do ecossistema da companhia; investimentos em desenvolvimento e aprimoramento da plataforma do TC; e investimentos em marketing.

Sobre o TradersClub (TRAD3)

Criada em 2016, a empresa diz que surgiu para “mudar a história do mercado financeiro brasileiro”. O propósito é “proporcionar aos milhares de membros que participam da plataforma, e a milhões de brasileiros, o mesmo nível de acesso à informação e inteligência de mercado dos grandes investidores institucionais”.

A plataforma possui features sociais, como espaço para fóruns de discussão e postagem de Trade Ideas, e também features técnicas e informacionais, como feed de notícias de mercado, estatísticas do mercado em tempo real, ferramentas analíticas e conteúdo educacional dedicado para suportar discussões, análises e decisões de investimento dos usuários.

A receita da empresa é proporcionada pela venda de assinaturas, serviços e cursos para milhares de investidores.

Os principais acionistas do TradersClub são Rafael Ferri, por meio da Startups BR Holding, que tem 35,316%; Pedro Albuquerque, que também tem o mesmo percentual; Israel Calebe Massa, que tem 7,848%; Omar Ajame Zanato Miranda, com 8,720%; Guillermo Andres Parra Bernal, com 4,638% e Javier Alejandro Ramacciotti, com 1,870%.

Os 6,292% restantes são ações em circulação.

Armac (ARML3)

A Armac (ARML3) teve seu primeiro dia na B3 (B3SA3) com forte alta, nesta quarta-feira (28). As ações subiram 33,37%, a R$ 22,18 por papel.

A ação foi precificada a R$ 16,63. O IPO captou R$ 1,5 bilhão na oferta pública inicial.

A oferta da Armac foi primária e secundária. A companhia pretende utilizar a integralidade dos recursos líquidos obtidos por meio das ações da oferta primária para a aquisição de ativo imobilizado para locação.

Na data do prospecto, o capital social da companhia era de R$ 126.609.873,79, totalmente subscrito e integralizado, representado por 1.182.510 de ações ordinárias.

A oferta foi coordenada por Santander (SANB11), Itaú BBA, BTG Pactual (BPAC11) e Morgan Stanley (MS). E servirá para que o fundo Speed, da Gávea investimentos, e membros da família fundadora Aragão vendam participação no negócio.

Sobre a Armac (ARML3)

A empresa diz ser líder nacional no mercado de locação de máquinas de várias categorias. E opera desde locações diárias até operações de longo prazo. “Assumimos toda gestão, manutenção e apoio para garantir disponibilidade e produtividade das máquinas”.

Com uma frota própria de 1.403 equipamentos locáveis em 31 de março de 2021, a Armac Locação serve uma grande base de clientes, distribuída em 17 Estados brasileiros nos setores de logística agrícola, agroindustrial, fertilizantes, mineração, papel e celulose, transportes e infraestrutura.

Fundada em 1994 e com sede em São Paulo, a Armac Locação oferece aos clientes, dentre outras categorias, equipamentos de linha amarela, que englobam pás-carregadeiras, escavadeiras hidráulicas, retroescavadeiras, tratores de esteira, minicarregadeiras, motoniveladoras, rolos compactadores, tratores agrícolas, entre outros.

O lucro líquido da empresa passou de R$ 9,2 milhões em 2019 para R$ 17,5 milhões em 2020. Ou seja, salto de 91,3%. A receita bruta anual passou de R$ 4 milhões em 2014 para R$ 123 milhões em 31 de dezembro de 2020.

Brisanet (BRIT3)

A Brisanet (BRIT3), empresa de fibra óptica, passou seu primeiro dia na na B3 (B3SA3) em baixa, na última quinta-feira (29). A ação da companhia chegou a cair 9,77%, mas fechou o pregão perto da estabilidade, alcançando leve alta de 0,07%, a R$ 13,93.

O preço da ação saiu a R$ 13,92, no piso da faixa estimada, que ia até R$ 17,26. A oferta movimentou R$ 1,435 bilhão.

No preço definido, com a venda de R$ 89,8 milhões na oferta primária, a empresa levantou R$ 1,25 bilhão, recursos que usará para expandir sua rede própria e aportar capital na Agility.

Na oferta secundária, coordenada por Santander, XP, BTG Pactual e UBS-BB, atuais sócios pessoa física da companhia venderam o equivalente uma 185,5 milhões de reais de suas participações no negócio.

Sobre a Brisanet (BRIT3)

Fundada há 22 anos por Roberto Nogueira, que é CEO até hoje, a empresa afirma ser a maior empresa entre os provedores independentes de serviços de internet no Brasil (Internet Service Provider ou ISP) na tecnologia de fibra óptica, segundo o ranking da Anatel.

Com um portfólio de produtos praticamente 100% em fibra ótica e com atuação focada na região Nordeste do país, a Brisanet contava, em 30 de abril de 2021, com aproximadamente 697 mil e mais de 6.300 colaboradores, espalhados em 96 cidades no Nordeste do país.

A empresa conta com mais de 14.400 km de infraestrutura de backbone (vias utilizadas para distribuir internet às demais redes), 150 Data Centers próprios e 35.100 km de cabos FTTH (fiber-to-the-home).

A Brisanet atua também por meio da sua controlada Agility Telecom, que fornece serviços de internet sob o modelo de franquias para cerca de 140 mil clientes e já está presente em mais de 251 cidades no Nordeste do país, através de 94 franqueados.

Clear Sale (CLSA3)

As ações da Clear Sale (CLSA3), companhia de soluções antifraude e score de crédito, estrearam na B3 (B3SA3) na última sexta-feira (30). Os papéis saltaram 14%, a R$ 28,50, após alcançar alta de 21,40%, a R$ 30,35, na máxima do dia.

O ativo foi precificado no topo da faixa indicativa que ia entre R$ 20 e R$ 25. Ficou, então, a R$ 25 na oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês). A oferta movimentou R$ 1,3 bilhão. Com apenas com a venda de 31.806.250 ações novas, a empresa levantou R$ 795,2 milhões.

Os recursos da oferta primária serão usados para: crescimento orgânico (CNPJ e autenticação de identidade), open innovation e crescimento inorgânico (fusões e aquisições).

A oferta foi coordenada por Itaú BBA, Bank of America, BTG Pactual (BPAC11) e Santander (SANB11).

Sobre a Clear Sale (CLSA3)

A empresa atua no mercado de soluções antifraude digital nos mais diversos segmentos, como e-commerce, mercado financeiro, vendas diretas, telecomunicações e seguros.

Com atuação no mercado local e internacional e atendendo aos principais varejistas e instituições financeiras do país, a Clear Sale equilibra tecnologia e profissionais especializados, estabelecendo relações de confiança cada vez mais sólidas, para entregar os melhores indicadores aos clientes da Clear Sale, melhorando seu o retorno sobre o investimento (ROI) no que tange ferramentas e soluções de prevenção a fraude.

A Clear Sale registrou lucro de R$ 8,5 milhões em 2018, R$ 5,5 milhões em 2019, e R$ 18,7 milhões no ano passado. A margem líquida variou de 5,5% (2018) para 2,7% (2019) e 5,4% (2020). O Ebitda ajustado da empresa cresceu de R$ 23,1 milhões (2018) para R$ 30,8 milhões (2019) para R$ 71 milhões (2020).

A receita operacional líquida da Clear Sale passou de R$ 153,8 milhões em 2018 para R$ 208,5 milhões em 2019 e R$ 345,6 milhões no ano passado.

IPOs em baixa

AgroGalaxy (AGXY3)

A plataforma de varejo de insumos agrícolas AgroGalaxy (AGXY3) estreou na B3 (B3SA3) na sessão da última segunda-feira (26). Os papéis fecharam com baixa de 22,65%, a R$ 10,65.

A AgroGalaxy atua na comercialização de insumos agrícolas, produção e beneficiamento de sementes, originação, armazenamento e comercialização de grãos, além de prestação de serviços agrícolas e financeiros.

O conselho de administração da AgroGalaxy aprovou a captação de até R$ 402,4 milhões mediante a emissão de 25.454.545 ações ordinárias (ON) em oferta restrita primária mais a inclusão de um lote suplementar de 15% da oferta inicial, ou 3.818.181 ações.

Foi estabelecido o preço de R$ 13,75 para a oferta restrita, faixa indicativa que ia até R$ 16,50. Com essa oferta, o capital social da companhia subirá, sem o lote suplementar, para R$ 838,7 milhões divididos em 170.824.989 ações ON.

Por fim, o Itaú BBA é o coordenador líder da oferta, juntamente com XP Investimentos, UBS BB, Banco Safra e o Banco ABC Brasil, como demais coordenadores.

Sobre a AgroGalaxy (AGXY3)

A companhia conta com cobertura geográfica nacional. Formada a partir da aquisição de plataformas líderes em diferentes regiões brasileiras, a Agrogalaxy tem os benefícios da integração, enquanto mantém as características e marcas originais de cada plataforma, além de todo o histórico local e proximidade com o agricultor.

Em 30 de outubro de 2020, foi aprovada a combinação dos negócios da Agrogalaxy, da Agro Key Participações e da Agro Advance Participações através da incorporação societária pela companhia da Agro Key e da Agro Advance.

Esta reestruturação ocorreu com a troca de ações, por valores negociados entre as partes, em uma operação entre companhias que não possuem controle comum e que, portanto, representa uma combinação de negócios apresentada considerando o método de aquisição.

A Agrogalaxy foi formada a partir da aquisição de empresas líderes de suas regiões de atuação, com uma oferta de produtos e serviços estabelecidos, uma base de clientes sólida e uma cultura de comprometimento com o produtor brasileiro.

Ainda mais, a Agrogalaxy reportou prejuízo de R$ 22,1 milhões nos dez meses findo em outubro de 2020, contra lucro de R$ 17,6 milhões no mesmo período de 2019.

O Ebitda da empresa somou R$ 90,1 milhões no acumulado até outubro de 2020. O indicador foi de R$ 98,4 milhões do ano anterior.

Livetech da Bahia (LVTC3)

A Livetech da Bahia (LVTC3) estreou na B3 (B3SA3) na sessão da segunda-feira (26). No início do pregão, a empresa que opera com tecnologia wireless e segurança predial eletrônica tinha alta de 1,90%, a R$ 23,64. Entretanto, fechou o dia com queda de 4,78%, a R$ 22,09.

Em 23 de julho, a Livetech fixou o preço de sua oferta em R$ 23,20. O piso da faixa indicativa ia até R$ 25,75. Assim, a empresa levantou R$ 450 milhões. O preço de subscrição da oferta restrita havia sido diminuído. Antes, o valor da faixa indicativa ia de R$ 25,75 a R$ 31,25.

Com a alteração na oferta, a distribuição é apenas primária. São 19,4 milhões de ações ordinárias de emissão da WDC Networks. Mas poderá haver um acréscimo de 30% das ações. Ou seja, mais 5,82 milhões de ações ordinárias, além de um lote suplementar de 15%.

A operação, que envolveu a venda de ações novas, cujos recursos vão para o caixa da companhia, e a de papéis detidos por atuais sócios, foi coordenada pelo BTG Pactual.

Sobre a Livetech da Bahia (LVTC3)

Fundada em 2003, com capital 100% nacional, a empresa diz que se tornou líder em seus segmentos na oferta do modelo de negócio “TaaS – Tecnologia as a service” (hardware e software como serviço). A sede fica em Ilhéus-BA.

A empresa de tecnologia é focada nos setores de telecomunicações com fibra ótica e corporativo em vários segmentos.

A Livetech da Bahia é organizada em unidades de negócio de telecom e enterprise, dividida em 4 grandes áreas: telecomunicações, corporativo, audio, vídeo e automação, e por fim, energia solar.

As estratégias de crescimento da Livetech incluem a expansão de TaaS, expansão da Casa Conectada e dos negócios de energia solar e aquisições.

A empresa somou alta de 11,8% no lucro líquido do primeiro trimestre de 2021 (1TRI21). O indicador cresceu de R$ 10 milhões para R$ 11,2 milhões. O Ebitda ajustado da empresa subiu 15,7% no primeiro trimestre de 2021. Mas a margem Ebitda caiu de 34,6% para 26,3%. Já a receita líquida da Livetech da Bahia apresentou alta de 52,2% no 1TRI21.

Unifique (FIQE3)

As ações da Unifique (FIQE3), companhia que oferece serviços de banda larga por meio de fibra óptica, estrearam na B3 (B3SA3) em queda na última terça-feira (27). Os papéis registraram perdas de 8,14%, a R$ 7,90.

A Unifique precificou os papéis a R$ 8,60 em oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês). Ou seja, a operação movimentou R$ 818,073 milhões. A faixa indicativa da precificação ia de R$ 8,41 e R$ 10,49.

Os coordenadores foram o Itaú BBA (líder), a XP Investments e o BTG Pactual. Além disso, prevê esforços restritos de colocação das ações no exterior.

Sobre a Unifique (FIQE3)

Com atuação principalmente em banda larga e telefonia fixa, a empresa diz que é a maior provedora de fibra óptica no estado de Santa Catarina, segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

A companhia já cobre mais de 1 milhão de residências e possui mais de 18 mil km de rede de fibra óptica, com um modelo de negócios enxuto e escalável que permitiram a execução de um forte crescimento na região Sul do país.

A empresa foi criada em 1997 no município de Timbó, Santa Catarina, com a marca TPA (Timbó Provedor de Acesso). A tecnologia usada na época era internet discada, com o acesso por meio da linha telefônica. O atendimento iniciou com um colaborador: Fabiano Busnardo, hoje CEO da Unifique.

Em relação ao lucro líquido da empresa, passou de R$ 27,4 milhões em 2018 para R$ 36,5 milhões em 2019 e R$ 50,4 milhões em 2020.

A receita operacional líquida da Unifique totalizou R$ 286,0 milhões em 31 de dezembro de 2020. Ou seja, incremento de 75% em relação ao exercício social anterior (de R$ 163 milhões). Em 2018 a receita foi de R$ 104 milhões.

Próximos IPOs na B3

Um dos IPOs mais aguardados do ano está para acontecer: a Raízen (RAIZ4). Com a divulgação da faixa de preço por ação entre R$ 7,40 e R$ 9,60, o período de reserva encerra na segunda-feira (2). A empresa vai estrear na bolsa na próxima quinta-feira (5). A Oncoclínicas (ONCO3) irá definir sua precificação na sexta-feira (6).

Além disso, a Farmacêutica Althaia registrou pedido de IPO na CVM. A operação será coordenada por XP, Itaú BBA e BofA. A Ammo Varejo, especializada em produtos de cama, mesa e banho, também registrou pedido de IPO.

Quer saber mais sobre como investir em ações? Preencha o formulário abaixo que um assessor irá entrar em contato para auxiliá-lo em sua jornada de investimentos!

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3