Clear Sale (CLSA3) tem alta de 18% no primeiro dia na B3 (B3SA3)

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: Divulgação

As ações da Clear Sale (CLSA3), companhia de soluções antifraude e score de crédito, estrearam na B3 (B3SA3) nesta sexta-feira (30). Perto das 10h52, os papéis tinham alta de 18,20%, a R$ 29,55.

O ativo foi precificado no topo da faixa indicativa que ia entre R$ 20 e R$ 25. Ficou, então, a R$ 25 na oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês). A oferta movimentou R$ 1,3 bilhão. Com apenas com a venda de 31.806.250 ações novas, a empresa levantou R$ 795,2 milhões.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Os recursos da oferta primária serão usados para: crescimento orgânico (CNPJ e autenticação de identidade), open innovation e crescimento inorgânico (fusões e aquisições).

A oferta foi coordenada por Itaú BBA, Bank of America, BTG Pactual (BPAC11) e Santander (SANB11).

Sobre a Clear Sale (CLSA3)

A empresa atua no mercado de soluções antifraude digital nos mais diversos segmentos, como e-commerce, mercado financeiro, vendas diretas, telecomunicações e seguros.

Com atuação no mercado local e internacional e atendendo aos principais varejistas e instituições financeiras do país, a Clear Sale equilibra tecnologia e profissionais especializados, estabelecendo relações de confiança cada vez mais sólidas, para entregar os melhores indicadores aos clientes da Clear Sale, melhorando seu o retorno sobre o investimento (ROI) no que tange ferramentas e soluções de prevenção a fraude.

A Clear Sale registrou lucro de R$ 8,5 milhões em 2018, R$ 5,5 milhões em 2019, e R$ 18,7 milhões no ano passado. A margem líquida variou de 5,5% (2018) para 2,7% (2019) e 5,4% (2020). O Ebitda ajustado da empresa cresceu de R$ 23,1 milhões (2018) para R$ 30,8 milhões (2019) para R$ 71 milhões (2020).

A receita operacional líquida da Clear Sale passou de R$ 153,8 milhões em 2018 para R$ 208,5 milhões em 2019 e R$ 345,6 milhões no ano passado.

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3