Armac (ARML3) estreia na B3 (B3SA3) com forte alta

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: Divulgação

A Armac (ARML3) tem seu primeiro dia na B3 (B3SA3) com forte alta, nesta quarta-feira (28). As ações subiam 22,06% às 12h12, valendo R$ 20,30 por papel.

A ação, que foi precificada na última segunda-feira, ficou a R$ 16,63. O IPO captou R$ 1,5 bilhão na oferta pública inicial.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

A oferta da Armac foi primária e secundária. A companhia pretende utilizar a integralidade dos recursos líquidos obtidos por meio das ações da oferta primária para a aquisição de ativo imobilizado para locação.

Na data do prospecto, o capital social da companhia era de R$ 126.609.873,79, totalmente subscrito e integralizado, representado por 1.182.510 de ações ordinárias.

A oferta foi coordenada por Santander (SANB11), Itaú BBA, BTG Pactual (BPAC11) e Morgan Stanley (MS). E servirá para que o fundo Speed, da Gávea investimentos, e membros da família fundadora Aragão vendam participação no negócio.

Sobre a Armac (ARML3)

A empresa diz ser líder nacional no mercado de locação de máquinas de várias categorias. E opera desde locações diárias até operações de longo prazo. “Assumimos toda gestão, manutenção e apoio para garantir disponibilidade e produtividade das máquinas”.

Com uma frota própria de 1.403 equipamentos locáveis em 31 de março de 2021, a Armac Locação serve uma grande base de clientes, distribuída em 17 Estados brasileiros nos setores de logística agrícola, agroindustrial, fertilizantes, mineração, papel e celulose, transportes e infraestrutura.

Fundada em 1994 e com sede em São Paulo, a Armac Locação oferece aos clientes, dentre outras categorias, equipamentos de linha amarela, que englobam pás-carregadeiras, escavadeiras hidráulicas, retroescavadeiras, tratores de esteira, minicarregadeiras, motoniveladoras, rolos compactadores, tratores agrícolas, entre outros.

O lucro líquido da empresa passou de R$ 9,2 milhões em 2019 para R$ 17,5 milhões em 2020. Ou seja, salto de 91,3%. A receita bruta anual passou de R$ 4 milhões em 2014 para R$ 123 milhões em 31 de dezembro de 2020.

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3