Desktop (DESK3): provedora de internet estreia B3

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação

A provedora de internet por fibra óptica paulista Desktop (DESK3) estreia hoje na Bolsa de Valores.

Com o IPO (Oferta Pública Inicial) solicitado no fim de maio, a empresa que expandir sua atuação principalmente na região de São Paulo, comprar outras empresas e aumentar sua posição de caixa.

Acesse esse material especial para avaliar resultados, performance e dividendos dos melhores FIIs no mercado.

A empresa estima que os recursos líquidos provenientes da oferta primária chegarão a R$ 734 milhões. Assim, deste valor, a intenção é usar R$ 514 milhões para crescimento orgânico e R$ 146 milhões para aquisições.

Vamos conhecer melhor a empresa?

Você sabia que algumas das maiores oportunidades de ganhos da bolsa estão nas Small Caps? Quer saber mais sobre essas ações e como investir? 

Histórico da Desktop

A empresa iniciou suas atividades em 1997 na cidade de Sumaré, no Estado de São Paulo. A partir de 2013 a companhia passou a focar na tecnologia de fibra ótica, período em que o mercado ainda implantava, em sua maioria, redes de rádio, cobre e cabo coaxial para usuários de banda larga.

Quer começar o dia bem-informado com as notícias que vão impactar o seu bolso? Clique aqui e assine a newsletter EQI HOJE!

A Desktop afirma ser uma das maiores plataformas de ISPs (Internet Service Provider ou Provedor de Serviços de Internet) do Brasil, sendo a maior plataforma ISP do Estado de São Paulo, conforme dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

A companhia atua majoritariamente no mercado de prestação de serviços de internet de banda larga com tecnologia de fibra óptica de alta velocidade voltado para o consumidor pessoa física.

O propósito é levar a melhor experiência de conectividade em alta velocidade de banda larga aos usuários e com isso democratizar o acesso a uma internet de qualidade, atendendo grandes e pequenas localidades.

Mais de 99% dos clientes da Desktop tem produtos de internet, sendo que 93% dos clientes possuem planos com banda larga e os demais possuem planos com banda larga e TV digital.

Quase 95% da base de clientes possui planos de acesso à internet através da tecnologia de fibra ótica.

Em maio de 2021 a companhia já operava mais de 16.500 km de redes próprias de fibra ótica, contando com mais de 321 mil usuários ativos, em 53 cidades no interior do Estado de São Paulo.

Modelo de crescimento e retorno sobre capital investido

A Desktop vem construindo, ao longo dos últimos anos, um modelo de negócio que acredita ser “sólido, eficiente e escalável”.

Desde o estudo e escolha das novas regiões para expandir a operação, passando pela efetiva construção da rede de fibra ótica, até a venda do serviço e o atendimento ao cliente, todas as etapas são planejadas visando entregar um serviço de qualidade e prezando pela satisfação do cliente final, bem como buscando retornos sobre o capital investido.

A escolha das regiões que a empresa vai atender envolve um processo rigoroso e analítico de aferir o potencial de demanda, partindo do levantamento de dados em campo, conjuntamente com o cruzamento com nossos modelos estatísticos proprietários, que são suportados por um banco de dados com o histórico de dezenas de projetos já realizados, com suas respectivas performances.

A empresa já realizou mais de 265 projetos em sua base de dados (sendo 194 maturados), usando esses projetos para traçar os modelos estatísticos, que os permitem analisar em quais regiões terão melhores retornos esperados sobre o capital investido, dado indicadores socioeconômicos e de competição dessa nova região.

A Desktop possui múltiplas abordagens de atuação, mesclando investimento em diversos canais (digital, porta-a-porta, canais telefônicos, lojas e representantes comerciais), visando a maior eficiência no custo de aquisição de seus clientes e retorno sobre os investimentos.

Em complemento ao crescimento orgânico, a Desktop acredita possuir também grande expertise em Fusões e Aquisições (M&A). Possui uma equipe dedicada que atua na prospecção de novos negócios, avaliação de empresas e acompanhamento minucioso do processo de due diligence das companhias targets.

Capacidade para expandir por meio de fusões e aquisições

O playbook para capturar valor com as aquisições considera a busca por companhias que (i) estejam localizadas em áreas geográficas contínuas com a operação atual da Desktop e com potencial para continuar o crescimento pós-deal de forma orgânica, (ii) sejam líderes de mercado, plataformas consolidadas e de referência na sua área de atuação, (iii) possuam redes com o mesmo padrão de qualidade e de topologia, que permitam rápida integração aos ativos da Desktop de forma a manter uma operação única e integrada e (iv) permitam um assessment positivo de seus principais executivos, como forma de aproveitá-los dentro das estruturas regionais que sustentam a expansão territorial da Desktop.

A Desktop tem experiência na condução destes processos inorgânicos, concretizando 4 deles apenas nos últimos 10 meses.

Em agosto de 2020, a companhia realizou a aquisição da ISSO Internet e Telecomunicações Ltda. ME.

Em novembro de 2020, concluiu a aquisição de participação societária na Netell Internet S.A.

Em março de 2021, concluiu a aquisição de participação societária na Netion Soluções em Internet Via Rádio.

Já em maio de 2021, finalizou a aquisição de participação societária na C-Lig Telecomunicações Ltda.

Ao final de maio de 2021, a Desktop assinou um contrato de compra e venda de outro provedor com atuação do Estado de São Paulo, cuja operação está sujeita a condições suspensivas, de forma que ainda não foi divulgado.

Segundo a Anatel, o mercado de internet banda larga é bastante fragmentado, com mais de 5.000 provedores distintos concentrando mais de 39% do volume de assinantes do serviço no Brasil.

“A Desktop busca se apresentar como protagonista do processo de consolidação dessa indústria, mantendo um olhar seletivo nas oportunidades aderentes ao seu plano estratégico de crescimento e com alto potencial de retorno sobre capital”, diz a empresa no prospecto preliminar.

Pontos-chave da Desktop

  • Elevado Market share na região de atuação;
  • Produtos de qualidade a preços competitivos ajudam a fidelizar a base atual de clientes;
  • Serviços, tecnologia e provedores de banda larga fixa previamente utilizados pelos clientes conquistados pela Desktop entre janeiro e fevereiro de 2021;
  • Plataforma de alto desempenho suportada por uma infraestrutura de TI estado da arte.

Avenidas de crescimento da empresa

A estratégia de crescimento da Desktop no médio prazo está pautada no crescimento no Estado de São Paulo e nos seus Estados adjacentes. Assim, a empresa quer estruturar novas áreas que sejam completamente integradas e contínuas a atual operação da Desktop, o que acredita ser a melhor maneira de crescer com retorno satisfatório, além de capturar eficiências operacionais.

Dessa forma, a Desktop elencou as seguintes avenidas de crescimento dentro do seu plano de negócios:

  • A expansão orgânica, que foi e continuará sendo nossa principal avenida de crescimento, feita de forma seletiva, em regiões contínuas à operação atual, visando encontrar os projetos com melhor retorno sobre o investimento, em linha com o histórico da companhia;
  • A expansão complementar via crescimento inorgânico, através de aquisições de plataformas que (i) estejam posicionadas também em áreas contínuas as operações atuais da Desktop, com alto potencial de demanda e dentro do escopo do crescimento orgânico da companhia, (ii) que tenham comprovada capacidade de gerar crescimentos orgânicos futuros para a Desktop, a partir da implantação do seu playbook operacional, e (iii) que tenham um padrão de qualidade de rede em linha com os padrões Desktop, possibilitando a efetiva e rápida integração de seus ativos e a captura de ganhos de sinergia expressivos;
  • O prolongamento do ciclo de vida dos seus assinantes, apoiado numa cultura de ter o cliente como propósito em tudo o que é feito pela Desktop e a obsessão por melhorar continuamente a qualidade dos produtos e serviços ofertados;
  • O aumento da receita recorrente anual dos seus assinantes via estratégias customizadas, baseadas em ações mais efetivas de upsell e crosssell, com serviços e produtos relacionados ao ecossistema de conectividade.

Sobre o IPO

A empresa protocolou seu pedido de IPO em maio deste ano.

A oferta será primária (quando os recursos vão para o caixa da empresa) e secundária (quando as ações de acionistas são vendidas).

A oferta consiste em 30.435.000 ações ordinárias. Podendo ser acrescida de 20%, ou seja, mais é 6.087.000 ações ordinárias. Além de mais 15% do lote suplementar, de 4.565.250 ações ordinárias. Caso todas sejam vendidas, a empresa terá um free float de 44,89%.

A oferta secundária servirá para que a Makalu Partners, que administra a participação do controlador da companhia, o fundo norte-americano HIG Capital, venda uma fatia no negócio.

Os recursos provenientes da oferta primária do IPO serão usados pela Desktop para:

  • Crescimento orgânico;
  • Aquisições estratégicas;
  • Aumento de posição de caixa.

A faixa indicativa de preços apresentada no prospecto vai de R$ 23 a R$ 28. O período de reserva vai de 5 de julho a 16 de julho.

A empresa quer ser negociada no Novo Mercado, mais alto nível de governança da B3.

O capital social da Desktop é de R$ 74.981.084,61, totalmente subscrito e integralizado, representado por 56.533.686 ações ordinárias.

A operação será coordenada por Itaú BBA, UBS-BB, BTG Pactual e Bradesco BBI.

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.

Desktop

Dados econômico-financeiros da Desktop

A Desktop registrou receita líquida de R$ 167 milhões em 2020. O lucro líquido foi de R$ 26,5 milhões no ano passado.

Já o Ebitda ajustado ficou em R$ 87,6 milhões, com 52% de margem em 2020.

A dívida líquida ao fim de 2020 somava R$ 120,2 milhões.

Principais fatores de risco

  • A extensão da pandemia, a percepção de seus efeitos e a forma como a pandemia afetará os negócios da companhia dependem de eventos futuros, que são incertos e imprevisíveis, assim como seus possíveis desdobramentos e consequências, e podem afetar material e adversamente os negócios da companhia, sua condição financeira, seus resultados de operações e seus fluxos de caixa e, finalmente, a capacidade da companhia de continuar a operar seus negócios;
  • A Desktop está sujeita a erros, atrasos ou falhas em medidas de segurança de tecnologia da informação (TI), que poderão também ser violadas ou comprometidas, além de estar sujeita a indisponibilidades imprevistas de sistemas de TI, que podem resultar em indenizações e na perda da confiança de clientes na segurança dos serviços, afetando adversamente a companhia;
  • A impossibilidade de implementar com sucesso a estratégia de crescimento orgânico poderá afetar a empresa adversamente;
  • A companhia pode ser incapaz de responder à tendência recente de consolidação do mercado brasileiro de telecomunicações. Além disso, eventual consolidação do setor poderá afetar futuras aquisições a serem realizadas pela companhia;
  • As operações da empresa dependem de sua rede de telecomunicações própria, em que a companhia é responsável pela manutenção e reparos. Uma eventual falha dessas redes pode causar atrasos ou interrupções no serviço, o que pode reduzir ou inviabilizar a capacidade da Desktop prestar os serviços adequadamente a seus clientes.