Radar traz Petrobras (PETR4), Cielo (CIEL3) e Santander (SANB11)

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Foto: radar

O Radar Corporativo desta quarta-feira (28) traz como destaque resultados de safra de resultados, balanços operacionais e informações sobre dividendos.

A Petrobras (PETR4 PETR3) informou que a produção média de óleo, LGN e gás natural no primeiro trimestre deste ano foi de 2,77 milhões de boed, uma diminuição de 5% em relação ao mesmo período de 2020.

Entre os balanços, a Cielo (CIEL3) reportou um lucro líquido de R$ 241,3 milhões no primeiro trimestre de 2021, um aumento de 44,7% sobre o mesmo período do ano anterior, resultado acima do consenso.

O Santander (SANB11) registrou lucro líquido gerencial de R$ 4,012 bilhões, no seu melhor patamar trimestral e com rentabilidade (ROE) de 20,9%, desempenho acima do consenso.

A Weg (WEGE3) apresentou lucro de R$ 764,258 milhões no primeiro trimestre, alta de 73,7%, em linha com o consenso.

Já a Movida (MOVI3) reportou no primeiro trimestre de 2021 um lucro 31% maior do que o mesmo período de 2020. O indicador foi de R$ 109,5 milhões  – um recorde trimestral na história da empresa.

Enquanto isso, a Vamos Locação (VAMO3) lucrou R$ 73,2 milhões no primeiro trimestre de 2021. Assim, a empresa registrou alta de 100,3%. O valor foi recorde para a companhia que fez seu IPO em janeiro de 2021.

Por sua vez, a Romi (ROMI3) registrou um lucro líquido de R$ 20,74 milhões no primeiro trimestre de 2021. Os números refletem uma queda de 49,2% sobre o mesmo período de 2020.

A Cesp (CESP6) reportou um lucro líquido de R$ 115,8 milhões no primeiro trimestre de 2021. Os números refletem uma alta de 115% sobre o mesmo período de 2020.

Entre os balanços estrangeiros, a Microsoft (MSFT34) informou um lucro por ação diluído de US$ 2,03 GAAP e de US$ 1,95 não-GAAP, representando altas de 45% e 39%, respectivamente.

Já a Alphabet, controladora do Google (GOGL34), reportou lucro de US$ 17,930 bilhões, contra os US$ 6,836 bilhões de um ano antes, alta de quase três vezes.

Por fim, informaram proventos: Banco Santander (SANB11), Eletrobras (ELET3 ELET5 ELET6)Lavvi (LAVV3), Localiza (RENT3), Banrisul (BRSR6), Portobello (PTBL3) e Trisul (TRIS3).

Veja agora a cobertura completa do Radar Corporativo:

O que você verá neste artigo:

Balanços

Cielo (CIEL3) tem lucro líquido de R$ 241,3 mi no 1TRI21, alta de 44,4%

A Cielo (CIEL3) reportou um lucro líquido de R$ 241,3 milhões no primeiro trimestre de 2021, um aumento de 44,7% sobre o mesmo período do ano anterior.

Segundo a Cielo, trata-se do segundo trimestre consecutivo de expansão do lucro líquido, na comparação contra mesmo trimestre do ano anterior.

Cielo (CIEL3) aprova pagamento de JCP no valor de R$ 85,151 milhões

A Ceilo (CIEL3) aprovou a distribuição de Juros sobre Capital Próprio (JCP) de cerca de R$ 85,151 milhões, referente ao 1° Trimestre de 2021.

O valor final por ação do JCP é de R$ 0,03152578584. Os JCP serão pagos aos acionistas no dia 13 de maio de 2021, com base na posição acionária de 30 de abril de 2021.

Santander (SANB11) tem alta de 1,4% no lucro no 1TRI21

O Santander (SANB11) registrou um lucro líquido de R$ 4,012 bilhões no primeiro trimestre de 2021, crescimento de 1,4% em relação ao mesmo período do ano passado.

A rentabilidade medida pelo ROE atingiu 20,9% no trimestre.

A margem financeira líquida foi de R$ 10,261 bilhões no período, crescimento de 11,1% na base anual.

Santander (SANB11) anuncia dividendo bilionário

O conselho de administração do Banco Santander (SANB11) aprovou a distribuição de dividendos intercalares no montante de R$ 2,8 bilhões e dividendos intermediários no montante de R$ 200 milhões.

Dessa forma, será pago o valor equivalente a R$ 0,3829808273073 por ação ordinária; R$ 0,4212789100339 por ação preferencial e R$ 0,8042597373412 por Unit.

Farão jus aos referidos dividendos os acionistas que se encontrem inscritos nos registros da Companhia no final do dia 7 de maio, de modo que, a partir de 10 de maio às ações serão negociadas “Ex-Dividendos”.

Weg (WEGE3) tem lucro líquido 73,7% maior

A Weg (WEGE3) reportou lucro líquido de R$ 764,258 milhões no primeiro trimestre, desempenho 73,7% superior na comparação anual.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) somou R$ 1,016 bilhões, alta de 64,2%, com margem de 20,0% (+3,3 p.p.).

A receita somou R$ 5,076 bilhões, incremento de 36,7%.

Vamos Locação (VAMO3) tem alta de 100% no lucro do 1TRI21, de R$ 73,2 mi

A Vamos Locação (VAMO3) lucrou R$ 73,2 milhões no primeiro trimestre de 2021. Assim, a empresa registrou alta de 100,3%. O valor foi recorde para a companhia que fez seu IPO em janeiro de 2021.

Segundo a empresa, o resultado é decorrente do forte crescimento orgânico em todos os segmentos de negócio com “muito foco e disciplina na execução”.

Romi (ROMI3): lucro líquido tem queda de 49,2%, para R$ 20,7 milhões

A Romi (ROMI3) registrou um lucro líquido de R$ 20,74 milhões no primeiro trimestre de 2021. Os números refletem uma queda de 49,2% sobre o mesmo período de 2020.

A receita operacional líquida da companhia avançou 34,2%, passando de R$ 165,94 milhões no primeiro trimestre de 2020 para R$ 222,63 milhões um ano depois.

Segundo a Romi, o destaque foi para as unidades de negócio Máquinas Romi e Fundidos e Usinados.

Cesp (CESP6): lucro líquido sobe 115% no 1TRI20, para R$ 115,8 mi

A Cesp (CESP6) reportou um lucro líquido de R$ 115,8 milhões no primeiro trimestre de 2021. Os números refletem uma alta de 115% sobre o mesmo período de 2020.

A receita operacional líquida totalizou R$ 557 milhões, aumento de R$ 96 milhões em relação aos R$ 461 milhões do primeiro trimestre de 2020.

Movida (MOVI3): lucro sobe 99% no 1TRI21 para R$ 109,5 milhões

A Movida (MOVI3) reportou no primeiro trimestre de 2021 um lucro 31% maior do que o mesmo período de 2020. O indicador foi de R$ 109,5 milhões  – um recorde trimestral na história da empresa.

De maneira geral, todas as margens consolidadas apresentaram expansão na comparação anual. Segundo a empresa, esta performance confirma a resiliência das operações mesmo em cenários desafiadores como a pandemia da Covid-19.

Balanços Cias BDR’s

Microsoft (MSFT34): receita líquida sobe 38% no 1T21

A Microsoft (MSFT34) anunciou hoje os resultados do trimestre encerrado em 31 de março de 2021, em comparação com o mesmo período de 2020 e a receita ficou em US$ 41,706 bilhões, um aumento de 19%. A receita operacional foi de US$ 17,048 bilhões, 31% a mais.

A receita líquida ficou em US$ 14,837 bilhões, acréscimo de 38% em relação ao primeiro trimestre de 2020.

O lucro diluído por ação foi de US$ 2,03 GAAP e de US$ 1,95 não-GAAP, o que representa um aumento de 45% e 39%, respectivamente.

Google (GOGL34) quase triplica o lucro líquido no 1T21 em relação ao 1T20

A Alphabet, controladora do Google (GOGL34), divulgou seu balanço referente ao primeiro trimestre de 2021 (1T21), com um lucro por ação de US$ 26,29, acima dos US$ 15,82 esperados pelo mercado. No 1T20, o lucro por ação foi de US$ 9,87.

A receita da empresa no período foi de US$ 55,314 bilhões, o que também ficou acima do projetado, de US$ 51,70 bilhões. É um aumento de 34% em relação ao mesmo período de 2020 (com US$ 41,159 bilhões).

O lucro líquido ficou em US$ 17,930 bilhões, contra os US$ 6,836 bilhões do 1T20. É quase o triplo. No 4T20, a Alphabet reportou lucro 42% maior do que o mesmo período de 2019.

Cias abertas

Petrobras (PETR4) tem queda de 5% na produção de petróleo, gás e LGN no 1TRI

A Petrobras (PETR4 PETR3) divulgou nesta terça-feira (27) que a produção média de óleo, LGN e gás natural no primeiro trimestre deste ano foi de 2,77 milhões de boed, uma diminuição de 5% em relação ao mesmo período de 2020.

Conforme a Petrobras, o desempenho foi devido, principalmente, aos desinvestimentos concluídos ao longo de 2020 e início de 2021 e ao declínio natural de produção, que teve uma média de 11% nos projetos que já atingiram o seu pico de produção e entraram na fase de declínio.

Vale (VALE3) é a empresas mais valiosa da América Latina 

A Vale ultrapassou a marca de US$ 100 bilhões em valor de mercado, ampliando sua posição como companhia mais valiosa da América Latina. De acordo com levantamento feito pela consultoria Economática, a mineradora encerrou o pregão da B3 valendo US$ 103,8 bilhões nesta terça-feira (27), mais de US$ 20 bilhões à frente da gigante do e-commerce argentina Mercado Livre, a segunda colocada. A notícia é do Estadão.

JBS (JBSS3) inicia operação de blockchain 

A JBS (JBSS3) iniciou nesta segunda-feira (27) a operação de plataforma blockchain para integrar monitoramento ambiental.

Segundo a JBS, a novidade começou em abril e é “uma etapa fundamental da implantação do projeto que permitirá avanços inéditos no monitoramento da cadeia produtiva de bovinos no Bioma Amazônia”.

Assim, neste mês, iniciou-se o cadastro de produtores na Plataforma Pecuária Transparente, ferramenta que, com tecnologia blockchain, que tornará possível estender aos fornecedores dos fornecedores de gado para a indústria o monitoramento socioambiental com segurança de dados, confiabilidade e engajamento dos produtores.

Eletrobras (ELET6): PPI delimita funções da companhia durante privatização

Até a privatização, que ainda precisa ser aprovada pelo Congresso, a Eletrobras (ELET6) deverá adaptar-se às normas da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e preparar a documentação a ser analisada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e pelos demais órgãos de controle.

A companhia também deverá contratar serviços técnicos especializados para a emissão e oferta pública de ações e implementar as demais ações necessárias para a desestatização.

As atribuições da Eletrobras durante o processo de privatização foram definidas hoje (27) pelo Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). Caberá ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) prestar apoio à empresa e executar e acompanhar o processo de capitalização até o encerramento.

Limp está mais próximo da presidência da estatal

Os acionistas da Eletrobras aprovaram, em assembleia geral ordinária, a eleição de Rodrigo Limp para o conselho de administração da estatal. Ele foi indicado pela União em março para assumir a presidência da estatal, após a renúncia de Wilson Ferreira Júnior ao cargo em janeiro.

Rodrigo era secretário de energia elétrica do Ministério de Minas e Energia (MME). Anteriormente, foi diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A eleição para o conselho é um dos requisitos para que ele assuma a presidência da companhia, segundo reportagem do Valor.

BB (BBAS3) aprova membros do conselho

O Banco do Brasil (BBAS3) informou nesta terça-feira (27) que seu Comitê de Pessoas, Remuneração e Elegibilidade (Corem) apreciou as indicações de Aramis Sá de Andrade, para o Conselho de Administração, indicado pela União para o mandato 2021-2023; e de Robert Juenemann, para o mesmo conselho e mesmo mandato, indicado por acionistas minoritários.

O Corem decidiu que ambos os nomes não possuem empecilhos para o cargo: “os indicados comprovaram possuir idoneidade moral, reputação ilibada, formação acadêmica e experiência profissional compatíveis com as funções para as quais foram indicados”.

“Os indicados preenchem os requisitos que os qualificam como conselheiros independentes”, ressaltou o Corem do Banco do Brasil. Assim, podem assumir seus postos.

Guararapes (GUAR3) inaugura loja no RJ

A Guararapes Confecções (GUAR3) anunciou a abertura de mais uma Carter’s, localizada no Barra Shopping, no Rio de Janeiro, capital. É a sexta loja Carter’s.

Essa é a segunda loja inaugurada em 2021. A outra foi no Ourinhos Plaza Shopping, em Ourinhos, interior de São Paulo, com 1.506 metros quadrados. A do Barra Shopping tem 126 metros quadrados.

Localiza (RENT3) efetiva sucessões

A Localiza (RENT3) efetivou a sucessão do Presidente do Conselho de Administração e Diretor-Presidente da empresa. A sucessão já havia sido antecipada em 25 de fevereiro.

Nessa data, o Conselho designou Eugênio Pacelli Mattar para ocupar o cargo de Presidente-Executivo do Conselho de Administração da Companhia, passando Oscar de Paula Bernardes Neto a ocupar o cargo de Vice Presidente do Conselho de Administração. Para suceder Eugênio Mattar na posição de Diretor Presidente, o Conselho de Administração elegeu Bruno Lasansky.

CCP (CCPR3) anuncia acordo de investimento

A CCP (CCPR3) anunciou a celebração de acordo de investimento para constituição de uma  joint venture de controle compartilhado com a SPX Gestão de Recursos Ltda.

O objeto é a constituição e o desenvolvimento de uma nova gestora de recursos que deverá gerir fundos de investimentos destinados à aplicação de recursos em ativos imobiliários.

A constituição da JV faz parte da estratégia de crescimento da CCP que visa desenvolver projetos que criem valor para os acionistas da CCP.

Dasa (DASA3) integra negócios em plataforma digital

Após captar R$ 3,3 bilhões em sua oferta pública de ações, no começo do mês, a Dasa está reorganizando seus negócios.

A companhia investiu, nos últimos quatro anos, cerca de R$ 7 bilhões em aquisições de hospitais, clínicas de genômica, empresas de gestão de saúde, corretora. Agora, todos esses negócios estão integrados numa plataforma digital, batizada de Nav, e passam a operar sob uma única marca – Dasa.

Carrefour inclui cláusula anti-racista em seus contratos

Cinco meses após a morte de João Alberto Freitas, espancado por seguranças de uma loja do Carrefour
em Porto Alegre, o grupo que comanda a maior rede de supermercados do país reúne nesta quarta-feira 16 mil
fornecedores e parceiros em um evento on-line.

O presidente da rede, Noël Prioux, falará sobre novas cláusulas nos contratos, estipulando tolerância zero para atos de racismo, segundo reportagem do Valor.

CVC (CVCB3): ex-executivos quebram silêncio

Um dia antes da assembleia de acionistas da CVC tomar a decisão sobre um processo de arbitragem para buscar ressarcimento por erros contábeis que causaram prejuízos à empresa, os executivos Luiz Fernando Fogaça e Luiz Eduardo Falco, ex-presidentes da companhia de turismo, resolveram pôr o fim ao silêncio, segundo reportagem do Estadão.

Para os executivos, responsabilizá-los significaria punir as pessoas que identificaram a possibilidade de um problema e que iniciaram as investigações para apurar suspeitas, informando o mercado imediatamente.

A questão já se arrasta há mais de 18 meses. Os prejuízos estimados com os problemas contábeis na empresa são estimados em R$ 362 milhões. A CVC quer cobrar na arbitragem um valor mínimo de R$ 67 milhões.

4 consórcios estão interessados nos leilões da Cedae

Quatro consórcios apresentaram propostas para o leilão da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae), de acordo com o Valor.

Foram 12 ofertas, para os quatro blocos licitados. Os envelopes foram entregues ontem e o leilão deve ocorrer na sexta-feira.

CCR (CCRO3) e Ecorodovias (ECOR3) dão lance pela BR-153

A CCR e a Ecorodovias fizeram proposta pela concessão da rodovia BR-153, entre Anápolis (GO) e Aliança (TO), segundo duas fontes oficiais ouvidas pelo Valor.

Supremo nega pedido da Cesp referente a indenização da usina Três Irmãos

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) não acatou o pedido de liminar da Companhia Energética de São
Paulo (Cesp) numa ação em que a geradora cobra da União o pagamento de parte da indenização relativa à
concessão da usina hidrelétrica de Três Irmãos, conforme informou o jornal Valor.

A Cesp pedia o início imediato dos pagamentos referentes ao valor considerado incontroverso, de R$
1,7 bilhão (valores de junho de 2012).

Emissões e dívida

Log-In (LOGN3) aprova emissão de R$ 340 mi em debêntures

A Log-In (LOGN3) aprovou nesta terça-feira (27) a emissão de R$ 340 milhões em debêntures.

Serão emitidas 34 mil debêntures. O valor será de R$ 10 mil cada. Elas terão prazo de vencimento de 6 anos, vencendo em 2027.

Os juros serão de 100% do DI acrescidos de 4% ao ano.

Weg (WEGE3) informa sobre desdobramento

A Weg (WEGE3) aprovou a proposta de desdobramento das ações passando cada 1 ação ordinária a representar 2 ações ordinárias, sem elevação do capital social.

A companhia informou que o referido desdobramento tem como objetivo ampliar o acesso de investidores às ações, diversificar a base acionária e aumentar a liquidez do papel.

A posição acionária a ser considerada para o desdobramento das ações ordinárias é a de 27 de abril. Então, a partir de 28 de abril as ações serão negociadas sem direito ao desdobramento.

Lupatech (LUPA3) conclui processo de escrituração dos bônus

A Lupatech (LUPA3) concluiu o processo de escrituração dos bônus de subscrição da empresa.

Assim, os subscritores estão livres para negociar os Bônus em bolsa ou exercer os Bônus frente à Companhia a partir de 29 de abril de 2021, encerrando-se o prazo para exercício em 28 de outubro de 2025.

Proventos

Eletrobras (ELET3 ELET5 ELET6) pagará dividendos no montante de R$ 1,5 bi

A Eletrobras, (ELET3 ELET5 ELET6) informou que foi aprovada a proposta de dividendos no valor total de R$ 1,5 bilhão, aos acionistas da Companhia titulares de ações preferenciais de classes “A” e “B” e de ações ordinárias.

O valor total dos dividendos a serem pagos aos titulares de ações preferenciais das classes “A” e “B” é de R$ 290,77 milhões, equivalentes a R$ 1,03814345290052 por ação preferencial.

O valor total dos dividendos a serem pagos aos acionistas de ações ordinárias é de R$ 1,21 bilhão, equivalentes a R$ 0,94376677536411 por ação.

Lavvi (LAVV3) anuncia dividendos e JCP

A Lavvi (LAVV3) aprovou o pagamento de dividendos obrigatórios no montante de R$ 22,21 milhões, equivalente a R$ 0,1034900945 por ação ordinária.

Terão direito ao dividendo as pessoas inscritas como acionistas da Companhia na data-base de 27 de abril.

Sendo assim, as ações serão negociadas ex-dividendos a partir de 28 de abril e o pagamento será realizado em moeda corrente, no dia 07 de maio.

Localiza (RENT3) aprova pagamento de dividendos complementares

A Assembleia Geral Ordinária de Acionistas da Localiza (RENT3) aprovou o pagamento de novos dividendos.

Tendo em vista que o montante distribuído através de juros sobre o capital próprio em 2020 não atingiu aos 25% dos dividendos mínimos obrigatórios, a empresa aprovou a proposta da administração de pagamento aos acionistas de dividendos complementares no valor de R$ 18.126.589,30.

O pagamento ocorrerá no dia 21/05/2021 na proporção da participação de cada acionista. Farão jus ao pagamento os acionistas constantes da posição acionária da Localiza em 30/04/2021.

Banrisul (BRSR6) aprova pagamento de dividendos complementares

O Banrisul (BRSR6) aprovou o pagamento de dividendos complementares do exercício de 2020 no total de R$ 23,199 mi.

O valor unitário por tipo e classe de ação será de R$ 0,05595208 por ON, R$ 0,28616205 por ação PNA e R$ 0,05595208 por ação PNB.

Serão beneficiados os acionistas que estiverem inscritos nos registros da sociedade na data de 30/04/2021.

Portobello (PTBL3) anuncia dividendos e JCP

A Portobello (PTBL3) comunicou hoje que o pagamento de dividendos será com base no dia 30 de abril de 2021. A partir do dia 3 de maio (na segunda-feira próxima), os papéis serão negociados como ex-dividendos.

O saldo aprovado líquido para pagamento dos dividendos obrigatórios e adicionais, é de cerca de R$ 60,894 milhões.

Isso corresponde a R$ 0,410669617 por ação ordinária, dos quais R$ 17,278 milhões já adiantados em 9 de fevereiro último, na forma de dividendos, sendo R$ 0,11181398 por ação.

Os valores não adiantados, totalizando R$ 43,615 milhões serão pagos no dia 13 de maio de 2021, da seguinte forma, segundo a empresa: Dividendos no montante de R$ 26,219 milhões, correspondente a R$ 0,180437307 por ação ordinária; e JCP no valor líquido de imposto de R$ 16,996 milhões, correspondente a R$ 0,115204461 por ação ordinária.

Trisul (TRIS3) ajusta valor de dividendos para R$ 0,2419 por ação

A Trisul (TRIS3) aprovou a distribuição de dividendos, com base no lucro líquido do exercício findo em 31 de dezembro de 2020.

O valor é de R$ 45 milhões, que serão pagos em duas parcelas iguais de R$ 22,5 milhões, sendo a primeira no dia 4 de maio próximo e a segunda em 6 de julho de 2021.

Isso corresponde a R$ 0,24191267 por ação, já que 600 mil ações ficam em tesouraria. A ressalva é importante, porque a ata da Assembleia Geral Ordinária consta o valor de R$ 0,24113489 por ação, por contabilizar as ações em tesouraria.

 IPO 

IPO da Caixa Seguridade sai a R$ 9,67/ação e soma R$ 5 bi

A Caixa Econômica Federal informou ontem (27) que foi aprovado pelo conselho de administração o preço por ação de R$ 9,67 na oferta pública de distribuição secundária da subsidiária (IPO, na sigla em inglês) da Caixa Seguridade Participações. A cifra ficou pouco acima do piso da faixa indicativa, que ia de R$ 9,33 a R$ 12,67, segundo reportagem do Broadcast do Estadão.

A oferta movimentou R$ 5 bilhões, considerando a oferta base (450 milhões de ações) e o lote suplementar (67,5 milhões de ações).

A direção do sindicato dos bancários, aliado à Fenae (uma espécie de sindicato dos funcionários da Caixa Econômica Federal), entrou com representação na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) contra o presidente do
banco, Pedro Guimarães, para tentar barrar o IPO da Caixa Seguridade. As informações são do Valor.

A alegação é a de que ele estaria violando regras da autarquia, principalmente em relação aos esforços de vendas por meio de funcionários da Caixa.

A acusação foi recebida, mas ainda vai ser analisada pela CVM, e não há prazo para tomada de decisão.

IPO da Boa Safra sai no piso da faixa indicativa

A Boa Safra Sementes vendeu ações em seu IPO a R$ 9,90, no piso do intervalo pretendido. A operação movimentou R$ 460 milhões e envolveu as ações da oferta-base e do lote suplementar, segundo reportagem do Estadão.

A oferta teve apenas tranche primária e os recursos serão usados 50% para crescimento orgânico e inorgânico e 50% para reforço de capital de giro.

Mudança Acionária

IMC (MEAL3): Morgan Stanley passa a deter 4,9% das ações

A IMC (MEAL3) informou que o Morgan Stanley passou a deter 4,9% das ações da empresa.

Assim, o banco estrangeiro agora tem 13.953.857 de ações da IMC.

BR Malls (BRML3) tem alteração acionária

A BR Malls (BRML3) comunicou que o Morgan Stanley atingiu posição de 4,99% no número total de ações ordinárias da empresa.

Assim, a empresa detém 30.694.797ADRs e 12.953.500 de Instrumento Financeiro Derivativo com previsão de Liquidação Física.

(Com Marco Antonio Lopes, Claudia Zucare, Rodrigo Petry e Redação)