Joesley Day: há quatro anos, Brasil vivia risco de dois impeachments sequenciais

Redação EuQueroInvestir
Colaborador do Torcedores

Nesta terça-feira, 18 de maio, o Brasil lembra quatro anos do episódio que ficou conhecido como “Joesley Day”. Mas você lembra o que foi ele?

No ano de 2017, esta data entrou para a história do mercado financeiro. Naquele pregão, o pânico tomou conta dos investidores, após uma queda de mais de 10% do índice Ibovespa. Diante do caos instalado, o mecanismo do circuit breaker teve que ser acionado após quase 10 anos inativo.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, saiba quais são as melhores atitudes e aplicações para multiplicá-lo

O motivo foi a divulgação de um escândalo envolvendo o então presidente da República, Michel Temer (MDB), e o empresário dono da JBS (JBSS3), Joesley Batista. Entenda.

Joesley Day: o que foi?

Um dia antes do derretimento do mercado, na noite do dia 17 de maio, foi tornado público o conteúdo de uma conversa entre Temer e Joesley.

No áudio, o presidente dava o aval ao dono da JBS para comprar o silêncio do ex-presidente da Câmara de Deputados, Eduardo Cunha, que se encontrava preso por conta dos desdobramentos da Operação Lava-Jato.

A divulgação do áudio fazia parte do plano de delação premiada que Joesley fechou junto à Procuradoria Geral da República. O dono da JBS queria um acordo para reduzir sua pena por lavagem de dinheiro e corrupção.

Para o mercado financeiro, era dada como certa a renúncia ou o impeachment do presidente. Não custa recordar que Temer assumiu o cargo após um processo de impeachment contra Dilma Roussef (PT). Ou seja, seria o início de mais um processo longo de turbulência política.

Além disso, o país debatia na época uma agenda de reformas importantes, como a reforma trabalhista e a reforma da previdência. E tudo poderia ir por água abaixo com a saída de Temer do governo.

O fato é que, em meio a um cenário de incertezas, a gravação caiu como uma bomba no mercado financeiro.

A turbulência política somada ao “efeito manada” resultou em uma reação imediata e a bolsa derreteu no Joesley Day.

Entretanto, apesar do escândalo político na época, Temer só viria a ser preso em decorrência do caso depois do fim de seu mandato presidencial, já em 2019.

Planilha de Ativos

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.

Joesley Day

Reprodução/Capas de jornal

Joesley Day: impactos na bolsa de valores

Os efeitos do escândalo foram desastrosos para a bolsa de valores. Como as gravações foram divulgadas na noite do dia 17, o impacto só foi sentido no dia seguinte.

Então, em 18 de maio, a desvalorização no índice Ibovespa foi a maior dos últimos 9 anos. A última vez que isso aconteceu foi em 22 de outubro de 2008, na crise do subprime, quando a bolsa brasileira despencou 10,18%.

Às 10h51, em meio a uma queda incontrolável, com uma massa de investidores vendendo suas ações, o circuit breaker teve que ser acionado e os negócios foram suspensos por 30 minutos.

Nesse momento a bolsa caía 10,47%, a 60.470 pontos. O site da B3 também saiu do ar.

Após a retomada dos negócios, a bolsa conseguiu controlar o pânico do mercado e o Ibovespa fechou o dia em queda de 8,8%.

Joesley Day: dono da JBS envolvido, mas ações de estatais sofrem mais

Mesmo com o dono da JBS sendo um dos personagens centrais no Joesley Day, as ações da companhia não estavam entre as que mais se desvalorizaram no dia. Foram, sim, as estatais, mais diretamente relacionadas com o risco de instabilidade política.

A Eletrobras foi quem liderou o ranking das perdas, com baixa de 20,96% nas ações ordinárias.

Em seguida vieram Cemig, caindo 20,43% e Banco do Brasil, derretendo 19,9%. Já as ações da JBS fecharam o dia em queda de 9,64%, muito longe do topo de desvalorizações.

CompanhiaTickerDesvalorização
EletrobrasELET3-20,96%
CEMIGCMIG4-20,43%
Banco do BrasilBBAS3-19,9%
Metalúrgica GerdauGOAU4-17,08%
EletrobrasELET6-16,94%

Em sentido contrário, as empresas exportadoras tiveram um excelente desempenho, dado pela forte alta registrada no dólar daquele dia.

Fibria e Suzano foram os grandes destaques positivos, avançando  perto de 11% e 10%, respectivamente.

CompanhiaTickerValorização
FibriaFIBR311,47%
SuzanoSUZB59,85%
EmbraerEMBR32,66%
KlabinKLBN111,64%
ValeVALE50,39%

O dólar, por sua vez, registrou a maior alta dos últimos 18 anos. Então, no dia 18 de maio, a moeda, que abriu em R$ 3,1365 e chegou a bater em R$ 3,4068, fechou o dia cotada em R$ 3,36585, com valorização de 7,39%.

Mais Pregões Históricos da Bolsa

Lições do crash de 1929: especulação e excesso de otimismo trazem risco

Naji Nahas: como um único homem quebrou a bolsa de valores do Rio

Collor provoca maior baixa e maior alta já registradas na bolsa

Crise asiática e crise russa abalam mercados mundiais

Bolsa vai do pânico à euforia com câmbio flutuante

O estouro da bolha das ‘pontocom’

O terror de 11 de setembro abala os mercados

Pré-sal e investment grade causam euforia no mercado

Calote em hipotecas nos EUA derruba bolsas no mundo todo

Joesley Day e o risco de dois impeachments em menos de um ano

Bolsa subia após facada em Bolsonaro

Há um ano, mundo acionava o “botão do pânico” diante da Covid-19

Moro desembarca do governo e bolsa reage mal

(Por Regiane Medeiros)