Como diversificar carteira com renda fixa? Descubra!

Ronaldo Araújo
Engenheiro e Agente Autônomo de Investimentos, hoje me dedico a divulgar ensinamentos sobre como funciona a Previdência Privada. Acredito que com mais conhecimento é possível fazer melhores escolhas para a formação do patrimônio de longo prazo. Para saber mais acesse www.ronaldoaraujo.com.br
1

Diversificar os investimentos é tão importante quanto fazê-los. Assim, ter uma parte do capital alocado em renda variável e parte em renda fixa é uma das recomendações mais básicas. A sofisticação na alocação surge quando cada uma dessas áreas é subdividida em aplicações diferenciadas.

Para ajudar você a conhecer as opções de investimentos em renda fixa, apresentamos este artigo. Nele, você acompanhará diferentes formas de alocar seu capital em renda fixa. Com o movimento recente de alta na taxa Selic, diversas alternativas se tornaram mais atraentes no mercado de rentabilidade fixa.

Se quiser saber ainda mais sobre o tema, saiba que ele será o foco de um dos painéis da Money Week, evento online e gratuito da EQI Investimentos, que acontece de 25 a 29 de outubro. Faça já o seu cadastro!

Porque deve haver diversificação nos investimentos?

Já é sabido que concentrar os investimentos em uma mesma aplicação pode ser infrutífero. Se algo de errado acontecer (e pode acontecer), todo o capital pode sofrer um forte abalo. Sendo assim, além de variar entre aplicações de renda fixa e de renda variável, também é recomendado fazer diversificações dentro de cada um desses espectros.

Sendo assim, conhecer as alternativas existentes na renda fixa pode ajudar a compor um portfólio mais robusto e que possa aproveitar melhor as opções de rentabilidade mais atrativas. Nesse sentido, existem diferentes modos de aplicar o capital, ao mesmo tempo que se dispõe da proteção do FGC, o fundo garantidor de crédito.

Como diversificar usando a renda fixa?

Acompanhe algumas das principais opções de diversificação presentes na renda fixa.

Tesouro Prefixado e Tesouro IPCA+

Com o aumento da taxa Selic, os títulos do Tesouro Direto já sofreram determinada “correção” e hoje apresentam ótima atratividade. É o caso do Tesouro Prefixado e do Tesouro IPCA+.

Nos primeiros papéis, já é possível encontrar pagamentos de juros anuais na casa dos 10% para os títulos de menor prazo. Já para prazos estendidos, a rentabilidade pode alcançar quase 11% ao ano.

Em relação aos papéis atrelados à inflação, ou seja, o Tesouro IPCA+, as taxas de ganho real se encontram acima de 4,5% ao ano. Em títulos mais longos, os ganhos já se situam acima de 5% ao ano, o que faz com que esses papéis sejam ótimas alternativas como diversificação em renda fixa.

Vale lembrar que essa rentabilidade nominal é devida apenas a quem manter o título até o vencimento. Caso seja necessário efetuar o resgate antecipado do título, haverá marcação a mercado e os rendimentos serão afetados.

LCI e LCA

As letras de crédito também são ótimas opções, pois contam com a garantia do FGC. Além disso, tem a grande vantagem de serem isentas do pagamento de imposto de renda.

Com a elevação da taxa Selic, já é possível encontrar títulos dessa categoria pagando até 103% do CDI. Se considerarmos um IR de 20% sobre o lucro auferido que serão isentos de pagamento, um papel desse tipo entrega o equivalente a um título com rentabilidade de 128% do CDI que sofre tributação.

CDB IPCA+

Outra ótima opção de diversificação na renda fixa são os certificados de depósito bancários atrelados à inflação, ou seja, ao IPCA.

Eles funcionam de forma análoga aos títulos do Tesouro de mesma categoria. No entanto, costumam apresentar uma rentabilidade maior para prazos mais curtos. Por exemplo, é possível encontrar um CDB IPCA+ com ganho real de 5% ao ano com vencimento em quatro anos enquanto os papéis do Tesouro retornam essa rentabilidade apenas para prazos próximos a 20 anos.

Diversificar os investimentos é importante. Mas, mais do que isso, variar as aplicações entre os dois grandes mercados (renda fixa e variável) também é necessário.

Aproveitando as alternativas descritas aqui, é possível trazer mais rentabilidade para a carteira ao mesmo tempo que a segurança também é mantida, já que a maioria dos investimentos em papéis de renda fixa conta com a garantia do FGC.

Ainda com dúvidas sobre investimentos? Converse com um assessor depois de preencher o formulário abaixo.

E não deixe de se inscrever na Money Week!