Onde investir sua reserva de emergência?

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

Reserva de emergência é aquele montante de dinheiro que você só pode aplicar em investimento que não contenham riscos e que possuam alta liquidez. “É o recurso que você pode precisar usar a qualquer momento”, ensina Paulo Filipe de Souza, da EQI Investimentos.

Para ele, é importante a pessoa juntar ao menos seis meses do valor mensal necessário para pagar suas contas como reserva de emergência. E avaliar bem onde aplicar. Ele recomenda os CDBs, os fundos DI e LFT (letra financeira do Tesouro Direto).

Poupança não é investimento

Ao contrário do que alguns brasileiros ainda podem acreditar, a poupança não deve ser considerada um investimento. E isto vale também para a composição da reserva de emergência.

Isto porque a poupança tem um rendimento muito baixo na comparação com outras alternativas do mercado, igualmente seguras e com liquidez.

Ou seja, quem fica na poupança está, na verdade, perdendo dinheiro. A reserva de emergência não trará altos rendimentos, é fato, mas ela pode ter uma performance melhor dependendo de onde for alocada.

Como buscar informações sobre onde investir?

Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos, salienta que, hoje em dia, é muito mais fácil para os novatos encontrarem boas informações sobre o mercado para definir onde aplicar.

Ele recomenda que as pessoas busquem se atualizar com assessores de corretoras e em portais especializados.

“Hoje em dia as pessoas têm muito mais acesso a informação sobre o mercado. Tem os sites especializados, as lives, os canais no Youtube. É uma realidade bem diferente da que tínhamos anos atrás, quando faltavam boas fontes”, diz.

Reserva de emergência diferentes para perfis diferentes

A recomendação de onde investir a reserva de emergência não é a mesma para todo perfil de investidor, explica Cruz.
Ele afirma que um perfil mais arrojado pode, inclusive, optar por investimentos com liquidez de uma semana ou até meses.

“Estamos falando de preservação de patrimônio e dinheiro para emergências. Então, não existe uma fórmula para todo investidor. Depende muito do perfil de cada um”, diz.

Os mais conservadores, no entanto, devem seguir a alta liquidez.

Abaixo, oos investimentos mais recomendados para compor uma reserva de emergência.

Tesouro Selic

Antiga Letras Financeiras do Tesouro Direto (LTFs), o Tesouro Selic é conhecido como “a nova poupança do brasileiro”.

É uma boa opção para quem quer formar sua reserva de emergência com segurança. O Tesouro Selic, nada mais é do que o governo emitindo um título de renda fixa para poder financiar as dívidas públicas. Ou seja, ao comprar um Tesouro Selic você está emprestando dinheiro para o governo.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Há opções do Tesouro para médio e longo prazo também, como o Tesouro IPCA+, que são boas opções. Mas, lembre-se que, para reserva de emergência, é preciso alta liquidez, então, o Tesouro Selic é o mais indicado.

Leia também: Onde investir com a Selic baixa?

CDBs

A sigla CDB significa certificado de depósito bancário. É um título de investimento em renda fixa emitido por bancos para captar recursos para financiar suas operações. Na prática, o banco emite um CDB para captar recursos investidores e poder emprestar estes recursos para outras pessoas.

É possível encontrar CDBs de liquidez diária que remuneram o capital em até 100% da taxa DI.

Há CDBs pré-fixados, ou seja, o investidor já saberá de saída quanto receberá no resgate. Há os pós-fixados, com rentabilidade conhecida só no resgate. E há os híbridos, que pagam a variação de algum índice inflacionário acrescido de uma taxa de juros fixa.

Quer saber mais sobre CDBs? Clique aqui.

LCI/LCA

As Letras de Crédito Imobiliárias ou do Agronegócio são investimentos rentáveis no curto prazo, parecidos com os CDBs, porém isentos do Imposto de Renda.

Fundos de investimento

Esta opção é válida para quem não é leigo ou conta com assessoria de investimento. Isto porque é preciso avaliar os rendimentos e a liquidez dos fundos antes de optar por eles.

As corretoras de bancos não são indicadas, neste caso, porque certamente irão “empurrar” produtos exclusivos do banco que, nem sempre, serão a melhor opção. Uma corretora independente trabalha com um portfólio bem mais amplo de opções e garantirá o melhor retorno.

Leia também: Reserva de emergência: pandemia faz lembrar que ela é fundamental
Após a crise, foco em reserva de emergência será maior
Saiba como um assessor de investimentos pode te ajudar.