FII Summit: queridinhos de 2020, FIIs de logística seguem com espaço de crescimento

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/FII Summit

Enquanto uns choram, outros vendem lenços. O ditado resume bem o que aconteceu com os Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs) em galpões logísticos durante a pandemia da Covid-19. Pegando carona no crescimento do comércio eletrônico, o setor de logística cresceu 122% em 2020, na comparação com 2019.

Para debater o tema, o FII Summit trouxe Fernando Crestana, sócio e responsável pelas estratégias de renda imobiliária do BTG Pactual (BPAC11); Leandro Bousquet, sócio e head de real estate da Vinci Partners; Fabio Carvalho, sócio-diretor de finanças e investimentos da Alianza; e Julia Botelho, CEO e fundadora da Match Point.

Por conta das medidas de distanciamento social, a população transferiu boa parte de suas compras que seriam realizadas pessoalmente para a internet. O auxílio emergencial pago pelo governo também impulsionou o consumo. Com isso, os galpões precisaram se modernizar e expandir para atender a demanda crescente do delivery.

Análises e Resumos do mercado financeiro com leituras de 5 minutos. Conheça a EQI HOJE

Consequentemente, o investidor que tinha FIIs de logística na carteira sentiu no bolso o resultado desse avanço. No entanto, engana-se quem pensa que a alta dos FIIs de galpões logísticos chega ao fim junto com a solução da pandemia – aguardada, espera-se, com a ampla vacinação da população, o que deve ocorrer até o final do ano, de acordo com as previsões.

Segundo os especialistas ouvidos no FII Summit, o segmento ainda tem muita valorização a oferecer para o investidor. Confira, abaixo, os principais trechos do bate-papo que ocorreu no painel “Após destaque em 2020, ainda vale a pena investir em Fundos de Logística?”.

FIIs de logística: único segmento que cresceu na crise

O crescimento do setor de e-commerce já era de 15% ao ano antes da pandemia. Com ela, houve uma aceleração da subida, para 40% em 2020.

“Sem dúvida, o segmento de logística foi o mais resiliente e não só, foi o que cresceu durante a crise. É mesmo como diz o ditado ‘enquanto uns choram, outros vendem lenço’, afirma Leandro Bousquet, da Vinci Partners.

“O segmento se tornou o queridinho do mercado, destronando os shoppings, que eram, até então, os preferidos. Os FIIs de logística já representam 19% do IFIX e estão sendo negociados com ágil em relação ao valor patrimonial, porque as pessoas estão migrando para esta categoria”, complementa Fernando Crestana, do BTG.

Fabio Carvalho confirma que o setor de logística virou “a menina dos olhos do mercado de FIIs”. Ele reforça que, além do crescimento do setor, com mais galpões em construção, o país passa por uma modernização dos espaços. Isto porque o parque brasileiro é antigo, dos anos 1980, e a demanda hoje é por especificações técnicas muito bem delimitadas, sempre com foco na otimização do controle e na movimentação do estoque.

FIIs de logística: muitos anos de crescimento pela frente

A oferta de galpões logísticos ainda é muito pequena no Brasil e a demanda é bastante grande. O que culmina em uma taxa de vacância bem baixa. Por conta disso, afirmam os especialistas, há ainda muitos anos de crescimento do segmento pela frente.

“O que já tivemos de crescimento ainda não atendeu 100% da demanda por espaços. Então, este é o melhor ambiente para vocês estar como investidor. Os fundos vão continuar com menos risco de vacância e inadimplência e com mais chances de aumento no valor dos aluguéis, entregando um bom dividend yeld”, diz Bousquet.

Mas não é qualquer fundo que vale a pena

Não é qualquer fundo, a qualquer preço, que vale a pena, orientam os participantes do painel do FII Summit. Isto porque há muita cota sendo vendida acima do valor patrimonial. E, passada a euforia decorrente da crise, o cotista pode ter decepções.

“É preciso entender que logística é um tema complexo e que é preciso entender as variáveis. Localização, por exemplo, quantos pedágios o inquilino vai ter nos seus deslocamentos para entrega? Não há uma resposta única de quanto é um aluguel de galpão caro ou barato. É preciso especificar o tipo de galpão e o que ele oferece de vantagens para os inquilinos e qual tipo de inquilino”, orienta Carvalho.

Quer saber mais sobre as dicas dos gestores sobre FIIs? Clique aqui e se inscreva no FII Summit. O evento, totalmente online e gratuito, segue até quinta-feira, 15 de abril.

Mais FII Summit