Tesouro Selic ou Tesouro IPCA? Qual vale mais a pena atualmente?

Regiane Medeiros
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Crédito da imagem: Reprodução/Internet

Em um cenário onde a taxa Selic vem aumentando ao mesmo tempo em que a Bolsa segue em viés de baixa, muitos investidores voltam a olhar com mais atenção para a renda fixa.

Nesse contexto, investir em títulos do Tesouro, sobretudo nos pós-fixados, voltou a ser uma opção interessante ao investidor.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Isso porque, os títulos pós-fixados costumam oferecer uma rentabilidade maior quando a perspectiva futura para a taxa Selic é de alta.

Em geral, os títulos pós-fixados podem ser corrigidos por um dos dois indexadores:  taxa básica de juros (Selic) ou inflação (IPCA).

Enquanto o Tesouro Selic segue a taxa básica de juros para remunerar o investidor, o Tesouro IPCA é indexado pelo índice IPCA. Em ambos os casos, a rentabilidade do investimento será conhecida somente no vencimento do título. Ou no resgate antecipado, quando for o caso.

Diante dessas opções, você pode estar se perguntando: qual vale mais a pena? Tesouro Selic ou Tesouro IPCA?

Para saber qual o melhor ativo para ter em carteira, acompanhe esse artigo até o final!

Tesouro Selic: o que é e como funciona?

O Tesouro Selic é um título público, emitido pelo governo federal, onde você terá como rentabilidade o próprio valor da taxa Selic, que é a taxa de juros básica da economia.

Por ser pós-fixado, esse ativo ainda é uma boa opção para quem deseja construir uma reserva de emergência.

Isso porque, mesmo que ele tenha um vencimento longo, em média cinco anos, é possível resgatar o capital investido a qualquer momento.

Como sua rentabilidade é diária, mesmo que o resgate seja feito antes do vencimento, o investidor recebe os rendimentos do período em que seus recursos ficaram investidos.

Tesouro IPCA: O que é e como funcional

O Tesouro IPCA, por sua vez, tem sua rentabilidade atrelada, em partes, ao principal indicador da inflação no Brasil, o IPCA.

Em outras palavras, o rendimento do título é híbrido, o que significa que parte do retorno é prefixado e parte é atrelado ao IPCA.

Por conta disso, o Tesouro IPCA torna-se um investimento interessante quando há expectativa de alta da inflação, já que o patrimônio fica protegido da desvalorização da moeda.

Vale lembrar que é essencial buscar o retorno real da carteira, visto que se a rentabilidade não superar a inflação, você estará perdendo dinheiro e seu poder de compra será diminuído.

Outro ponto a destacar é que apesar do vencimento ser para o médio e longo prazo, nada impede de resgatá-lo no curto prazo, antes do vencimento.

Para isso é necessário recorrer ao mercado secundário e ficar sujeito às oscilações típicas da marcação a mercado, o que implica, inclusive, em assumir potenciais prejuízos.

Comparação entre Tesouro Selic e Tesouro IPCA:

Características

Tesouro Selic

Tesouro IPCA

Indexador

Selic

IPCA

Volatilidade

Baixa

Alta

Imposto de renda

Sim

Sim

Proteção FGC

Sim

Sim

Marcação a mercado

Não

Sim

Recomendação

Reserva de emergência

Investimento médio e longo prazo

Qual vale mais a pena? Tesouro Selic ou Tesouro IPCA?

Na verdade não existe “o que vale mais a pena” e sim o que é mais indicado para o perfil do investidor em uma determinada circunstância.

Além disso, deve ser levado em conta também qual é o objetivo da aplicação. Caso você queira ter a segurança de resgatar o valor investido a qualquer momento, então a melhor opção é o Tesouro Selic.

Por outro lado, se o objetivo é investir no longo prazo e garantir que os rendimentos não serão corroídos pela inflação, uma boa estratégia pode ser investir no Tesouro IPCA.

Outra opção é fazer uma combinação dos dois investimentos, de modo a garantir a segurança e liquidez, do Tesouro Selic, aliado à proteção contra a inflação, do Tesouro IPCA.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo