Oi (OIBR4) divulga plano estratégico para o triênio 2022-2024

Matheus Gagliano
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Divulgação

A Oi (OIBR4) divulgou seu plano estratégico para o triênio 2022-2024, com foco na transformação na Nova Oi, já homologadas as propostas vencedoras nos processos de alienação de UPIs. Considera ainda o plano de recuperação judicial da empresa.

As casas conectadas com fibra ótica da Oi devem chegar a aproximadamente 8 milhões até 2024, com aumento de cerca de 31%.

Acesse esse material especial para avaliar resultados, performance e dividendos dos melhores FIIs no mercado.

A receita média por casa conectada deve ser de R$ 94 ao mês, aumento de 11%.

A receita líquida da Nova Oi deve ficar entre R$ 14,8 bilhões e R$ 15,5 bilhões. A dívida líquida deve ser de 6,6 vezes em 2024.

Você sabia que algumas das maiores oportunidades de ganhos da bolsa estão nas Small Caps? Quer saber mais sobre essas ações e como investir? 

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.

Oi

Oi (OIBR4): venda da InfraCo rende R$ 12,9 bilhões

No início do mês, a companhia telefônica vendeu a sua subsidiária da fibra ótica, a InfraCo, por R$ 12,9 bilhões. O Banco BTG (BPAC11) e a Globenet arremataram em conjunto 57,9% da subsidiária.

A participação na empresa foi vendida por R$ 12,9 bilhões. Serão desembolsados R$ 9,786 bilhões para aquisição de ações da InfraCo e capitalização de R$ 3,137 bilhões na unidade de negócios em um prazo de até 90 dias.

O certame foi o último grande leilão de ativos da Oi (OIBR3), que já se desfez de torres, data centers e rede móvel, movimentando quase R$ 20 bilhões, conforme o plano de recuperação judicial aprovado pelos credores.

Os recursos levantados estão sendo destinados para o pagamento de dívidas e sustentar investimento no que restou das operações.

Ainda resta a rede de TV por assinatura, mas esse é um negócio de apenas R$ 20 milhões, bem menor em relação aos anteriores.

Prejuízo menor no primeiro trimestre

A empresa de telefonia reportou prejuízo de R$ 3,5 bilhões no balanço do primeiro trimestre (1TRI21). Isso representa uma queda de 44,2% na comparação com o mesmo período de 2020, com prejuízo de R$ 6,28 bilhões.

A companhia informou que seus investimentos (Capex) consolidado, levando em conta as operações internacionais, chegaram a R$ 1,83 bilhões.

O valor representa uma alta de 3,9% no comparativo anual e de 7,3% em relação ao 4TRI20.