Mercado secundário de renda fixa: como funciona? Vale a pena investir?

Carla Carvalho
Graduada em Ciências Contábeis pela UFRGS, pós-graduada em Finanças pela UNISINOS/RS. Experiência de 17 anos no mercado financeiro, produtora de conteúdo de finanças e economia.
1

Foto: renda fixa

Você sabia que os investidores podem negociar ativos entre si, fora das instituições financeiras e sem a participação dos emissores dos títulos? Esse ambiente de negociação direta se chama mercado secundário.

É importante saber que o mercado secundário abrange diversos tipos de ativos, como ações, fundos imobiliários, BDRs, debêntures, entre outros. Neste artigo, falaremos especificamente do mercado secundário de renda fixa. Continue a leitura para entender como funciona e se vale a pena negociar nesse ambiente.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Antes de mais nada, o que é mercado secundário?

Para que possamos entender o que é mercado secundário, precisamos antes saber o conceito de mercado primário.

O mercado primário é o ambiente no qual ocorre a primeira negociação de um ativo. Nesse caso, o título é vendido ao investidor diretamente pelo seu emissor. Ou seja, os recursos da negociação no mercado primário vão direto para o caixa da empresa ou para a instituição financeira emissora do título.

Os clássicos exemplos de negociação no mercado primário são as ofertas públicas de ações (IPO) e o follow-on.

O IPO marca o momento de estreia da companhia no mercado de capitais. Já no follow-on a empresa retorna ao mercado depois da oferta primária para captar mais recursos. Em ambos os casos, o dinheiro levantado vai direto para o caixa da empresa emissora das ações.

Por sua vez, no mercado secundário, as negociações acontecem diretamente entre investidores, sem a participação do emissor do ativo. Dessa forma, o fluxo financeiro das operações realizadas nesse ambiente ocorre integralmente entre as duas partes. Em outras palavras, o mercado secundário oferece liquidez às operações do mercado primário.

Por que negociar nesse mercado?

A grande vantagem de negociar no mercado secundário é a possibilidade de resgatar as aplicações antes do vencimento. Um exemplo ajuda a ilustrar como funciona esse ambiente na prática.

Digamos que você tenha contratado um CDB em 2017 a 9% ao ano, com vencimento para 2023. No entanto, você precisa resgatar hoje esse CDB, mas ele só tem liquidez no vencimento.

Nessa situação, a forma de você conseguir resgatar o título é negociando-o no mercado secundário. A boa notícia é que, nesse mercado, você fará essa negociação não pela taxa que está sendo praticada hoje, mas sim pela que você pactuou no início da operação.

Para o investidor que adquirir o seu CDB, isso será uma vantagem pois, com a Selic na mínima histórica (atualmente, em 2% ao ano), ele não conseguiria hoje a taxa original no mercado primário. Em outras palavras, nenhum banco ou corretora pagaria 9% ao ano hoje por um CDB que vencerá em 2023, ou seja, daqui a dois anos.

Com isso, dá para perceber a importância do mercado secundário, certo? Por um lado, ele ajuda o investidor que necessita de recursos antes do vencimento da aplicação. Por outro, oferece opções interessantes para quem procura diversificação para a carteira com rentabilidade.

Para entendermos como opera o mercado secundário, utilizamos como exemplo um CDB. Porém, é importante saber que nesse mercado se pode negociar praticamente todos os produtos de renda fixa, como LCIs, LCAs, Tesouro Direto, debêntures, entre outros.

Os mercados primário e secundário são complementares

Podemos dizer que o mercado primário e o secundário são complementares. Ou melhor, o mercado secundário movimenta e dá liquidez ao mercado primário.

Isso porque, caso não houvesse a possibilidade de negociar um título de longo prazo antes do vencimento, provavelmente ele não teria a mesma demanda entre os investidores.

Como negociar no mercado secundário de renda fixa?

Se você quiser negociar um título no mercado secundário de renda fixa precisará de uma assessoria de investimentos, ou poderá fazer isso também diretamente com um banco ou corretora.

Isso porque somente esses profissionais estão autorizados a negociar nesse mercado. No caso do assessor de investimentos, ele irá procurar algum investidor que esteja interessado em adquirir o título que você deseja negociar. Por sua vez, a instituição financeira oferecerá um deságio para ficar com a sua aplicação. Nesse caso, é necessário analisar se vale a pena pois, muitas vezes, os deságios praticados pelo mercado reduzem muito o ganho da aplicação.

Caso você decida operar no mercado secundário de renda fixa por meio de uma corretora, fique atendo aos horários praticados. Esse mercado abre às 10h e, normalmente, a melhores oportunidades esgotam-se logo nos primeiros minutos de negociação. Por isso, acaba sendo mais interessante procurar instituições financeiras com bases maiores de clientes, para ter acesso a mais oportunidades.

Principais pontos sobre o assunto

A seguir, um apanhado sobre os principais pontos que você deve lembrar sobre o mercado secundário de renda fixa:

Diferença entre mercado primário e mercado secundário

No mercado primário, as negociações são realizadas entre o investidor e o emissor do título (empresa, governo ou instituição financeira). Por sua vez, no secundário, as transações são diretas entre os investidores.

Liquidez

A principal vantagem do mercado secundário é a possibilidade de negociação dos ativos antes do vencimento. Essa liquidez acaba incentivando também as negociações no mercado primário.

É sempre vantajoso negociar no mercado secundário de renda fixa?

Como vimos, alguns títulos mais antigos disponíveis no mercado carregam taxas de anos atrás, quando a Selic estava em um patamar bem mais elevado. Por isso, há chances de se encontrar boas oportunidades de investimentos. No entanto, muitas vezes os deságios cobrados pelas instituições financeiras podem comprometer os ganhos do investimento. Por isso, é preciso analisar bem cada situação para saber se é interessante ou não investir nesse mercado.

Por fim, é bom lembrar que as boas oportunidades do mercado de renda fixa acabam sendo mais limitadas quando comparadas à renda variável. Por isso, se você deseja operar nesse mercado, é interessante escolher uma instituição financeira com uma base grande de clientes, para que tenha acesso a mais opções interessantes de investimentos.