Assessor de investimentos: saiba os benefícios de ter um

Natalia Gómez
Editora, é jornalista especializada no mercado de investimentos há 17 anos. Formada pela PUC-SP, teve experiências em veículos como Agência Estado, Valor Econômico e Revista Você SA; e na área de comunicação corporativa e relações públicas para instituições financeiras.
1

Crédito: Assessoria Investimentos

Se você conseguiu guardar dinheiro, precisa urgentemente entender quais são os benefícios de ter um assessor de investimentos ao seu lado.

Acumular um patrimônio não é para qualquer um, ainda mais em uma economia instável como a brasileira. Se este é o seu caso, e você deixou de ser um gastador para se tornar um poupador, merece um reconhecimento. 

Para ter ideia, em 2018 apenas uma parcela de 8% da população conseguiu fazer algum tipo de aplicação financeira, segundo a pesquisa Raio X do Investidor, feita pela Anbima.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

Mas uma vez que você chegou até aqui, seus desafios continuam. Afinal, você agora precisa proteger o dinheiro que já conquistou e fazer com que ele cresça por meio de bons investimentos. 

Em outras palavras, sua missão agora é se tornar um investidor bem-sucedido. 

Medo é seu inimigo

Considerando a história do País, é compreensível que tomar uma atitude em relação ao seu dinheiro gere algum tipo de insegurança. 

Mas deixar o dinheiro embaixo do colchão não é mais uma alternativa, já que a inflação vai corroer o seu patrimônio em pouco tempo, além do risco de roubo.

Deixar o dinheiro parado na conta bancária também não é uma solução viável, pois a inflação também vai alcançar a sua conta e a sua caderneta de poupança. 

Infelizmente, pouca gente sabe disso, e a poupança ainda é o investimento mais comum no Brasil. 

Parece inacreditável, mas ao mesmo tempo, a fatia dos poupadores que deixam dinheiro no colchão chega a 4%.

No outro extremo, sair operando no home broker de uma corretora sem qualquer conhecimento prévio seria um risco enorme. Escolher ativos em meio a um mar de opções é, no mínimo, temerário. 

Obviamente, perder o seu dinheiro não é uma opção para você. E nem deveria!

Quando o prático sai caro 

Sabendo disso, muita gente recorre ao gerente do banco para conseguir alguma orientação sobre investimentos, sem saber que está perdendo a oportunidade de fazer melhores negócios.

Para entender, é só imaginar a vida de um gerente de banco. Ele chega a ter 600 clientes no segmento de varejo. 

Além de cuidar do dia a dia das contas correntes, como pagamento de contas, empréstimos, transferências, este gerente ainda tem que atingir uma série de metas relativas a vendas de produtos bancários. 

Alguns exemplos são seguros, os famosos títulos de capitalização e títulos de renda fixa. Quando ele te faz sugestões, está sendo orientado por estas metas de vendas, e não pelo que funciona melhor para você.

Embora este profissional seja idôneo e muitas vezes bem intencionado, não tem as condições ideais para se concentrar no seu caso. 

E mesmo que ele consiga te dar atenção, ele está limitado a oferecer apenas os produtos de investimento que são oferecidos pelo banco. 

Ou seja, é como se o mundo fosse um grande restaurante e você fosse a um estabelecimento que só vendesse alguns tipos de pão, quando você poderia estar comprando produtos melhores, de queijos aos vinhos mais sofisticados, em outros lugares. 

Sozinho nas crises

Outro problema é que quando uma crise acontece. Nessa hora, o seu gerente de conta provavelmente não terá condições de tirar as dúvidas de todos os clientes que têm investimentos no banco. 

É bem provável que você passe por uma turbulência sem a orientação que deseja, precisando apelar para a ajuda de algum conhecido que entende um pouco do assunto. 

O que muita gente ainda não sabe é que existe uma forma muito mais eficiente de passar da fase de poupador para investidor. Pelo que deu para perceber até agora, o gerente do banco está fora dessa equação.

Agora pense no tipo de ajuda que você deseja ter. 

Quando você precisa resolver um problema jurídico, você busca um bom advogado. Quando seu carro quebra, você leva no melhor mecânico que puder encontrar. 

Se o seu animal de estimação fica doente, você não pensa duas vezes antes de levá-lo a um veterinário de confiança. 

Da mesma forma, você certamente vai querer que a sua estratégia de investimentos seja traçada por alguém que realmente entenda desse negócio.

A boa notícia é que esta profissão existe: o profissional que você procura se chama assessor de investimentos. 

Confira agora como se dá a atuação de um assessor de investimentos e quais são os principais benefícios de ter um ao seu lado na sua jornada para se tornar um investidor.

Qual é o papel do assessor de investimentos?

Diferente do gerente de banco, que acumula várias funções, o assessor de investimentos é uma pessoa voltada exclusivamente para te orientar sobre investimentos.

No seu dia a dia, ele prospecta novos clientes, fornece orientações sobre o mercado financeiro aos investidores, oferece os produtos certos e depois transmite as ordens dos investidores para corretoras. 

Você pode estar imaginando que esta figura é um especialista que vai falar um monte de nomes técnicos e que vai ser difícil entender alguma coisa. 

Afinal, todos os filmes e seriados que mostram especialistas em investimentos são bem difíceis de compreender, certo? 

Mas isso não é verdade. 

Como o assessor realmente é

Para poder te ajudar de forma adequada, antes de mais nada ele vai buscar compreender qual é o seu perfil de investidor. 

Isso inclui entender seus principais objetivos e sua tolerância ao risco. 

Com estas informações em mãos, o assessor de investimentos estará ao seu lado para bolar uma estratégia que funcione para você. 

Se sua aversão ao risco for grande, não tem problema nenhum. Neste caso, o assessor vai montar uma carteira de baixíssimo risco. 

Ele vai te apresentar os produtos e explicar como funcionam. 

Não precisa se preocupar com essa comunicação, pois o assessor de investimentos está acostumado a conversar com diferentes tipos de investidor. 

Isso inclui desde os que não entendem nada do mercado até aqueles que têm algum conhecimento. 

A decisão final sobre onde investir, claro, é sempre sua. Afinal, você é o dono do dinheiro.

Um cardápio muito maior

Um dos grandes benefícios é que este profissional terá uma gama muito grande de opções para oferecer. 

Diferente do seu gerente, ele não está limitado a te oferecer apenas os produtos de um só banco. 

Na verdade, ele conta com todas as opções que existem na plataforma de investimentos aberta de uma corretora de valores, à qual ele deve ser vinculado. 

Antes de continuar, corretora de valores é uma instituição financeira que faz a ponte entre o investidor e as aplicações financeiras. Quando você investe por meio de uma corretora, os recursos ficam no seu nome e vinculados ao seu CPF. 

A maior diversidade de aplicações é uma vantagem para você. Naquele exemplo que demos antes, seria como se você pudesse escolher sua refeição em um mercado grande e diversificado, com várias alternativas dentro de uma mesma categoria. 

Se você quiser frutas, você poderá escolher não apenas entre maçãs e bananas. Poderá encontrar desde as frutas da estação até frutas exóticas, e ainda inúmeros outros tipos de alimentos e bebidas.

Agora perceba que este “passeio” num supermercado de primeira linha vai ocorrer com o acompanhamento de um especialista. 

Neste caso, você vai perder muito menos tempo nesta tarefa, e obterá resultados melhores.

Assessor de investimentos é certificado

Um dos diferenciais é que o assessor de investimentos é um profissional certificado que não tem mentalidade de funcionário de uma instituição. Muito pelo contrário. 

Ele é um profissional com mentalidade de empresário. Ele pode atuar como pessoa física ou pessoa jurídica. Mas em ambas as formas ele depende da sua própria credibilidade para ter uma boa carteira de clientes.

Em outras palavras, o maior compromisso dele não é bater metas, mas sim construir um relacionamento de longo prazo com você. Somente assim ele pode ter um negócio sustentável.

Ainda falando sobre reputação, vale destacar que os assessores de investimento são certificados pela Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias (Ancord). 

Para isso, precisam fazer uma prova que permite sua atuação nesta área. 

Eles também precisam de autorização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para trabalhar. 

Antes de escolher o seu, verifique se ele está listado aqui. Guie sua escolha pela reputação, procure indicações e prefira instituições sólidas e experientes. 

Caso tenha curiosidade, você encontra todos os detalhes sobre a regulamentação desta profissão na Instrução CVM 497.

Como o assessor de investimentos é remunerado?

Contar com a orientação de um assessor de investimentos pode parecer bom demais para ser verdade. Mas afinal, quanto este profissional vai me cobrar por toda esta ajuda?

Em primeiro lugar, entenda que o custo do assessor de investimentos é zero para o cliente. Parece estranho, mas vamos explicar. 

A remuneração dele vem da corretora de valores à qual ele é vinculado. Esta instituição paga ao assessor uma comissão pelas aplicações feitas pelos clientes. 

Em média, um assessor ganha de 0,8% a 1,1% sobre os ativos assessorados.

Isso significa que o ganho deste profissional depende diretamente da sua reputação. Afinal, esta vai ditar o porte da sua carteira de clientes.

Deu para entender por que este profissional precisa oferecer serviços de primeira linha para ter sucesso?

A EQI Investimentos é um exemplo que ilustra bem este fato. 

Com mais de 30 mil clientes, a empresa tem mais de R$ 7 bilhões em recursos assessorados. A equipe conta com mais de 300 assessores espalhados por seis estados do País. 

Dá para imaginar que uma empresa conseguiria atingir um porte tão grande se não trouxesse retornos para os seus clientes?

Padrão de sucesso mundial

O avanço da EQI nos últimos anos não é um caso isolado. 

O Brasil tem passado por um grande aprendizado em relação à importância da assessoria de investimentos nos últimos anos. Nesta área, o país está seguindo um modelo de sucesso internacional.

Para se ter ideia, nos Estados Unidos, mais de 90% dos ativos são geridos pelos Financial Advisors. Lá, sVisitar siteão mais de 1,3 milhão de assessores trabalhando nesta área. 

No mercado brasileiro, o avanço tem sido grande, mas ainda existe um grande potencial neste sentido.

De acordo com dados da Ancord, em 2019 o mercado tinha 9,6 mil profissionais da área credenciados, sendo que 7,5 mil estavam vinculados a uma instituição financeira, ou seja, aptos a exercer atividades. 

É um avanço expressivo em relação aos anos anteriores. Em 2016, por exemplo, eram 4,5 mil profissionais credenciados e 2,8 mil vinculados.

Em relação ao volume de ativos, a Associação Brasileira dos Agentes Autônomos de Investimentos (ABBAI) estima que 5% a 7% dos ativos investidos por pessoas físicas no Brasil sejam geridos por estes profissionais.

Este é um indicador do quanto esta indústria deverá avançar, e muito, nos próximos anos.

Ao que tudo indica, a representatividade deste setor frente ao setor bancário deve aumentar. Uma evidência é o encolhimento do número de funcionários dos bancos. 

Entre janeiro e outubro de 2019, o setor bancário fechou 6,3 mil vagas, incluindo demissões e cargos que não foram repostos. Os dados são do SP Bancários. 

Esta redução foi causada principalmente pelo aumento do uso da tecnologia e pela maior concentração do setor. Ao mesmo tempo, as pessoas estão procurando melhores alternativas de investimentos.

Momento é ideal para ter assessor de investimentos

Não importa a sua idade. Certamente você já sentiu na pele o quanto a economia pode variar. Seja por turbulências políticas, pandemias, planos econômicos. 

Por exemplo, o Brasil sempre foi conhecido por ter taxas básicas de juros muito elevadas. Isso permitia que qualquer pessoa tivesse ótimos retornos aplicando em investimentos seguros, de renda fixa. 

Era um paraíso de baixos riscos com alta rentabilidade.

Já faz alguns anos que esta festa acabou. A taxa Selic vem caindo a cada ano. 

Novos desafios à frente

Simultaneamente, tivemos uma mudança estrutural na previdência pública, sinalizando que você deve cuidar muito bem do seu patrimônio para ter uma velhice confortável.

No atual contexto, o modelo de trabalho CLT está sendo cada vez menos comum; concursos públicos são mais e mais raros, e o empreendedorismo é a nova regra.

O mercado tomou uma surra com a pandemia do coronavírus. Agora é preciso ter expertise para saber se preparar para o retorno da atividade econômica. 

Durante a crise do coronavírus, as pessoas ficaram tão preocupadas com a queda da bolsa de valores que muitas venderam suas posições em pleno momento de baixa. 

Com isso, ajudaram a derrubar a bolsa ainda mais.

Se eles tivessem o acompanhamento de um assessor de investimentos, certamente não sairiam do mercado em um momento de baixa.

Elas teriam esperado o mercado se recuperar e protegido o seu patrimônio. 

É a mesma coisa quando você vai na academia mas tem a orientação de um personal trainner. Ele não deixa você desanimar dos exercícios só porque teve uma noite ruim.

Outra mudança enorme que ocorreu no Brasil foi a ampliação do mercado acionário. 

Até os anos 2000, havia poucos nomes de empresas listados na bolsa de valores. Hoje, são mais de 300 empresas, sem contar na grande variedade de fundos de investimento. Da mesma forma, o volume de negociações vem crescendo.

Ou seja, o volume de informações aumentou. O desafio ficou maior. 

Não é à toa que 37% dos brasileiros dizem que não investem por falta de conhecimento. Este dado foi revelado por um levantamento da gestora de recursos americana BlackRock.

Em resumo, o momento certo para você fazer a transição para uma assessoria de investimentos é agora! 

Aproveite que você está à frente de muitos e dê um salto transformador na sua jornada de investidor.