Indicadores econômicos: saiba tudo sobre o IPCA e para que é usado

Ana Paula Schuster
Colaborador do Torcedores

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é um dos muitos indicadores econômicos presentes no Brasil. Conheça mais sobre estes e saiba a importância de coletar dados referentes à economia do país.

Os índices econômicos são importantes reguladores da economia. Em decorrência disso, investidores atentos se baseiam neles ao projetar suas finanças. Também, governos se utilizam deles para criar medidas e entender a situação financeira do país.

O IPCA é conhecido como medidor oficial da inflação. Além de sua fundamental importância na economia, outros indicadores são calculados baseados nele.

IPCA: Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo

Para qualquer investidor, esse índice é importante. Não apenas por ele estar atrelado ao rendimento de vários tipos de investimentos, mas também por fornecer uma ideia de como anda a economia do país.

Em resumo, ele mede a variação dos preços do mercado para o consumidor final. Além de ser conhecido como o índice oficial da inflação (ou deflação) no Brasil.

As variações do IPCA implicam variações em outras taxas fundamentais na economia brasileira. Em principal na taxa Selic e na taxa de juros. Dito isso, todas elas refletem na economia e nos investimentos.

Como o IPCA é calculado

O IBGE faz um levantamento mensal, em 13 áreas urbanas do País, de, aproximadamente, 430 mil preços em 30 mil locais. Logo, todos esses preços são comparados com os do mês anterior, resultando num único valor. Este, dessa forma, reflete a inflação geral no período.

É interessante ressaltar também que o IBGE leva em conta famílias de 1 até 40 salários mínimos. Bem como suas despesas com produtos e prestação de serviços.

Quais produtos o IPCA leva em consideração

O índice não é calculado sobre todos os produtos. Em suma, são categorias específicas e cada uma possui um peso diferente no cálculo. Veja a relação do produto com a porcentagem sobre ele.

  • Alimentação e bebidas (23,12%)
  • Artigos de residência (4,69%)
  • Transportes (20,54%)
  • Comunicação (4,96)
  • Despesas pessoais (9,94%)
  • Habitação (14,62%)
  • Saúde e cuidados pessoais (11,09%)
  • Vestuário (6,67%)
  • Educação (4,37%).

Porque é usado o IPCA

O indicador é usado pelo Banco Central como principal medidor da inflação do país. Ele serve, portanto, como referência para que o governo monitore sua meta de inflação anual. Em seguida, defina suas políticas monetárias e medidas econômicas a partir daí.

Para evitar descontrole nas taxas de inflação do país, como ocorreu no início da década de 1990, o governo trabalha com uma meta de inflação por ano. Tendo isso em vista, quando o IPCA dá sinais de ultrapassar esta, o governo passa a tomar medidas. Uma delas é mudar a taxa Selic, taxa básica de juros.

Então, de forma indireta, esse índice afeta o valor do seu dinheiro e do seu poder de compra. Assim, quando a inflação está em alta, seu saldo passa a valer menos. Isso mostra o quanto é útil para um investidor conhecer as mudanças no mercado.

IPCA acumulado e inflação anual

Os valores mensais do índice vão se acumulando. Dessa maneira, se obtém a taxa de aumento dos preços para o ano, ou seja, a inflação acumulada dentro do período anual.

Veja na tabela abaixo os valores acumulados nos últimos seis anos. De certo, analisar dados passados desse indicador contribui para fazer projeções financeiras. Em especial o IPCA, que mostra o índice de inflação.

ANOINFLAÇÃO ACUMULADA (%)
20204,52
20194,31
20183,75
20172,95
20166,29
201510,67

Porque acompanhar o IPCA é tão importante

O índice oficial da inflação funciona como um termômetro para seus investimentos. Ou seja, quando a inflação está alta é sinal de que o poder de compra diminuiu e em consequência seu dinheiro está valendo menos.

Diante do exposto fica claro que uma pessoa bem informada, que acompanha as mudanças no mercado está mais preparada para lidar com situações adversas. Em paralelo, esta também saberá qual a melhor hora para se investir.

Fique atento aos indicadores como o IPCA e outros. Logo, tenha cautela e não aplique suas finanças como se estivesse apostando na loteria. Estude o mercado financeiro e terá os melhores resultados.

IPCA em 2021

De acordo com relatório divulgado pelo Banco Central (Boletim Focus), com as estimativas do mercado, a projeção para o acumulado do ano de 2021 era, há quatro semanas, de 4,85%. Agora, encontra em 5,06% – era 5,04 uma semana atrás.

O que é um indicador econômico

Indicadores Econômicos são levantamentos estatísticos que mostram a atual situação de determinada área, durante certo tempo. Em síntese, funcionam como termômetros que determinam se o país ou região está se expandindo ou se contraindo economicamente.

Eles são usados como referência por investidores, empresários e pelo governo. Além de servir para avaliar a situação financeira do país. Como por exemplo, o IPCA que emite dados para controlar a inflação.

Os dados dos indicadores permitem ter conhecimento de como está a real economia do país. Algumas medidas dos governos são baseadas nessas informações. Assim como, investidores realizam ações tendo por base resultados desses índices.

Qual a importância dos indicadores econômicos

Os indicadores econômicos, são a prova real do que realmente está acontecendo com um país, eles mostram a realidade de um cenário econômico. Veja algumas das ações que podem ser previstas graças a estes indicadores:

  • Identificação de mercados;
  • Reconhecimento dos melhores momentos econômicos para investir;
  • Auxilia na tomada de decisões;
  • Previsão de cenários do capital;
  • Planejamentos empresariais;
  • Construção de estratégias de investimento mais assertivas.

Quem produz indicadores como o IPCA e outros

Os dados que compõem os indicadores econômicos são coletados por empresas especializadas. Entretanto, é importante, o coletar de informações que podem interferir nas políticas públicas do país. Por isso, devem ser feitas por empresas competentes.

É necessário que a empresa tenha uma estrutura de coleta de dados experiente. Além disso, ela deve agir com responsabilidade e ser fiel aos dados coletados. Os principais órgãos que criam esses indicadores no Brasil são IBGE, BCB e FGV.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

O instituto é um dos principais centros de estudos do Brasil. Além de realizar o Censo Demográfico, este também desenvolve uma série de índices, incluindo econômicos. Dentre os indicadores produzidos pelo IBGE, estão IPCA, INPC, PIM-PF e desemprego.

Banco Central do Brasil (BCB)

O BCB tem controle sobre o Mercado Monetário e portanto, é a fonte mais confiável de indicadores econômicos relacionados a ele. Logo, ele é capaz de influenciar e controlar alguns índices econômicos e seu principal indicador é a taxa Selic.

Fundação Getúlio Vargas (FGV)

A FGV é uma instituição referência em ensino e pesquisa no mundo e no Brasil. Diante disso, uma de suas unidades, o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (IBRE) produz estatísticas macroeconômicas. Ela é produtora da IGP-M.

Quais são os principais indicadores relacionados com IPCA

Veja algumas siglas e o que elas significam.

Produto Interno Bruto (PIB)

Ao calcular o PIB, soma-se todos os valores monetários produzidos pelo país durante um ano. Assim, este mostra a riqueza de determinada região. Portanto, se o PIB está em alta significa que a economia está crescendo. Já, se está em baixa, quer dizer recessão.

Índice Nacional de Preços ao consumidor (INPC)

Assim como o IPCA, o INPC é medido pelo IBGE e mostra a oscilação dos preços no mercado de varejo. No entanto, leva em consideração apenas famílias com até cinco salários mínimos. Seus resultados são usados em cálculos de reajustes salariais.

Índices Geral de Preços do Mercado (IGP-M)

Este, por sua vez, é realizado pela FGV. Em síntese, sua função é registrar a inflação de bens de consumo e bens de produção. Seus dados são usados como fator de correção para contratos e aluguéis. Não somente, mas também pelo mercado financeiro.

Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF)

A PIM-PF também é realizada pelo IBGE. Seu objetivo é acompanhar os índices mensais de produção da indústria nacional. Isso ajuda a entender o cenário da economia. Pois a indústria contribui para uma boa parcela do PIB.

Desemprego e informalidade, assim como o IPCA, mostra como está a economia

O índice de desemprego é calculado pelo IBGE. Sendo assim seus dados mostram a capacidade de empregar trabalhadores. O resultado, portanto, afeta várias coisas: a quantidade de renda para o consumo, os gastos governamentais com benefícios e etc.

Índice Nacional de Preços ao consumidor Amplo (IPCA)

Este é medido mensalmente pelo IBGE. Ele é o principal índice que mede a inflação do país. Por sua extrema importância, é essencial que investidores de renda fixa o conheçam. Portanto, ele será abordado mais abaixo de forma a aprofundar o assunto.

Taxas usadas como indicadores econômicos, além do IPCA

Algumas taxas também indicam como a economia está. Por isso, é essencial se informar sobre elas e conhecer bem o cenário econômico. Em principal no momento de investir e realizar suas compras.

Taxa Referencial (TR), assim como o IPCA, é um índice da economia

A TR foi criada no Governo de Fernando Collor, nos anos 90, com o intuito de diminuir a hiperinflação. Nos dias atuais, ela é usada para calcular o rendimento de diversas operações financeiras, como a poupança.

Sistema especial de Liquidação e Custódia (Taxa Selic)

Essa é a taxa básica de juros no Brasil. Dessa forma, diversas outras taxas, como a de juros de financiamento e empréstimos são influenciadas por ela.

Vale ressaltar que essa taxa é emitida pelo BCB. Além disso, ela é usada para combater a inflação, quando o IPCA tem resultados altos.

Além do IPCA, dólar também é um indicador

O dólar também se mostra influente sobre a economia mundial. Embora sua cotação não seja regulada pelo estado e sim determinada pelo câmbio flutuante. Ou seja, este é ditado pela lei de oferta e demanda.

Quando a moeda está em alta, a tendência é que a inflação do Brasil aumente. Como consequência, afeta também investimentos estrangeiros no Brasil e exportações. Em contrapartida, a baixa beneficia importadores e o turismo internacional.