Money Week: investimento em setores resilientes é estratégia para lucrar no longo prazo

Ana Paula Schuster
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Reprodução/Money Week

Para quem inicia na bolsa de valores é importante saber como investir em setores resilientes e ter retornos a longo prazo, pois com o momento que passamos, alguns setores possuem grandes condições de vencer períodos de crise e você precisa saber quais são.

Quem falou sobre isso na Money Week foi Jonathan Camargo, sócio sêniorEQI Investimentos, que falou sobre “Características e semelhanças dos setores resilientes da bolsa de valores”.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Setores resilientes contra a oscilação da bolsa

O mercado financeiro oscila com muita frequência, por isso os acionistas com perfil conservador precisam de opções seguras. Assim, a melhor alternativa é encontrar uma forma de investimento de médio a longo prazo, que dure 5, 10 ou mais de 15 anos.

Existem alguns setores que são mais indicados para quem procura esse tipo de ação. Portanto, a seguir estão duas áreas que chamam a atenção por atenderem a bons critérios de lucro após grandes períodos: bancos e seguradoras e serviços básicos.

Como escolher setores resilientes para investir?

Você deve avaliar quais setores resilientes possuem condições de não sofrer tanto com crises ou momentos mais complicados da economia, alguns exemplos disso são bancos, seguradoras e serviços básicos, veja a seguir um pouco sobre cada um.

Bancos e Seguradoras

As seguradoras e os bancos são chances de ampliar a sua carteira com proteção e conseguir bons resultados. Isso porque eles atendem a uma série de características positivas.

Setor resiliente pois possui pouca concorrência

Os setores não costumam ter concorrentes surgindo todos os dias, já que para abrir uma instituição do setor é preciso ter muito capital. Além disso, é necessário seguir uma extensa e burocrática regulamentação, o que é uma grande barreira de entrada.

Juros altos e bons dividendos

Devido às suas altas taxas de juros o setor possui um bom retorno para os seus acionistas. Assim, os dividendos pagos costumam ser constantes e os valores pagos são muito interessantes.

Mudança de hábito

As mudanças de hábitos de pessoas que frequentam grandes instituições bancárias é lenta. Então, o processo dos clientes para deixar a agência é complexo e devagar, o que os torna fiéis ao trabalho.

Porque investir nestas instituições?

Os setores têm uma porcentagem de lucro a longo prazo que rendem mais do que o Ibovespa. Além disso, para saber como investir em setores resilientes, é interessante escolher companhias da qual conheça os serviços e produtos prestados.

Serviços Básicos

Os serviços básicos, como energia elétrica e saneamento, possuem demandas constantes. Dessa forma, seus lucros acontecem de forma constante, mas como não consegue se expandir tanto é repassado aos acionistas.

As políticas atuais demonstram grandes chances de privatizações no futuro, o que também simboliza uma grande chance de lucro. Com isso, esse é um setor constante e que raramente tem picos negativos em seus históricos.

Como encontrar empresas resilientes no setor?

Busque por empresas que tenham bons dividendos, porque isso significa que elas não têm grandes capacidades de expansão. Portanto, precisam devolver parte do lucro gerado para os acionistas.

O payout também é um fator essencial, isso porque ele é o percentual que a marca distribui em relação com os seus lucros. Então, para valer a pena precisa ser menor que 100%, afinal ela não deve pagar mais do que ganha.

Seus dividendos devem ser crescentes e constantes, com resultados positivos ao longo dos anos. Por fim, é importante que tenham um baixo endividamento, para que não corram risco de quebrar.

Essas simples regras vão fazer o diferencial nas novas aquisições da sua carteira e tornar o potencial de lucros maior. Assim, pesquise empresas neste setor e faça os seus próximos investimentos.

Clique aqui para conferir o vídeo na íntegra.

Leia também: Setores resilientes: quais são e como se proteger