BAAX39: conheça o investimento que acompanha o mercado asiático

Carla Carvalho
Graduada em Ciências Contábeis pela UFRGS, pós-graduada em Finanças pela UNISINOS/RS. Experiência de 17 anos no mercado financeiro, produtora de conteúdo de finanças e economia.

Crédito: Pixabay

Uma das novidades trazidas pelo mercado de capitais brasileiro nos últimos meses foram os BDRs de ETFs. A seguir, conheceremos o BAAX39, o BDR de ETF que replica o índice MSCI All Country Asia ex Japan (AAXJ).

Mas antes, falaremos um pouco mais sobre o que são e para que servem os BDRs de ETFs. Continue a leitura e confira!

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Para começar, o que é um BDR de ETF?

Aqui na EQI, nós já falamos algumas vezes nos BDRs (Brazilian Depositary Receipts), que se tornaram mais acessíveis para os investidores a partir no final de 2020. Trata-se de títulos negociados na bolsa de valores brasileira que representam ações de companhias estrangeiras. Ou seja, ao adquirir um BDR, o investidor passa a ter um título que representa essa empresa, e que lhe confere alguns direitos. Um deles é o recebimento de dividendos (se essa for a política da companhia).

Por sua vez, os ETFs (Exchange Traded Funds) são fundos que replicam determinado benchmark do mercado financeiro, como o Ibovespa ou índices internacionais, por exemplo. Com a redução do lote mínimo de negociação, essa modalidade também se tornou mais acessível para o público em geral no ano passado. Nesse sentido, a gestão passiva também contribui para baratear o investimento, uma vez que as taxas de administração nesse tipo de fundo costumam ser menores.

E por que investir em BDRs de ETFs?

Uma das perguntas que o investidor faz é justamente essa. Por que investir em BDR de ETF? Afinal, não seria melhor adquirir diretamente títulos que representem as companhias estrangeiras?

A principal vantagem de investir em um BDR de ETF é a maior diversificação com menor custo que esse título trará à carteira. Isso porque, diferentemente dos BDRs tradicionais, o BDR de ETF não representa somente uma empresa estrangeira, e sim várias delas. Ou seja, a performance desse fundo acompanhará o seu índice de referência, e não somente o desempenho de uma empresa em específico.

Para conseguir a mesma diversificação com BDRs tradicionais, você teria mais custos. Entre eles, as taxas de corretagem para adquirir mais títulos encareceriam o investimento. Logo, o BDR de ETF é uma das melhores opções para o pequeno investidor que deseja diluir o risco-país da carteira.

No artigo abaixo, entenda a importância do risco-país na economia e nos investimentos.

BAAX39: O BDR de ETF que acompanha o mercado asiático

O BAAX39 é um BDR de ETF que acompanha o índice MSCI All Country Asia ex Japan (AAXJ). Por sua vez, esse índice busca acompanhar o desempenho de ações de grandes e médias empresas de países asiáticos emergentes e desenvolvidos, com exceção do Japão.

Entram no fundo empresas como Alibaba, Samsung, Tencent, Xiaomi, LG, Hyundai, Kia, entre outras asiáticas.

O BAAX39 teve início em 30 de novembro de 2020. Em relação ao público-alvo, esse BDR de ETF é voltado a investidores em geral. Quanto à gestão do investimento, o trabalho é realizado pela BlackRock.

Performance do BAAX39

Como vimos, o objetivo do BAAX39 é acompanhar o MSCI All Country Asia ex Japan (AAXJ). No entanto, esse investimento não oscilará exatamente conforme o seu índice de referência. Isso porque, mesmo que seja cotado em dólar, os BDRS são investimentos em reais. Logo, além do índice de referência, o BAAX39 também será influenciado pela variação cambial.

Outras características do BAAX39

Vejamos agora outras características desse BDR de ETF:

Pagamento de dividendos

O BAAX39 é um BDR de ETF que paga dividendos ao investidor. Isso porque o AAXJ, seu índice de referência, historicamente distribui dividendos de 2,09% ao ano.

Custos

Em relação aos custos, o BAAX39 possui taxa de administração de 0,69% ao ano.

Segundo a legislação norte-americana, os dividendos desse BDR de ETF sofrem desconto de 30% antes de chegarem ao investidor no Brasil. Além disso, existe também a cobrança de 0,38% de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

Por fim, ainda há 3% referente à tarifa do Banco B3, que é a instituição financeira depositária da maioria dos BDRs negociados na bolsa. Cabe lembrar que essa tarifa varia conforme o banco depositário. E, da mesma forma que o IOF e imposto dos EUA, é descontada antes de repassar o dinheiro ao investidor.

Afinal, todos os investidores podem adquirir BDRs de ETFs?

Desde outubro de 2020, foram lançados cerca de 40 BDRs de ETFs. A princípio, esse investimento era voltado somente a investidores qualificados. Ou seja, investidores profissionais ou que possuam mais de R$ 1 milhão em aplicações financeiras.

No entanto, aos poucos a bolsa brasileira começou a liberar os BDRs de ETFs também para o público em geral. Segundo informado pela B3, a dificuldade de tornar todos esses BDRs disponíveis para o pequeno investidor de uma só vez era a tradução da documentação para o português.

Atualmente, já existem cerca de 23 BDRs de ETFs disponíveis para a pessoa física no mercado de capitais brasileiro. Nesse sentido, a expectativa da B3 e do mercado em geral é de que essa ação ajude a fortalecer o interesse do investidor brasileiro em ativos internacionais.

No artigo abaixo, saiba mais sobre diversificação de investimentos em moeda estrangeira.

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3