Radar Corporativo traz Vale (VALE3), Petrobras (PETR 3), Usiminas (USIM5) e SLC (SLCE3)

Matheus Gagliano
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O Radar Corporativo desta quinta-feira (1) destaca que a Vale (VALE3) inicia a operação de dez caminhões autônomos na mina de Carajás (PA), a maior a céu aberto do mundo.

A Petrobras (PETR3 PETR4) vende sua participação na BR Distribuidora (BRDT3), levantando R$ 11,3 bilhões. A empresa também anuncia que cedeu sua participação em um conjunto de sete concessões terrestres e de águas rasas denominada Polo Alagoas. O valor total da venda é de US$ 300 milhões.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Já a SLC Agrícola (SLCE3) define a combinação de negócios da empresa com a Terra Santa Agro.

O Grupo São Martinho (SMTO3) capta R$ 1 bilhão para projetos “verdes”.

Enquanto a Usiminas (USIM5) prevê impacto positivo de R$ 2,4 bilhões no resultado consolidado,  após a decisão do STF sobre exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e do Cofins.

Já a AES Brasil (AESB3) informa que vendeu 18.428 ações ordinárias e conseguiu, com a operação, levantar R$ 263,3 milhões.

E ação dos acionistas minoritários da Smart Fit (SMFT3) pode virar uma dor de cabeça para o IPO da rede de academias.

Por fim, Blau (BLAU3), Marcopolo (POMO4) e Hapvida (HAPV3) informaram sobre proventos.

Veja a cobertura completa do Radar Corporativo:

O que você verá neste artigo:

Cia abertas

Minoritários podem complicar IPO da Smart Fit (SMFT3)

A ação que acionistas minoritários ajuizaram na Justiça contra a Smart Fit (SMFT3) pode virar uma dor de cabeça para o IPO da rede de academias. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) decidiu abrir um processo administrativo para entender o caso. Este não estava listado entre os fatores de risco da oferta.

De acordo com matéria da coluna Broadcast, os sócios Adalberto Cesar Valadão e Adalberto Cesar Valadão Junior, que detêm 21% da ADV Esportes, responsável por 8,6% do faturamento da rede, argumentam que houve descumprimento do acordo de acionistas.

O Smart Fit não comentou o caso.

Vale (VALE3) iniciará operação com caminhões autônomos em Carajás

A Vale (VALE3) informou que pretende tirar do papel, até o fim do ano, o planejamento de operação de dez caminhões autônomos em Carajás (PA). Os veículos são operados por meio de sistemas computadorizados.

Segundo matéria do Estadão, veículos têm capacidade para transportar 240 toneladas de minério. Estes caminhões se somam aos 13 que a empresa já têm em circulação na mina de Brucutu, em Minas Gerais.

São Martinho (SMTO) capta R$ 1 bilhão 

O Grupo São Martinho (SMTO3) capta algo em torno de R$ 1 bilhão, segundo informou o Valor Econômico. Os recursos serão destinados a projetos “verdes”.

A empresa já havia informado que pretende investir na produção de etanol a partir do milho e ampliar a geração de energia em suas usinas com o bagaço de cana.

SLC Agrícola (SLCE3) e Terra Santa Agro definem combinação de negócios

As empresas SLC Agrícola (SLCE3) e a Terra Santa Agro definiram os termos de combinação de negócios, que culminará na incorporação de ações da segunda empresa pela primeira.

Entre os termos, a TS Agro será registrada junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) como companhia aberta na categoria A de emissores e listagem no segmento Novo Mercado da B3.

Também haverá o repasse do controle da gestão e diretrizes dos negócios da Terra Santa na maior extensão possível.

A data de conclusão da operação ainda não foi definida.

Morgan Stanley reduz participação na BR Malls (BRML3)

O banco norte-americano Morgan Stanley reduziu sua participação acionária na BR Malls (BRML3). Agora, a instituição norte-americana passa a deter 4,7% das ações na companhia de shoppings.

Em carta enviada à empresa, o banco informou que não pretende alterar a composição do controle ou estrutura administrativa da empesa.

Petrobras (PETR4) vende fatia no Polo Alagoas e liquida dívida com Petros

Petrobras (PETR4 PETR3) anunciou nesta quarta-feira (30) que cedeu sua participação em um conjunto de sete concessões terrestres e de águas rasas denominada Polo Alagoas, localizadas no estado de Alagoas.

Também está incluída na transação a Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) de Alagoas.

A fatia da estatal no polo foi cedida para a empresa Petromais Global Exploração e Produção (Petro+). De acordo com a Petrobras, o contrato de compra e venda e as etapas subsequentes serão divulgadas ao mercado oportunamente.

O valor da venda total é de US$ 300 milhões, sendo US$ 60 milhões na assinatura do contrato. Já os US$ 240 milhões no fechamento da transação.

A produção média do polo de janeiro a maio de 2021 foi de 1,9 mil bpd de óleo e condensado.

Petrobras (PETR4 PETR3) liquida dívida antecipadamente com Petros

A Petrobras (PETR3 PETR4) informou que realizou, nesta quarta-feira (30), a liquidação antecipada do saldo devedor do Instrumento Particular de Parcelamento de Dívida e Outras Avenças, firmado com a Fundação Petrobras de Seguridade Social (Petros), no valor de R$ 2,25 bilhões.

A Petrobras havia contrato esta dívida para realizar o parcelamento da contrapartida contributiva paritária que fora assumida pela companhia no Novo Plano de Equacionamento de Déficit (Novo PED), na condição de patrocinadora dos planos PPSP-R e PPSP-NR.

Petrobras levanta R$ 11,3 bi com venda de ações da BR (BRDT3)

A ação da BR Distribuidora (BRDT3) foi precificada em R$ 26 no âmbito do follow-on. Com a venda dos 37,5% que detinha na distribuidora, a Petrobras (PETR4) embolsou R$ 11,36 bilhões.

O papel saiu com desconto de apenas 2,5% sobre o preço de fechamento – que foi de R$ 26,68.

Usiminas (USIM5) estima impacto positivo de R$ 2,4 bi após exclusão do ICMS

A Usiminas (USIM5) prevê impacto positivo de R$ 2,4 bilhões (antes dos efeitos fiscais) no resultado consolidado,  após a decisão do STF sobre exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e do Cofins.

Já o efeito esperado no Ebitda é de cerca de R$ 1,5 bilhão.

AES Brasil (AESB3) faz leilão de frações remanescentes

A AES Brasil (AESB3) informou que realizou leilão de ações ordinárias da empresa, com alienação de 18.428 ações ordinárias.

Com isso, o montante levantado totalizou R$ 263,3 milhões.

As ações alienadas foram oriundas das frações remanescentes da incorporação das ações de emissão da AES Tietê pela AES Brasil.

O valor será disponibilizado aos antigos acionistas da AES Tietê, titulares das frações, em 02 de julho de 2021.

Rede D’Or (RDOR3) conclui aquisição do Biocor

A Rede D’Or São Luiz (RDOR3) concluiu nesta quarta-feira (30) a compra de participação de 51% no capital social do Biocor Hospital de Doenças Cardiovasculares.

O hospital localizado na grande Belo Horizonte, estado de Minas Gerais. A aquisição foi realizada por meio de sua afiliada Clínica São Lucas Ltda.

Vulcabras (VULC3) conclui aquisição de lojas físicas da Mizuno no País

A Vulcabras (VULC3) informou que, em 30 de junho de 2021, ocorreu o fechamento da aquisição das operações de lojas físicas e outros ativos da marca Mizuno no Brasil.

Dessa forma, a partir de hoje, todas as operações da Mizuno no Brasil passam a ser integralmente desenvolvidas pela companhia e suas subsidiárias envolvidas na operação.

BB Seguridade (BBSE3) elege Ullisses Christian como CEO

O conselho da BB Seguridade (BBSE3) elegeu Ullisses Christian Silva Assis como diretor-presidente e membro do colegiado.

O Executivo assume o cargo a partir de amanhã (1), para completar os mandatos 2021-2023.

Hering (HGTX3) aprova limite de crédito de R$ 160 milhões para operações de risco sacado

O Conselho de Administração da Hering (HGTX3) aprovou o limite de crédito de R$ 160 milhões para as operações de Risco Sacado.

Isso corresponde a antecipação de recebíveis a fornecedores com instituições financeiras selecionadas pela empresa.

Hypera (HYPE3) incorpora Darwin

A Hypera (HYPE3) aprovou hoje (30) a incorporação da Darwin Prestação de Serviços de Marketing pela empresa.

Isso porque após a integração das operações da Takeda, a Darwin se tornou uma sociedade não operacional e, mesmo sendo uma sociedade não operacional, há custo para sua manutenção.

Dessa forma, segundo a Hypera, a incorporação da Darwin pela companhia é condição legal para apropriação fiscal do ágio.

Energisa (ENGI11) adquire lote 4 no leilão de transmissão da ANEEL

A Energisa adquiriu o lote 4 no leilão de transmissão realizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

O valor da receita anual permitida (RAP) ficou definida em R$ 4,094 milhões.

A Energisa já está presente no Tocantins, onde atua na área de distribuição desde 1989.

O lote 4 inclui a ampliação da subestação Gurupi, que também possui novas instalações em construção pela Energisa.

Além disso, segundo a Energisa haverá total sinergia operacional, dado que há estrutura de O&M da Energisa Soluções para atendimento da subestação Gurupi. O escopo do lote 4 inclui a implantação de unidades de transformação de 230/138 kVcom 200 MVA e um novo pátiode 138 kV ondese conectará a Energisa Tocantins Distribuidora.

Esse é o sexto lote de transmissão do Grupo adquirido desde 2017.

Por fim, a Energisa diz que objetiva ampliar sua atuação no segmento de Transmissão.

Ânima (ANIM3) firma contrato de sale & leaseback no valor de R$ 171,3 mi

A Ânima (ANIM3) fechou contrato de sale & leaseback (quando um imóvel é vendido e alugado de volta) com o fundo imobiliário da Vinci Partners por R$ 171,386 milhões.

De acordo com o fato relevante, serão R$ 62,8 milhões pagos na presente data e R$ 108,5 milhões a serem pagos no prazo de até 10 dias úteis contados da presente data, concomitante à lavratura da escritura definitiva.

O objeto do Contrato são dois imóveis localizados em Porto Alegre e Canoas, no estado do Rio Grande do Sul.

O aluguel pactuado para a mantenedora da UniRitter tem um cap rate estimado de 7,5%, a partir da aquisição e o prazo do contrato de locação é de 15 anos.

BR Properties (BRPR3) vende 20% do imóvel Complexo JK

A BR Properties (BRPR3) informou que vendeu 20% do imóvel Complexo JK – Bloco B, em São Paulo.

O valor da operação foi de R$ 184,6 milhões, equivalente a R$ 30.150 por m² de ABL.

O comprador foi o Fundo de Investimento Imobiliário VBI Prime Properties, administrado pelo BTG Pactual.

JBS (JBSS3) adianta meta de desmatamento ilegal zero em 5 anos

A JBS (JBSS3) vai adiantar em 5 anos, de 2030 para 2025, sua meta de alcançar o desmatamento ilegal zero nos biomas Cerrado, Pantanal, Mata Atlântica e Caatinga.

Proventos

Raízen aprova JCP no valor de R$ 0,0065 por papel

A Raízen, da Cosan (CSAN3), em processo de IPO, aprovou juros sobre capital próprio no valor de R$ 0,0065 por ação. O montante total bruto será de R$ 58,496 milhões.

Eletrobras (ELET3; ELET6): Eletropar aprova antecipação do pagamento de JCP

A Eletorbras (ELET3 ELET6) informou que a Eletropar aprovou antecipação da distribuição de JCP, no valor de R$ 3,691 milhões, correspondente a R$ 0,3137 por ação.

Será considerada a posição acionária de 7 de julho 2021 para o pagamento do provento.

O pagamento do JCP ocorrerá em 12 de julho 2021.

As ações serão negociadas ex-direito a partir de 08 de julho.

Blau Farmacêutica (BLAU3) paga JCP no valor de R$ 3,499 bilhões

A Blau (BLAU3) aprovou a distribuição de juros sobre capital próprio (JCP) no valor total bruto de R$ 3,499 bilhões. Ou seja, R$ 0,0195 por ação de emissão da empresa.

Farão jus ao provento quem estiver na base da companhia em 2 de julho.

O pagamento será efetuado no dia 14 de julho.

Marcopolo (POMO4) aprova JCP de R$ 0,07 por papel

O Conselho da Marcopolo (POMO4) aprovou pagamento de juros sobre capital próprio, no valor de R$ 0,07 por ação.

Os juros serão creditados com base nas posições dos acionistas do dia 05 de julhos. Mas, serão pagos a partir do dia 04 de abril de 2022.

Além disso, a Marcopolo e suas controladas esperam receber R$ 383 milhões em ações judiciais sobre exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins, a partir de decisão do STF.

Hapvida (HAPV3) pagará R$ 68,8 milhões em JCP

A Hapvida (HAPV3) pagará R$ 68,8 milhões em Juros Sobre o Capital Próprio (JCP) aos acionistas. O montante será pago no próximo dia 30 de julho deste ano.

O valor foi definido em reunião conselho de administração da empresa, realizada na quarta-feira (30).

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3