Saiba quais são os melhores fundos multimercados da década

Giovanna Castro
Jornalista formada pela UNESP.
1

Crédito: Foto: QuoteInspector.com

Fundos multimercados são fundos que aplicam dinheiro em diversos segmentos do mercado financeiro. Eles dependem de uma boa administração para performarem bem e também de um foco que vá de encontro com os ativos mais valorizados do momento.

Por isso, saber quais foram os melhores fundos multimercados da década é essencial para saber se a gestão do fundo é qualificada o suficiente para garantir bons retornos mesmo com as oscilações do mercado.

Melhores fundos multimercados da década

  • 1º. lugar: CSHG Verde FIC FIM
  • 2º. lugar: ARX Extra FIC FIM
  • 3º. lugar: Sharp Long Short FIM

Segundo Nelson Muscari, coordenador de fundos da Guide, o que os três fundos têm em comum é, justamente, equipes de gestão robustas e consolidadas.

Abra agora sua conta na EQI Investimentos e tenha acesso a soluções customizadas de acordo com seu perfil

“Com exceção do ARX Extra, que teve uma mudança ou outra na equipe de gestão, todos esses fundos têm mais de 5 anos com a mesma equipe. Assim, conhecem a equipe muito bem e têm os processos muito bem definidos, o que melhora o desempenho”, explica.

Até porque, pela própria característica dos fundos multimercados, de serem fundos que aplicam em diferentes tipos de ativos, a gestão é o fator principal do bom desempenho. São naturalmente diversificados e com estratégias amplas.

Além disso, muitos não são focados tanto em rentabilidade, mas sim em manter um bom caixa de proteção. É o que aponta Elias Wiggers, assessor de investimentos da EQI.

“Podem ter câmbio, derivativos, commodities (se desejarem proteção da inflação), juros, etc. Diferente de um fundo de ações, que precisa se expor muito mais, o fundo multimercado diversifica suas apostas”, explica o especialista. Claro que isso é feito dependendo do foco do fundo.

Fundos consolidados e com estratégias bem definidas

Destrinchando as especificidades de cada um desses fundos multimercados, Muscari aponta que o CDHG Verde é um multiestratégia tradicional. É do Luis Estuberg, um gestor respeitado, e ele próprio toma as decisões. Por isso, é bastante famoso e conceituado.

“O ARX Extra é um produto também antigo no mercado, com uma estratégia parecida com a do Verde. Basicamente, usa um modelo multiestratégia e opera em vários mercados com rapidez”, acrescenta.

Já o Long Short é um fundo que busca retorno entre compra e venda de ativos. “Ele busca, em geral, um Alfa muito maior que a Bolsa. Seu objetivo é superar o CDI operando em Bolsa. Então, é um produto com uma volatilidade maior e que utiliza muito esse conceito de compra e venda de ativos para tentar gerar Alfa”, conclui.

  • Gerar Alfa: significa que um ativo ou carteira de ativos superou a expectativa de rendimento prevista para ele em determinado período. Por exemplo, se um fundo de investimento em ações estava prevendo que sua carteira iria render 5% mas ela acabou rendendo 10%, esta carteira gerou Alfa.

Rentabilidade

Os três fundos em primeiro lugar na lista de melhores fundos multimercados da década tiveram performance melhor que o Ibovespa. No entanto, somente o ARX Extra teve rendimento inferior ao CDI.

Tanto o Verde quanto o ARX Extra tiveram quedas em 2020, no período da pandemia. No entanto, a do verde foi relativamente maior. Agora, ambos já se recuperaram e o Extra inclusive está em patamares superiores ao do período anterior à pandemia.

Os melhores fundos multimercados da década em comparação ao CDI e ao Ibovespa

Fonte: EQI

“Acredito que todos, de um certo modo, devem ter surfado nas ondas da Selic. Ganharam dinheiro com juros futuro quando a Selic estava alta e foram migrando quando ela começou a cair, deslocando paulatinamente esse capital para ações”, apontou Wiggers.

Expectativa futura quanto a esses fundos multimercados

A expectativa da Guide Investimentos é de que esses fundos continuem indo bem em 2021. Principalmente em suas partes de Bolsa e, consequentemente, quem engordar sua fatia de ações. Eles esperam uma Bolsa de 135 mil pontos no ano.

Além disso, Muscari considera que esses gestores, independentemente do cenário para daqui 6 meses ou um ano, sempre terão as características essenciais para direcionar os fundos para conseguirem bons desempenhos.

“A partir do momento que têm isso, esses fundos multimercados conseguem ter a rapidez e a quantidade de instrumentos necessários para que um gestor possa operar de forma eficiente. Por isso, acabam se tornando sempre um bom ativo para se fazer uma boa composição na carteira“, concluiu.