MRV (MRVE3): conheça a maior construtora do Brasil

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação

Com 41 anos de história, a construtora MRV (MRVE3) está presente em 163 cidades e 22 estados brasileiros, incluindo o Distrito Federal, além de 18 cidades nos Estados Unidos.

A empresa afirma ser a maior construtora do Brasil e também da América Latina, com mais de 500 mil unidades vendidas.

Nos projetos da companhia está um plano de construir 80 mil unidades anuais (hoje são 40 mil). Para isso, a operação da MRV&Co contará com diversas frentes de negócio que poderão totalizar R$ 18 bilhões em valor geral de venda (VGV) por ano.

Para atender a demanda crescente das famílias com renda a partir de R$ 2 mil, que têm acesso às duas principais fontes de financiamento do país: FGTS e SBPE, a MRV possui quatro linhas de produtos. Todas são compostas por empreendimentos que oferecem diversas opções de localização, tipologia, lazer, acabamento, inovações tecnológicas e sustentáveis.

A companhia faz parte dos índices da B3: Ibovespa, IBRA, IBRX100, ICO2, ICON, IDIV, IGCT, IGC, IGC-NM, IMOB, INDX, ISEB3, ITAG, IVBX2 e SMLL.

Vamos conhecer mais sobre ela?

História da empresa

Três primos, dois recém-formados e um já dono de uma construtora (Mário Lucio Pinheiro Menin, Rubens Menin e Homero Andrade – Vega Engenharia), se uniram para criar em outubro de 1979 a MRV, uma construtora e incorporadora com foco em empreendimentos econômicos.

Em 1981, a MRV (MRVE3) lançou seu primeiro empreendimento fora da capital mineira, levando a marca a Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte.

Em 1986, a empresa foi pioneira com o lançamento da sua linha própria de financiamento SFH – Sistema Fácil de Habitação, quando os financiamentos foram fechados no país.

O início do plano de expansão geográfica veio em 1994, com a chegada da construtora do Triângulo Mineiro, com lançamentos em Uberaba e Uberlândia. Em 2000, a MRV chegou à capital do estado de São Paulo.

No ano de 2006, a empresa criou musculatura e se preparou para a abertura de capital com o investimento Private Equity do fundo Autonomy Capital Research LLP, participando com 16,7% do capital social da empresa.

A MRV passou a fazer parte, em julho de 2007, do Novo Mercado, o mais elevado nível de Governança Corporativa da B3, ofertando 45,9 milhões de ações ordinárias ao mercado e captando R$ 1,2 bilhão.

Em 2008, foi criada a Log Commercial Properties, empresa do Grupo MRV&CO, que atua com incorporação e construção de galpões logísticos modulares e multilocatários, estrategicamente localizados. Logo à frente,  a Log deixa de ser oficialmente uma subsidiária da MRV e as ações das duas companhias passam a ser negociadas separadamente (MRVE3 e LOGG3) na B3.

Em 2012, foi criada a Urba, empresa do Grupo MRV&Co, especializada em loteamentos, abertos e fechados, bem como condomínios residenciais, focados no público de baixa e média renda, em localizações estratégicas.

Em 2020, a MRV adquiriu da AHS Residential, empresa norte-americana de incorporação, construção e aluguel de residências para posterior venda do empreendimento a investidores. Com isso a MRV iniciou seu processo de internacionalização, com a entrada no mercado de multifamily americano, com residências voltadas para famílias com renda entre US$ 37 mil e US$ 87 mil por ano.

MRV

Atuação da MRV (MRVE3)

O grande diferencial da empresa nestas mais de quatro décadas foi uma consolidada malha de negócios, tendo profissionais, tecnologia e experiência de sucesso em imóveis com elevado custo-benefício.

Hoje a empresa se classifica como uma plataforma de soluções habitacionais capaz de fornecer a opção de moradia que melhor se adapte ao momento na vida do consumidor, seja com a aquisição de apartamentos prontos ou na planta pela MRV e pela Sensia, pela compra de um terreno em loteamentos completamente urbanizados pela Urba, ou mesmo alugando imóveis especialmente pensados, com inúmeros serviços, pela Luggo, ou no aluguel de imóveis nos EUA com a AHS.

A MRV é a única construtora que, há cinco anos consecutivos, faz parte do principal índice da bolsa brasileira que reconhece e seleciona as empresas com boas práticas sócio, ambientais e de governança, o ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial), sendo também signatária do Pacto Global da ONU desde 2016, que tem por objetivo mobilizar a comunidade empresarial internacional para a adoção de medidas ESG tendo como base os ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) da ONU.

Em 2021, a companhia adotou um compromisso inédito entre as empresas do setor, ao firmar acordo com a SBTi (Science Based Targets Initiative) para adotar metas de redução de emissões de gases de efeito estufa, atuando ainda mais fortemente no combate às mudanças climáticas.

Os negócios da companhia

  • MRV&Co: é a maior incorporadora do Programa Casa Verde Amarela (CVA) e, há anos, possui uma consolidada operação de mais de 40 mil unidades anuais no programa. Essa é a base da Plataforma Habitacional da companhia e é sobre ela que o Plano 80k está sendo executado. A estratégia de crescimento inclui a expansão da operação de incorporação de forma complementar ao core business da companhia, no programa CVA, através das Linhas Sensia e Class, ambas com funding do SBPE, além dos loteamentos da Urba e dos empreendimentos para locação da Luggo e da AHS, nos EUA.
  • Loggo: é uma subsidiária da MRV que oferece empreendimentos projetados e desenvolvidos especificamente para o mercado de aluguel para, posteriormente, serem integralmente vendidos a um Fundo de Investimento Imobiliário (FII).
  • AHS Residencial: em 2020 a MRV&Co expandiu sua operação para o mercado norte americano com a aquisição da AHS Residential. Trata-se de uma companhia focada no desenvolvimento de empreendimentos para a locação residencial e posterior venda dos empreendimentos locados para um fundo de investimentos (REIT).
  • Urba: é uma subsidiária especializada em loteamentos, abertos e fechados, bem como condomínios residenciais, focados no público de baixa e média renda, em localizações estratégicas. Os projetos são planejados para possibilitar maior comodidade e qualidade de vida aos clientes.
  • Sensia Incorporadora e Linha Class: para o segmento de média renda imediatamente acima da faixa 3 do programa Casa Verde e Amarela, a MRV possui a linha Class, com um produto diferenciado devido à localização, acabamento, opções de lazer, inovações e ofertas de serviços. A Sensia Incorporadora, lançada em 2021, foi criada para atender o mercado de média renda acima da Linha Class e seu diferencial está na personalização da planta e dos materiais de acabamento, incluindo em seu projeto uma varanda gourmet e os itens de lazer.

Balanço do 2TRI21

No balanço do 2TRI21 a empresa atingiu a maior receita operacional líquida da história da companhia, com R$ 1,8 bilhão no 2T21. Foi um crescimento de 13,7% frente ao 1T21 e de 9,7% no comparativo com o 2T20.

O Lucro Líquido da empresa foi de R$ 203 milhões no trimestre (MRV&Co). Ou seja, aumento de 48,5% frente ao 1T21 e de 86,1% no comparativo com o 2T20.

A construtora aponta ainda que o resultado, que ela define como forte, se deu com uma maior inflação, o que a levou a revisar os orçamentos dos seus empreendimentos em construção e a uma redução da margem bruta, que ficou em 27,4%, frente 30% no primeiro trimestre e 31,1% no segundo trimestre de 2020.

Composição acionária

A MRV (MRVE3) tem como principal acionista Rubens Menin Teixeira de Souza, um dos fundadores, com 37,75%. Outros 10% estão nas mãos da Atmos Capital Gestão de Recursos.

A companhia tem 294.643.879 ações em circulação no mercado. Há 54.182 investidores pessoa física, 997 pessoa jurídica e 853 investidores institucionais.

O capital social da empresa é composto por 482.875.033 ações.

Ações da MRV (MRVE3)

Desde o início deste ano as ações da MRV acumulam queda de 34,33%. A cotação da empresa saiu de R$ 18,73 no primeiro pregão de 2021 para R$ 12,30 em 14 de outubro deste ano.

MRV

Na máxima histórica, ou seja, desde 2007, a companhia tem queda de 60,32% na cotação dos papéis. Em 27 de julho de 2007 as ações eram negociadas a R$ 31 contra os atuais R$ 12,30.

MRV