MRV (MRVE3) vê lucro líquido crescer 86,1% no 2TRI21

José Azevedo
Jornalista especializado em economia.
1

Crédito: Divulgação

A MRV (MRVE3) registrou no segundo trimestre de 2021 um lucro líquido de R$ 203 milhões, alta de 86,1% na base anual e de 48,5% na trimestral.

A performance no trimestre acompanhou, em parte, a receita operacional líquida da construtora, que foi a maior da sua história para um intervalo do tipo, atingindo R$ 1,8 bilhão – frente R$ 1,5 bilhão entre janeiro e março deste ano e R$ 1,6 bilhão entre abril e junho de 2020.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Leia aqui o balanço na íntegra.

A construtora aponta ainda que o resultado, que ela define como forte, se deu com uma maior inflação, o que a levou a revisar os orçamentos dos seus empreendimentos em construção e a uma redução da margem bruta, que ficou em 27,4%, frente 30% no primeiro trimestre e 31,1% no segundo trimestre de 2020.

Para frear um possível aumento futuro, a MRV aponta que manteve entre abril e junho sua estratégia de compra e estocagem de materiais de construção.

MRV (MRVE3): Principais números do balanço

Lucro líquido

  • 2TRI21: R$ 203 milhões
  • 2TRI20: R$ 109 milhões

Receita operacional líquida

  • 2TRI21: R$ 1,8 bilhão
  • 2TRI20: R$ 1,6 bilhão

Ebitda

  • 2TRI21: R$ 296 milhões
  • 2TRI20: R$ 228 milhões

Unidades produzidas avançam

A marca MRV continua a ser destaque no balanço, com um receita operacional líquida de R$ 1,7 bilhão, após um trimestre com o maior volume de lançamentos da história. Além dela, a Urba, de loteamentos, teve uma receita no período R$ 40 milhões e a AHS, braço da companhia nos Estados Unidos, de R$ 13 milhões.

As unidades produzidas do grupo chegaram a um número de 10,5 mil, crescendo na base trimestral e anual. As concluídas, porém, retrocederam também nas duas bases.

Alta da receita dilui maiores custos da MRV

A MRV viu suas despesas comerciais, de R$ 154 milhões, e despesas gerais e administrativas, de R$ 119 milhões, avançarem na base trimestral, respectivamente, 0,9% e 1,9%. Na base anual, os gastos comerciais recuaram 4,7% e as administrativas subiram 13,8%.

Com a receita aumentando, porém, os custos se diluíram. A construtora, com isso, registrou um Ebtida de R$ 296 milhões e uma margem de 16,3%. No segundo trimestre do ano passado, o Ebitda foi de R$ 228 milhões e a margem de 13,8%.

Resultado financeiro é positivo

Por último, o lucro líquido da MRV foi impactado por um resultado financeiro positivo em R$ 31 milhões, com maiores receitas  – que somaram R$ 63 milhões e diminuíram o impacto da leve alta das despesas, que totalizaram R$ 31 milhões.

A dívida líquida da companhia opera praticamente estável em todas as bases, ficando em R$ 2,4 bilhões. A MRV terminou junho, ainda, com seu estoque total de 8.869 unidades, somando imóveis em construção, concluídos e terrenos, alta de 1% na base trimestral e 9,2% na anual.

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3