ETFs: o que são e quais as principais vantagens

Isadora Giaretta Gonzaga
Colaborador do Torcedores

Crédito: Reprodução/ Freepik

O ETF, também conhecido como Exchange Traded Fund, é uma alternativa acessível para quem quer investir na Bolsa de Valores e ainda ter uma carteira de investimento diversificada.

O ETF é um fundo de investimento em ações que tem uma carteira referenciada a um índice da Bolsa de Valores. Ou seja, ETF’s são fundos que têm como referência índices como: Ibovespa, Small Cap e S&P 500, por exemplo.

Como qualquer outro fundo, um Exchange Traded Fund é gerido por um profissional, que faz as operações de compra e venda. Para aplicar em um Exchange Traded Fund é preciso apenas fazer a compra de cotas.

 

Investindo em ETF’s

Os ETF’s têm uma série de vantagens e facilidades para quem quer investir em renda variável. O investidor consegue ter acesso a diversas opções de ações de maneira simplificada. Além disso, por ser composto por inúmeros ativos, são uma boa alternativa para diversificar uma carteira de investimentos.

Como os fundos são compostos por diversos ativos, é possível, com uma única cota, ter acesso a uma série de ações. Para investir em ETF é necessário comprar, no mínimo, 10 cotas. Hoje, há no mercado opções com valores a partir de 50 reais por cota.

Outro ponto positivo do ETF é a possibilidade de fazer investimentos no exterior. Há fundos que investem em índices de outros países. O ETF é muito utilizado por investidores que querem aplicar em ações nos Estados Unidos, por exemplo.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

O IVVB11, também conhecido como ISHARES S&P 500, é um fundo que usa como referência o índice dos Estados Unidos S&P 500. Ele é composto pelas ações das 500 maiores empresas dos EUA. Fazem parte do índice S&P 500 empresas como: Facebook, Apple, Coca-Cola, Amazon e Berkshire Hathaway, por exemplo.

 

Rentabilidade dos ETF’s

Os ETFs são fundos de índices e têm suas rentabilidades ligadas ao desempenho do índice da Bolsa de Valores. No ano passado, o ETF MATB11 teve o melhor desempenho entre os fundos de índice no Brasil.

O fundo é ligado ao Índice de Materiais Básicos, que inclui ativos de empresas do setor de fabricação de papel, mineração e siderurgia, por exemplo. Em 2018, a rentabilidade do ETF MATB11 foi de 32,33% – o Ibovespa, indicador da principais ações da Bolsa de Valores, teve uma rentabilidade de 13,14%.

Quem investiu R$5 mil reais em MATB11, em janeiro de 2018, chegou ao final do último ano com R$1.616 de lucro. Mas, comparado com o investimento direto em ações, o ETF apresenta uma desvantagem: não possui isenção de Imposto de Renda para a venda de ativos inferiores a R$ 20 mil.

Todas as operações de vendas de fundos de índice possuem a alíquota de 15% IR sobre o lucro. Ou seja, o investidor do exemplo acima teria que pagar R$242 reais de Imposto de Renda.

Há um outro ponto negativo na hora de vender um ETF, a procura pelo ativo ainda é pequena. Isso acontece porque o mercado de ETF’s é muito recente no Brasil. O primeiro fundo foi lançado em 2004 no país. Hoje, há pouco mais de uma dezena de ETF’s no Brasil. Nos Estados Unidos, por exemplo, há milhares de fundos de índice.

 

os principais ETF’s no Brasil:

  • BOVA11: formado por ações de empresas que representam 80% ou mais das negociações da bolsa
  • BRAX11: composto pelas 100 ações mais negociadas na Bolsa de Valores
  • SMAL11: baseado em uma carteira com empresas menores e com capacidade de crescimento e valorização
  • IVVB11: composto pelas ações das 500 maiores empresas dos Estados Unidos
  • DIVO11: formado com as empresas que fizeram os maiores pagamentos de dividendos na bolsa
  • PIBB11: composto pelas 50 ações com maior negociabilidade, volume e liquidez da B3

É comum em ETF’s o investidor não receber nenhuma parte dos dividendos pagos pelas empresas. O gestor de fundos ETF costuma usar o valor recebido em dividendos para comprar novas ações, com o objetivo de aumentar a valorização do fundo.

LEIA MAIS:

O que pode ser comprado na bolsa de valores?

 

Se considera um investidor conservador? Então você está em risco de extinção!

O cenário econômico virou do avesso e o país já não é mais o mesmo.

As taxas de juros caíram à níveis jamais vistos no Brasil desde o final do governo Militar (imagem abaixo) e levaram os rendimentos de Renda Fixa para próximo de Zero (ou negativos no caso da poupança).

Italian Trulli

A nova equipe econômica está incentivando novos investimentos no país, e com isso já não é mais possível ganhar dinheiro confortavelmente na poupança e em CDBs comuns. Por isso, estamos declarando a Extinção do Investidor Conservador.

Se você faz parte dessa espécie de investidor que está em risco de extinção, confirme seus dados no formulário abaixo e fale com nossa equipe. Vamos te ajudar, sem dor e sem custo.