Bradesco (BBDC4): lucro recorrente deve subir 21,9% frente 2T20

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Reprodução/Facebook

O Bradesco (BBDC3 BBDC4) divulga balanço do terceiro trimestre de 2020 na quarta-feira (28), após o fechamento do mercado. O mercado espera que o lucro líquido recorrente venha 27,80% abaixo do apresentado no terceiro trimestre de 2019 e 21,95% acima do mostrado no segundo trimestre deste ano.

Para a análise, o portal EuQueroInvestir considerou as médias das projeções feitas por Eleven, Itaú BBA, UBS e XP.

Ou seja, R$ 4,723 bilhões, contra R$ 6,542 bilhões do terceiro trimestre de 2019 e R$ 3,873 bilhões no segundo trimestre deste ano.

Conheça a FinTwit, o maior fórum de finanças do mundo.

Hoje o Twitter é pauta na Money Week.

Segundo relatório do Itaú BBA, “a maior parte dessa melhoria provavelmente virá de uma redução nas provisões para perdas com empréstimos”.

Expansão das receitas de serviços, seguros, previdência e capitalização também serão importantes, bem como controle de custos.

Provisões

A qualidade dos ativos deve permanecer sob controle no terceiro trimestre. Os dados do Banco Central do Brasil até agosto anteciparam essa afirmação.

O Itaú BBA considera provisões adicionais para perdas com empréstimos, prevendo que o banco adotará uma postura relativamente conservadora. Como resultado, as taxas de cobertura provavelmente continuarão a aumentar.

A Eleven ressalta que o índice de inadimplência deste trimestre não deve refletir o cenário real da qualidade da carteira.

Isso porque o banco renegociou e prorrogou vencimentos.

Portanto, os índices de atraso acima de 90 dias devem vir “bem comportados”, com “alguns sinais de deterioração” nos indicadores de curto prazo de 15 a 90 dias.

“Esperamos ainda que o banco constitua provisões adicionais no 3T20, porém em níveis mais baixos que no 2T20”, diz a Eleven.

O consenso das casas analisadas mostra que com relação ao terceiro trimestre de 2019, haverá uma ampliação de provisões em 117,18%, de R$ 3,336 bilhões para prováveis R$ 7,245 bilhões.

Entretanto, na relação com o segundo trimestre de 2020 (R$ 8,890 bilhões), haverá recuo de 18,50%.

Tarifas e serviços

O Bradesco deve ter um recuo de 6,01% nos ganhos com tarifas e serviços, chegando a R$ 7,917 bilhões no terceiro trimestre, contra R$ 8,423 bilhões de um ano atrás.

Entretanto, é um avanço de 3,81% em relação aos R$ 7,626 bilhões do segundo trimestre.

Os resultados comerciais mais baixos devem conduzir à contração no NII (receita líquida de juros).

O UBS projeta contração relevante nas margens do banco (menos 9,7% na comparação com o segundo trimestre) com “a normalização do resultado comercial do banco (que foi anormalmente elevado no 2T20)”.

O abrandamento das medidas de distância social deve melhorar as taxas e ser ligeiramente negativo para os seguros.

“A redução material nas medidas de distância social deve causar uma recuperação na maioria (senão em todas) as linhas de taxas de serviço, especialmente o cartão de crédito que foi severamente afetado no 2T20”, diz o relatório do UBS.

“Por outro lado, também é provável algum aumento no índice de sinistralidade do negócio de seguros”, segue.

Segundo a XP, seguros são um destaque, beneficiado “principalmente da aversão a hospitais por parte dos segurados e da menor utilização de veículos, o que consequentemente baixa a sinistralidades dos segmentos saúde e auto”.

PIX

Com a nova modalidade de pagamento eletrônico do Banco Central, o Pix, gratuito e universal, sua implementação até 16 de novembro deve gerar uma pressão negativa nas linhas de tarifas, mesmo que o impacto acabe sendo limitado.

É estimada uma queda de receita em torno de 1% a 2%, considerando a extinção de cobranças de TED e de DOC, ainda em 2021.

Tarifas de conta corrente e boleto bancário podem ser pressionados também.

No entanto, a Eleven vê o Pix como “parte de uma reorganização muito mais complexa que vai dar oportunidade de bancarização para 20 a 30 milhões de brasileiros”.

Além disso, segue, vai “diminuir a circulação de dinheiro e o custo de numerário, promovendo um sistema bancário mais competitivo”.

Menor custo

Vale destacar ainda que o Bradesco iniciou uma série de medidas como o fechamento de mais de 400 agências já em 2020.

Além disso, trabalhou com redução de pessoal e maior eficiência em custos.

A Eleven, inclusive, destaca que o ROAE (Return on Average Equity, ou retorno sobre patrimônio líquido) terá um crescimento de 16,3%, “com foco em eficiência”.

“A despesa total deve vir com uma redução nominal de acordo com os esforços dos bancos em continuar reduzindo e redimensionando a rede de agências”, diz seu relatório.

Bradesco no 2T20

O Bradesco apresentou um lucro líquido recorrente de R$ 3,87 bilhões no segundo trimestre deste ano.

O valor equivale a uma queda de 40,1% nos lucros frente a igual período do ano passado.

No entanto, em relação ao trimestre anterior, o banco registrou avanço de 3,2% nos lucros.

De acordo com a companhia, o desempenho no lucro foi “impactado pela queda no resultado financeiro, justificado pelo comportamento dos índices econômico-financeiros, que impactaram desempenho das aplicações financeiras”.

O resultado operacional do segundo trimestre avançou 5,7% na comparação com o primeiro trimestre de 2020. Desse modo, passou de R$ 5,39 bilhões para R$ 5,7 bilhões no segundo trimestre.

O ROAE, no segundo trimestre de 2020, foi de 11,9%.

Esse indicador teve um avanço de 0,2 p.p na comparação com o primeiro trimestre e queda de 8,7 p.p na comparação anual.

Histórico das ações

No ano, as ações ordinárias do Bradesco (BBDC3) perderam 33,09%, enquanto o Ibovespa recuou 12,44%.

Os dados compilados até o dia 26 de outubro.

As preferenciais (BBDC4) caíram 30,03% no ano.

No terceiro trimestre, BBDC3 caiu 4,96% e BBDC4, 6,23% (1º de julho a 30 de setembro), contra menos 0,48% do Ibovespa.

Em outubro, os dois papéis conseguem um bom rendimento, com valorização de 14,48% e 17,98%, rerspectivamente.

No mês, o Ibovespa subiu 7,04%.

Operação internacional

No começo de outubro, o Bradesco informou que o Federal Reserve, o banco central norte-americano, deu sinal verde para a compra do BAC Florida Bank.

As autorizações regulatórias agora ficam para trás e os entraves passam a ser meramente contratuais.

O valor da operação não foi informado. Mas há um ano, as notícias tratavam de algo em torno de US$ 500 milhões.

BAC significa Banco de América Central e é controlado por um grupo nicaraguense.

Agora, deve se chamar Bradesco American Company, para manter o BAC.

A operação tem por objetivo abrir para o Bradesco a expansão de clientes corporativos e institucionais.

Especialmente o público latino de alta renda na Flórida.

Essa negociação marca o início do plano de negócios do Bradesco nos Estados Unidos, onde o Itaú (ITUB4), por exemplo, é bem presente.