Amazon (AMZO34): como investir na empresa de Jeff Bezos

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.

Crédito: Reprodução/Amazon

Largar a vice-presidência de uma empresa para vender livros pela internet, numa época em que o e-commerce ainda era uma aposta arriscada. Criar um botão de “compre com um clique”, que revolucinou a venda online. Abrir uma empresa de transporte espacial.

Não há limites para as ideias e ousadias de Jeff Bezos, fundador e CEO da Amazon. E o sucesso parece gostar do que ele inventa. Tanto que Bezos é, hoje, o homem mais rico do mundo, com fortuna estimada em US$ 189,8 bilhões.

Já a Amazon é uma empresa que vale US$ 1,6 trilhão. Em plena pandemia, a companhia viu seu lucro líquido saltar 200% no terceiro trimestre.

Juliano Custódio. Henrique Bredda. Luiz Barsi. Gustavo Cerbasi.

Estamos Ao Vivo!

Os números fazem brilhar os olhos de qualquer investidor. No Brasil, até outubro, investir na Amazon não era para qualquer um. Agora é, via BDRs – os Brazilian Depositary Receipts (BDRs).

Na B3, os investidores brasileiros podem negociar BDRs da Amazon sob o código AMZO34.

  • Para saber tudo sobre BDRs, clique aqui e baixe o e-book mais completo sobre o assunto 

Empresa foi favorecida pela pandemia

Com as pessoas em casa devido às medidas de isolamento social pela Covid-19, o consumo pela internet disparou e, claro, a gigante Amazon foi bastante beneficiada.Segundo analistas, foi como injetar “hormônio do crescimento” na empresa.

A Amazon registrou lucro líquido de US$ 6,3 bilhões no terceiro trimestre de 2020, o que representa US$ 12,37 por ação.  É um aumento de 196,67% em comparação com o mesmo período de 2019. O avanço foi maior do que todas as projeções.

As vendas líquidas aumentaram 37% no terceiro trimestre, de US$ 69,9 bilhões para US$ 96,1 bilhões.

Excluindo as taxas de câmbio no trimestre, as vendas líquidas aumentaram 36%.

Valorização dos BDRs da Amazon

No começo do ano, os BDRs da Amazon valiam R$ 3.803,28. Em 5 de novembro, chegaram a R$ 9.280,16.

Em novembro, foram desdobrados, a fim de deixar os papéis mais acessíveis.

Depois do desdobramento, passaram a valer R$ 108,81 (cotação de 9 de novembro). No gráfico abaixo, é possível visualizar a queda decorrente deste desdobramento.

Ainda assim, a valorização é alta, de 144% de janeiro a novembro. Já as ações da Amazon na Nasdaq valorizaram 65% no período de 2 de janeiro a 9 de novembro. Confira abaixo nos dois gráficos.

Amazon BDR

Reprodução/Google

 

Amazon

Reprodução/Google

Amazon avança no Brasil

Entre os temas que os investidores devem ficar de olho está a expansão dos negócios da Amazon no Brasil. No último dia 9 de novembro, a empresa comunicou a abertura de três novos centros de distribuição no país.

Já presente em São Paulo (com quatro unidades) e em Cabo Santo Agostinho, em Pernambuco, agora ela terá unidades em Betim (MG), Santa Maria (DF) e Nova Santa Rita (RS).

O valor do investimento total da Amazon para os novos centros, que terão um espaço conjunto de 75 mil metros quadrados, não foi revelado pela empresa.

O foco é acelerar as entregas e se destacar da concorrência, que inclui por aqui nomes como Mercado Livre, Via Varejo, GPA e Magazine Luiza.

Acusações da Comissão Europeia 

Outro tema sensível é a acusação da Comissão Europeia de que a Amazon obtém vantagens injustas sobre seus vendedores terceirizados.

Segundo a entidade, a empresa de Bezos utiliza dados de vendedores, como números de pedidos, receitas e número de visitantes, para apresentar preços mais competitivos.

Segundo a UE, a prática estaria errada porque a Amazon não pode se apresentar como concorrente de seus próprios vendedores.

“Os dados sobre a atividade de vendedores terceirizados não devem ser usados ​​em benefício da Amazon quando ela atua como concorrente”. É o que afirma Margrethe Vestager, chefe de concorrência da UE, em comunicado.

História da Amazon

A história da Amazon está ligada a uma ideia fixa que Jeff Bezos, então vice-presidente de um fundo de investimentos de Wall Street, tinha aos 30 anos: abrir uma livraria online.

Ele tinha acabado de completar um curso sobre como abrir uma loja de livros e acreditava, contra todas as opiniões e evidências, que a internet seria um ótimo canal de venda.

Pois foi atrás deste sonho que ele abandonou a zona de conforto e, em 1994, fundou, ao lado da esposa, a tal livraria, que receberia o nome de Amazon.

Descontos agressivos explicam crescimento acelerado

Bastou um mês para Bezos convencer o mercado que não estava de brincadeira quando afirmava que a Amazon era a maior livraria do planeta.

Em 30 dias de fundação, ele já estava presente em 45 países. Quatro anos depois, em 1998, estendeu os serviços a outros produtos – e começou a incomodar a concorrência.

Seu diferencial sempre foi a prática de descontos agressivos e a busca constante pela otimização da logística de entrega, minimizando custos.

Além da compra “com um clique” idealizada por Bezos, ele também lançou o Kindle, o e-reader da Amazon, outra sacada de mestre. Para utilizar o leitor, o consumidor precisa baixar livros na própria Amazon.

Amazon

Reprodução/Pixabay

Maior loja virtual do planeta

Vinte e seis anos mais tarde, ele é dono da maior loja virtual do planeta e segunda marca mais valiosa do mundo.

No ranking “Marcas Globais Mais Valiosas 2020”, da consultoria Interbrand, a Amazon só perde para a Apple, fundada por Steve Jobs, com quem, por muitas vezes, Bezos é comparado pelo espírito inovador e ousado, capaz de ditar tendências.

Bezos possui, hoje, 11% das ações da empresa. Mas também exibe em seu portfólio a rede de supermercados Whole Foods, a Alexa, que desenvolve tecnologia de inteligência artificial, e o The Washington Post, um dos mais tradicionais jornais norte-americanos.

Bezos também investiu parte da fortuna em ações da Uber, do Airbnb, do Google e do Twitter.

Além disso, ele é dono da Blue Origin, empresa de exploração espacial criada em 2010. A Blue Origen é rival da Space X, do também bilionário Elon Musk.

Como investir na Amazon?

Os investidores brasileiros podem ter acesso aos chamados BDRs – Brazilian Depositary Receipts – da Amazon.

Eles são ativos que representam ações de empresas estrangeiras.

Quem adquire um BDR está, indiretamente, participando de uma empresa no exterior. E terá direito aos dividendos distribuídos pela companhia lá fora.

Funciona mais ou menos como um fundo de investimento. O investidor não vira o dono da ação, portanto não é sócio da empresa em questão.

Para comercializar um BDR, a instituição emissora do papel adquire várias ações de empresas estrangeiras. Depois monta um “pacote” e vende partes dele aos investidores. Logo, esses títulos são como cotas.

O que é preciso fazer para investir na Amazon?

Para adquirir BDRs da Amazon, o investidor precisa procurar um banco ou uma corretora de valores autorizados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Quer saber mais sobre como investir em BDRs ou outros ativos correlacionados ao mercado exterior? Preencha o formulário abaixo que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato