Vivara (VIVA3): vendas já estão 33% acima do pré-pandemia e melhor período ainda está por vir

Ronaldo Araújo
Engenheiro e Agente Autônomo de Investimentos, hoje me dedico a divulgar ensinamentos sobre como funciona a Previdência Privada. Acredito que com mais conhecimento é possível fazer melhores escolhas para a formação do patrimônio de longo prazo. Para saber mais acesse www.ronaldoaraujo.com.br

Crédito: Reprodução/Vivara

A empresa de joias Vivara (VIVA3) apresentou recentemente os números relacionados à divulgação de resultados do 3TRI21. Foi um desempenho muito bom, principalmente quando se considera os problemas enfrentados pelo varejo durante a crise da pandemia. Somente o lucro líquido apresentou crescimento de 138% em relação ao 3TRI20.

As vendas da empresa já se encontram 33% acima do período pré-pandemia, o que é um número surpreendente, especialmente se considerarmos que os melhores períodos de vendas estão por vir. Eles se concentram no final do ano, com a Black Friday e o Natal. Ademais, os planos de expansão continuam a todo vapor, com a previsão de compra de outra grande marca de joias do país.

“Incrível esse case. Números vindo bem acima da minha expectativa”, salientou Aline Cardoso, co-head da EQI Research, em postagem no Twitter.

Vivara

Reprodução/Twitter

Siga na leitura e aproveite o texto!

Divulgação dos números

A empresa de vendas de joias demonstrou ótimos números na divulgação de seus resultados relativos ao terceiro trimestre de 2021. O grande destaque certamente foi o forte crescimento do lucro líquido da companhia quando comparado aos períodos passados. O volume total resultou em R$ 86 milhões, representando um avanço de 138% em relação ao 3T20 e de 118% se a comparação for feita com o 3T19.

O ótimo resultado mencionado acima pode ser explicado pela manutenção do market share da companhia. Atualmente, a Vivara detém nada menos do que 15% de todo o mercado de joias do País, número bastante expressivo para o segmento. O quadro positivo é completado pelo sucesso no plano de expansão orgânica da marca, juntamente com a Life que é outra empresa do grupo.

Participação de vendas

Um grande destaque no posicionamento da companhia no mercado certamente é a retomada do comércio realizado nas lojas físicas. Prova disso é a aposta da empresa na retomada da crise da pandemia, e isso pode ser comprovado pelo número de novas lojas somente no 3T21: 13 ao total, fazendo um montante de 275 locais de venda por todo o país. Soma-se a isso a abertura de outras 8 novas lojas da marca Life nos 12 meses passados, totalizando 3,5% de participação em pontos físicos.

Mesmo assim, vale destacar a forte presença das vendas digitais no faturamento da companhia. Somente no período de divulgação de resultados, as vendas pelos canais virtuais somaram R$ 59 milhões, representando um aumento de 159% em relação ao 3T19. No total, as vendas digitais formam atualmente quase 15% de participação no total de vendas do grupo.

Planos de expansão

As metas da companhia são claras em relação à sua expansão. A ideia é continuar com forte crescimento de vendas com foco em novas lojas com a marca Life. Além disso, mantem-se o objetivo de crescer a presença no interior de shopping centers para aumentar a massa crítica relacionada aos indicadores da companhia. Os planos de controle de estoque concentram-se no último trimestre do ano justamente porque o período de Black Friday e de Natal são os mais representativos para a organização.

Em um horizonte mais longo, projeta-se a compra da tradicional e fechada H. Stern pela Vivara. Os rumores dessa negociação ocorrem desde maio desse ano, mas até agora pouco se sabe sobre a transação. Seria mais um grande passo para a companhia de joias que recém abriu capital em bolsa e já conta com avaliação na ordem de R$ 7 bilhões.