Vale (VALE3): juiz nega pedido de bloqueio de R$ 26,7 bilhões

Redação EuQueroInvestir
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Reprodução/Wikipedia

A Vale (VALE3) informou que o juiz Elton Pupo Nogueira, da 2ª Vara da Fazenda Pública e Autarquias da Comarca de Belo Horizonte, negou o pedido de bloqueio de R$ 26,7 bilhões da companhia.

A solicitação partiu do Ministério Público de Minas Gerais na Ação Civil Pública, aberta em janeiro do ano passado, decorrente do rompimento da barragem localizada em Córrego do Feijão, em Brumadinho.

No comunicado, a Vale afirma que a decisão da justiça considera que a companhia tem cooperado com o processo judicial e despendido esforços e recursos financeiros para reparação dos danos identificados no processo.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

Desembolsos

A decisão também destaca o desembolso de cerca de R$ 7,8 bilhões em medidas reparatórias e compensatórias e R$ 1,5 bilhão para enfrentamento do Covid-19. Afirma ainda que a Vale injetou cerca de R$ 1 bilhão na economia da região de Brumadinho.

Além disso, nos autos do processo há R$ 10 bilhões em garantias líquidas, apresentadas pela Vale, que tem custeado pesquisas e perícias ordenadas em juízo, “sem apresentar resistências à apuração dos danos ocorridos”.

Em 26 de agosto o MP de Minas Gerais tinha requerido o bloqueio de R$ 26,7 bilhões da companhia referentes ao ressarcimento de perdas econômicas ao estado causadas pelo acidente, em janeiro do ano passado.

Na tragédia, morreram 259 pessoas e 11 ainda estão desaparecidas. As buscas, que tinham sido suspensas pela pandemia do Covid, voltaram a ser feitas na região.

Estabilidade

Na semana passada, a Vale informou que atualizou as Declarações de Condição de Estabilidade (DCEs) para estruturas geotécnicas exigidas pela Agência Nacional de Mineração (ANM).

Foram avaliadas 104 estruturas. Um total de 71 DCEs positivas foram emitidas. Outras 33 estruturas não tiveram emissão de DCEs positivas, entre essas há 9 barragens de rejeitos e sedimentos, com respectivas Zonas de Autossalvamento (ZAS) evacuadas.