Vale (VALE3) avalia realizar ‘spin-off’ de unidade de metais básicos, diz CEO

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: Divulgação

Em teleconferência nesta terça-feira (27), após divulgação do balanço trimestral do primeiro trimestre de 2021, a mineradora Vale (VALE3) avalia a opção de realizar um “spin off” (cisão) da unidade de metais básicos. Conforme o presidente da companhia, Eduardo Bartolomeo, seria um arranjo que busca agregar valor ao negócio.

Em decorrência das falas, as ações da Vale sobem 1,32% às 13h, sendo R$ 110 por ação.

Atualmente, o executivo destacou que a empresa trabalha no aprimoramento da produtividade dos diversos ativos de metais básicos. Além disso, afirmou que se vê como uma importante fornecedora de produtos premium para carros elétricos.

A capital mundial dos investimentos vai invadir sua a casa! Click no link e faça sua inscrição gratuita para o evento

“Sempre olhamos as opções que estão a nosso alcance”, disse Bartolomeo, durante a teleconferência com analistas.

“Existe uma discrepância, que já existia no passado, de não percepção de valor de metais básicos dentro da Vale. É claro que a gente olha essa opção (de realizar um ‘spin-off’). A gente começou a analisar”, completou.

Além disso, o CEO ressaltou hoje que o tripé segurança, pessoas e reparação são as palavras-chave para a companhia.

Bartolomeo citou as ações de suporte por parte da mineradora para o combate à Covid-19. Ele lembrou que este ano já foram doados ou estão em andamento a doação de 3,4 milhões de medicamentos para intubação ao Ministério da Saúde. De acordo com ele, o número é suficiente para a gestão de 500 leitos hospitalares por um mês e meio.

Ainda este ano serão destinados R$ 10 milhões ao Instituto Butantan para apoiar a ampliação do Centro de Produção Multipropósito de Vacinas (CPMV).

Por fim, Bartolomeo destacou que a Vale mantém o compromisso de reparar “integralmente” os danos causados em Brumadinho pelo rompimento da barragem da mina de Córrego do Feijão, em 2019. “Nossa missão é fazer da empresa referência em práticas ESG”, frisou.

*Com Agência Reuters