Springs (SGPS3) diminui prejuízo em 22,8% no 4TRI, a R$ 18,3 milhões

Regiane Medeiros
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Divulgação / site

A Springs (SGPS3) registrou um prejuízo líquido de R$ 18,3 milhões no quarto trimestre de 2020. Um ano antes, a companhia havia registrado prejuízo de R$ 23,7 milhões.

No acumulado de 2020, a Springs reportou um prejuízo líquido de R$ 320,9 milhões ante um lucro de R$ 45,7 milhões em 2019.

O resultado financeiro foi uma despesa de R$ 53,4 milhões no quarto trimestre de 2020, versus despesa de R$ 54,5 milhões no mesmo período de 2019.

Receita avança 41,9%

A receita líquida no último trimestre de 2020 totalizou R$ 529,6 milhões, alta de 41,9% sobre igual período de 2019.

A linha de cama, mesa e banho (Cameba) e EPIs foi responsável por 55,3% da receita no quarto trimestre, e produtos intermediários por 19,5%. A receita do varejo contribuiu com 25,2% da receita total no último trimestre de 2020.

No acumulado de 2020, a receita líquida da Springs foi de R$ 1,535 bilhão, incremento de 7,9% sobre os resultados de 2019.

O lucro bruto do quarto trimestre avançou 29,8%, para R$ 170,9 milhões. No ano, o lucro bruto atingiu R$ 506,3 milhões, 12,5% acima do registrado em 2019.

Ebitda sobe 18,7%

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado para o quarto trimestre foi de R$ 72,8 milhões. Os números representam uma alta de 18,73% sobre o Ebitda de um ano antes.

Em termos anuais, o Ebitda ajustado da Springs chegou a R$ 141,6 milhões, valor 26,2% inferior ao registrado em 2019.

A margem Ebitda do trimestre atingiu 13,7%, queda de 2,7 pontos percentuais. No ano, a margem Ebitda foi de 9,2%, queda de 4,3 p.p.

Endividamento

A posição de dívida líquida ajustada era de R$ 761,6 milhões, em 31 de dezembro de 2020, ante R$ 741,4 milhões, em 31 de dezembro de 2019.

A Companhia teve um fluxo livre de caixa de R$ 171,5 milhões em 2020, positivamente impactada por redução de R$ 42,7 milhões do capital de giro e o uso de R$ 91,7 milhões de crédito de recuperação de impostos.

A Springs terminou o ano de 2020 com alavancagem, medida pela relação dívida líquida/ Ebitda ajustado, de 5,4x, ante 3,9x em 2019.

Confira os principais destaques financeiros do balanço da Springs (SGPS3)