Small Caps Summit: conheça as companhias de construção da B3 (B3SA3)

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

As small caps (SMLL) de construção possuem diversas empresas tradicionais do setor. É o caso de Gafisa (GFSA3), Cyrela (CYRE3) e MRV (MRVE3), tendo muitas empresas familiares inclusive.

Conhecido por ser um setor de estabilidade na economia, o segmento registrou queda de 7% no PIB (Produto Interno Bruto) em 2020, em função da pandemia. No início do ano, a expectativa do PIB do setor era de 4%. Mas, agora, a projeção caiu para 2,5%. Apesar das quedas, o setor está otimista com a compra de insumos, o número de empregados no setor e o avanço da vacinação no país.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Se você quer conhecer mais sobre as small caps de transportes da bolsa, inscreva-se no Small Caps Summit. O evento é totalmente online e gratuito, e acontece entre os dias 27 e 28 de julho, clicando aqui!

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo

Conheça também small caps de outros setores:

Saiba mais sobre as small caps de construção

Cyrela (CYRE3)

A construtora Cyrela (CYRE3) é a empresa do setor que tem o maior peso no índice de small caps. A incorporadora tem vários projetos em seus portfólios, como prédios de condomínios e comerciais. Atua em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba e Salvador.

Segmento: Novo Mercado

Pertence ao Ibovespa: sim

Maiores acionistas:

A Cyrela possui a maior parte das ações negociadas junto a outros investidores da bolsa. O fundador da empresa, Elie Horn, possui 18,11% de participação. Além disso, a Eirenor S/A tem 5,48%, enquanto a Dynamo Administração de Recursos, possui ainda 7,65% dos papéis. O total de ações em circulação é de 281,6 milhões, ou seja, 70,45% do total de ações.

Balanço do primeiro trimestre:

A Cyrela (CYRE3) obteve lucro líquido 6,8 maior no 1TRI21 no comparativo com o mesmo período do ano anterior. A receita líquida da companhia ficou 89,6% maior nos três primeiros meses de 2021.

MRV (MRVE3)

Com atuação no segmento de construção imobiliária, a MRV (MRVE3) está listada na B3 como atividades de incorporação e construção.

Segmento: Novo Mercado

Pertence ao Ibovespa: sim

Maiores acionistas:

O empresário Rubens Menin Teixeira de Souza, cofundador e atual presidente da empresa, tem 37,77% das ações da MRV (MRVE3). Já a Atmos Capital Gestão de Recursos detém 10,05% do total de ações. Está circulando no mercado 294,7 milhões de ações – o equivalente a 61,05% do total.

Balanço do primeiro trimestre:

A MRV Engenharia (MRVE3) registrou lucro líquido de R$ 137 milhões no balanço do 1TRI21. Ou seja, houve alta de 30,9%.

O Ebitda da empresa somou R$ 211 milhões no 1TRI21, alta de 4,2% sobre 2020.

Já a receita líquida foi de R$ 1,59 bilhão, alta de 5,9% sobre o mesmo período do ano passado.

EZ Tec (EZTC3)

A EZ Tec (EZTC3) tem listada na B3 como atividade principal a incorporação e comercialização de empreendimentos imobiliários. Ela atua na administração e locação de imóveis próprios. Também está listada em atividades como loteamento de terrenos e construção de condomínios.

Segmento: Novo Mercado

Pertence ao Ibovespa: sim

Maiores acionistas:

A maioria das ações estão negociadas em bolsa, o que representa uma fatia de 45,30%. O capital social está dividido ainda entre mais 14 acionistas, cujas participações variam de 1,72% (VJR Participações) a 5,40% (SMM Participações), todas elas pertencentes a fundos ou gestoras. Estão em circulação no mercado 101,6 milhões de ações.

Balanço do primeiro trimestre:

A EzTec (EZTC3) registrou lucro de R$ 72,9 milhões no 1TRI21. Ou seja, desempenho 6% inferior ao mesmo período do ano anterior.

O Ebitda registrou R$ 38,937 milhões no 1TRI21. Assim, houve retração de 28%.

Já a receita líquida atingiu R$ 194,969 milhões, retração de 22%.

Tenda (TEND3)

A Tenda Construtora (TEND3) trabalha principalmente com a construção de empreendimentos imobiliários residenciais.

Segmento: Novo Mercado

Pertence ao Ibovespa: não

Maiores acionistas:

A Tenda possui diversos fundos e gestoras em seu quadro de acionistas, sendo que a maior parte dos papéis – 48,89% – está distribuída entre os demais acionistas da bolsa. Entre os investidores individuais, a Pátria Investimentos detém 10,35% de participação enquanto a Polo Capital Gestão de Recursos tem 10,07%, e a Pátria Investimentos detém 10,35%. A empresa tem ainda 7,86% de ações em tesouraria. A construtora possui 96,1 milhões de ações em free float – equivalente a 92,14%.

Balanço do primeiro trimestre:

A Tenda (TEND3) somou lucro líquido de R$ 36,9 milhões no balanço do 1TRI21.

O Ebitda ajustado atingiu R$ 85,4 milhões. Ou seja, houve alta de 103,6% sobre um ano antes.

No balanço do 1TRI21, a Tenda obteve receita de R$ 602,9 milhões. Assim, houve crescimento de 45% sobre o mesmo período de 2020.

Even (EVEN3)

A Even (EVEN3) é uma construtora e incorporadora que tem sede em São Paulo e filiais no Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

Segmento: Novo Mercado

Pertence ao Ibovespa: não

Maiores acionistas:

A maioria das ações está distribuída em acionistas investindo em bolsa, representando uma fatia de 49,66%. O fundo Nova Milano Investimentos possui outra fatia de 48,05%. Estão em circulação no mercado, 202,4 milhões de ações – o equivalente 95,48%.

Balanço do primeiro trimestre:

A Even (EVEN3) obteve lucro líquido 2,3 vezes maior no balanço do 1TRI21 em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Ebitda da empresa cresceu 87,5% no 1TRI21. Assim, passou de R$ 59,4 milhões para R$ 111,4 milhões.

A receita da Even (EVEN3) também cresceu, na ordem de 68%. O indicador passou de R$ 190,3 milhões para R$ 683,3 milhões no 1TRI21.

Direcional (DIRR3)

A Direcional Engenharia (DIRR3) tem como atividade principal a incorporação, construção e comercialização de móveis próprios ou de terceiros e prestação de serviços de engenharia.

Segmento: Novo Mercado

Pertence ao Ibovespa: não

Maiores acionistas:

A maior parte das ações da companhia – 51,09% – são negociadas a outros acionistas em bolsa. O fundo com maior participação é a Filadelphia Participações, com 29,01% dos papéis. Já a Alliança Fim tem ainda 10,28% da empresa. As demais ações estão distribuídas por membros da direção da empresa, como o CEO Ricardo Ribeiro Valadares Gontijo, que é dono de 2,34% das ações. Há 75,3 milhões de ações em circulação no mercado.

Balanço do primeiro trimestre:

A Direcional (DIRR3) somou lucro líquido de R$ 27,1 milhões no 1TRI21. Assim, o crescimento foi 2,7 vezes maior do que o balanço do 1TRI20.

Ebitda ajustado da empresa nos primeiros meses de 2021 foi de R$ 77,8 milhões. Ou seja, crescimento de 73% em relação ao 1TRI20.

A receita operacional líquida do 1TRI21 foi de R$ 414 milhões, uma alta de 42% em relação ao 1TRI20.

Trisul (TRIS3)

A Trisul Construtora (TRIS3) é listada como incorporadora e construtora e atua principalmente no estado de São Paulo.

Segmento: Novo Mercado

Pertence ao Ibovespa: não

Maiores acionistas:

O quadro societário da Trisul é bastante diversificado. Mas a Trisul Participações é a principal acionista, com 49,99% dos papéis. Outra fatia, de 35,74% está nas mãos de outros investidores em bolsa de valores. O Safra Asset Management possui ainda 5,66%. Os demais são acionistas minoritários. Há 83,2 milhões de ações em circulação, ou seja, 44,60%.

Balanço do primeiro trimestre:

A Trisul (TRIS3) somou lucro líquido de R$ 35,08 milhões no balanço do 1TRI21. Ou seja, alta de 13% sobre o lucro do 1TRI20.

O Ebitda no balanço do 1TRI21 registrou R$ 46,12 milhões, crescimento de 28%.

No balanço do 1TRI21, a Trisul somou receita de R$ 202,21 milhões. Ou seja, alta de 18% sobre o mesmo período do ano passado.

Mitre Realty (MTRE3)

A Mitre Realty (MTRE3) tem como atividades principais: incorporação e comercialização de empreendimentos imobiliários; loteamento de terrenos; e construção de condomínios. A empresa, de origem familiar, abriu seu capital no ano passado.

Segmento: Novo Mercado

Pertence ao Ibovespa: não

Maiores acionistas:

A maior parte das ações está negociada para investidores em bolsa, representando uma fatia de 49,98%. Como é uma empresa familiar, outra parte dos papéis está nas mãos de membros da família Mitre. O CEO, Fabrício Mitre, possui 23,01% das ações, enquanto Jorge Mitre, pai do presidente e fundador, possui 3,27%. Uma fatia de 19,91% pertence à Star Mitre Empreendimentos E Participações. São 54,0 milhões de ações em circulação.

Balanço do primeiro trimestre:

A Mitre (MTRE3) somou prejuízo líquido de R$ 11,68 milhões no balanço do 1TRI21.

O Ebitda  foi negativo em R$ 0,5 milhão. Ou seja, crescimento de 80,6% em relação aos R$ 2,7 milhões negativos do 1TRI20.

Já a receita operacional líquida foi de R$ 85,1 milhões. Ou seja, alta de 77,2% sobre o mesmo período do ano passado.

Helbor (HBOR3)

Entre as small caps familiares está a Helbor (HBOR3). É uma incorporadora de imóveis, fundada em 1977. O nome é uma combinação das primeiras letras do nome do fundador, Hélio Borenstein. A companhia opera em 10 estados do país e mais o Distrito Federal.

Segmento: Novo Mercado

Pertence ao Ibovespa: não

Maiores acionistas:

A maior parte dos papéis está com a Hélio Borenstein S.A. – Administração, Participações e Comércio, respondendo por 38,56%. O atual presidente, Henrique Boresntein possui 7,39% de participação. Já o ex-presidente Henry Borenstein tem 4,18% dos papéis. A empresa tem 65,3 milhões de papéis em circulação – o equivalente a 48,79%.

Balanço do primeiro trimestre:

A Helbor (HBOR3) tem lucro líquido de R$ 27,3 milhões no balanço do 1TRI21. Ou seja, crescimento de 402% em relação ao mesmo período de 2020.

O Ebitda foi de R$ 48,4 milhões no balanço do 1TRI21. Assim, cresceu 167,1% na comparação ano a ano.

A receita líquida atingiu R$ 240,1 milhões no período, redução de 7,2% na comparação anual.

Tecnisa (TCSA3)

A Tecnisa (TCSA3) é outra das small caps familiares e tem como atividade principal a incorporação, compra e venda de imóveis prontos e a construir, além da locação e administração de imóveis. Também atua na construção de imóveis e a prestação de serviço de consultoria imobiliária.

Segmento: Novo Mercado

Pertence ao Ibovespa: não

Maiores acionistas:

O fundador e ex-presidente da Tecnisa, Meyer Joseph Nigri, possui 24,04% das ações. Mas a maior parte das ações, 62,13%, está com demais investidores em bolsa. A Vkn Administração de Recursos é dona de 10,25% dos papéis. No total, a empresa tem 53,1 milhões de papéis em circulação no mercado.

Balanço do primeiro trimestre:

A Tecnisa (TCSA3) somou prejuízo de R$ 26,3 milhões no balanço do 1TRI21. Assim, houve redução de 54,9% em relação ao mesmo período de 2020.

O Ebtida foi negativo em R$ 10,5 milhões no balanço do 1TRI21, redução de 79,1% na comparação anual.

A receita líquida atingiu R$ 33 milhões no período. Ou seja, redução de 26% na comparação anual.

Gafisa (GFSA3)

A Gafisa (GFSA3) é considerada uma das companhias líderes do mercado imobiliário do país. Atua em 40 cidades de 19 estados do país.

Segmento: Novo Mercado

Pertence ao Ibovespa: não

Maiores acionistas:

A maior parte das ações, de 67,37%, está com investidores na bolsa. A Planner Corretora de Valores possui 16,37% dos papéis. A Singular Plus Fundo de Investimento Multimercado possui outros 11,88%. A empresa tem 118,2 milhões de ações em circulação no mercado.

Balanço do primeiro trimestre:

A Gafisa (GFSA3) reverteu o prejuízo do início de 2020 e obteve lucro líquido de R$ 12,9 milhões no 1TRI21.

Ebitda ajustado da Gafisa (GFSA3) registrou alta de 367,2%.

A receita líquida da empresa também cresceu consideravelmente: 137% no 1TRI21.

Lavvi Empreendimentos (LAVV3)

Incorporadora do Grupo Cyrela, a Lavvi Empreendimentos (LAVV3) é uma construtora e incorporadora imobiliária familiar que atua desde 2016.

Segmento: Novo Mercado

Pertence ao Ibovespa: não

Maiores acionistas:

A Cyrela Brazil Realty Empreendimentos detém 22,33% das ações da Lavvi, mesmo percentual que é detido pela RH Empreendimentos Imobiliários. O total de ações em circulação é de R$ 93,1 milhões. Ou seja, 43,40% do total de ações.

Balanço do primeiro trimestre:

A Lavvi (LAVV3) obteve lucro líquido de R$ 17 milhões no 1TRI21. Ou seja, crescimento de 90% em relação ao mesmo período do ano passado.

A margem líquida do 1TRI21 foi de 18,9%, contra 21,2% do primeiro trimestre de 2020.