Petróleo tem queda de 12% nos EUA e registra pior dia no ano

Matheus Gagliano
Jornalista formado em 2007. Possui mais de 15 anos de experiência em jornalismo econômico e corporativo. Passou por veículos especializados como Brasil Energia e Canal Energia e pelo Jornal do Commercio, do Rio de Janeiro. Além de passagens por veículos como Record TV do Rio, jornal O Dia e Diário Lance.
1

Crédito: Petrobras-PETR3-PETR4

O preço do petróleo despencou nesta sexta-feira (26). Isto foi causado pelo temor global por conta da nova variante da covid-19 descoberta na África do Sul. Com isso, os contratos estão se aproximando para a quinta semana consecutiva de perdas. Esta é a primeira vez que isto ocorre desde março do ano passado.

Os contratos do barril no mercado dos Estados Unidos recuaram 12,2% para US$ 68,80. De acordo com o CNBC, esta é a mais baixa cotação desde abril do ano passado. Por sua vez, o barril tipo Brent caiu 10,7%, para US$ 73,45 por barril.

Por conta da nova variante, alguns países da Europa já decretaram bloqueios para voos provenientes da África. E uma retração das viagens, poderia atingir a demanda. Isto em um momento em que a oferta estava prevista para crescer.

A queda no preço do mercado internacional atinge empresas nacionais. A Petrorio (PRIO3) chegou a estar entre as maiores perdas. Os papéis desta empresa chegaram a cair 9,87%. A Petrobras (PETR4) caía 3,75%.

Petróleo: liberação de reservas

No começo da semana, o governo dos Estados Unidos havia anunciado a liberação de reserva estratégica de petróleo como parte dos esforços para reduzir os preços dos combustíveis, conforme comunicado emitido pela Casa Branca.

Na ocasião, o Departamento de Energia informara que iria disponibilizar 50 milhões de barris de petróleo.

Sobre a nova variante

Países da União Europeia (UE) suspenderam temporariamente os voos com a África do Sul e outros países vizinhos como Botsuana, Lesoto, Moçambique, Namíbia e Zimbábue.

O governo do Reino Unido informou que a variante B.1.1.529, batizada de Omicron, seria “a mais significativa já encontrada”, segundo a agência Reuters.