Pague Menos (PGMN3) reverte prejuízo e tem lucro de 40,2 milhões no 3TRI

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 7 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução / Facebook / Pague Menos

A Pague Menos (PGMN3) reportou lucro líquido ajustado de R$ 40,2 milhões no terceiro trimestre de 2020, revertendo o prejuízo de R$ 9,2 milhões do mesmo período do ano passado.

As despesas com vendas totalizaram R$ 338,6 milhões, equivalente a 17,8% da receita bruta, redução de 1,9 ponto percentual sobre o terceiro trimestre de 2020.

Conforme a empresa, o resultado é explicado principalmente pelo aumento na venda média por loja, pelo programa de produtividade (com melhora do NPS) e pela redução de despesas com aluguéis através de renegociações de contratos.

Juliano Custódio. Henrique Bredda. Luiz Barsi. Gustavo Cerbasi.

Estamos Ao Vivo!

As despesas administrativas e gerais totalizaram R$ 55,4 milhões no trimestres, equivalente a 2,9% da receita bruta, aumento de 0,6 p.p.

De acordo com a Pague Menos, o incremento de despesas administrativas é reflexo da implementação do novo Plano de ações restritas para o management da companhia, com objetivos de retenção e alinhamento de metas, e pela
contratação de consultorias estratégicas no período.

Ebitda sobe mais de 22%

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebtida, na sigla em inglês) somou R$ 149,5 milhões, um crescimento de 22,1% sobre o resultado do terceiro trimestre de 2019.

A margem Ebitda atingiu 7,9%, uma expansão de 0,9 ponto percentual.

Conforme a Pague Menos, o crescimento é reflexo de uma série de alavancas de rentabilidade que foram mapeadas e vêm sendo executadas.

Além disso, a companhia informou que continua observando grandes oportunidades nas áreas de vendor management, pricing, supply chain e produtividade de lojas, entre outros.

O lucro bruto foi de R$ 543,5 milhões, acréscimo de 7,4% em relação ao terceiro trimestre do ano passado.

A margem bruta foi de 28,6%, 0,4 p.p. menor que no mesmo período do ano anterior.

De acordo com a Pague Menos, a redução na margem bruta ocorreu principalmente em função do aumento no índice de perdas com estoques em decorrência do amplo processo de ativação de novos itens em seu portfólio.

Endividamento

A Pague Menos otimizou sua estrutura de capital com os recursos provenientes do IPO, sendo R$ 715 milhões
capitalizados no dia 2 de setembro e R$ 108 milhões capitalizados no quarto trimestre deste ano, no dia 2 de outubro.

A proporção de 20% destes recursos será utilizada para a liquidação antecipada de contratos de empréstimos, conforme previsto no prospecto da oferta de ações.

No trimestre, a agência de risco Fitch Ratings elevou o rating corporativo da companhia, de BBB+ para A, com perspectiva positiva.

A Pague Menos encerrou o terceiro trimestre com dívida líquida de R$ 283,2 milhões.

O indicador de dívida líquida / Ebitda ajustado foi de 0,9 vez, uma redução de 2,6 vez em relação ao mesmo período de 2019.

Confira os destaques do balanço da Pague Menos (PPGMN3):

Se você quer saber mais sobre o mercado de ações e como investir, preencha o formulário abaixo que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato.