PagSeguro será 1ª brasileira com ações no exterior a ter BDRs negociadas na B3 (B3SA3)

Karin Barros
Jornalista com atuação nos dois principais jornais impressos da Grande Florianópolis por quase 10 anos. Costumo dizer que sou viciada em informação, por isso me encantei com a economia, que une tudo de alguma forma sempre. Atualmente também vivo intensamente o mundo da assessoria de imprensa e do PR.

Crédito: Reprodução

A partir da próxima segunda-feira, dia 1º de fevereiro, a B3 (B3SA3) vai disponibilizar recibos de valores mobiliários emitidos no exterior – os BDRs – nos Estados Unidos, referente a PagSeguro.

Serão os primeiros papéis de uma companhia que tem suas atividades majoritariamente no Brasil. Seu código será PAGS34.

O feito acontece dois anos depois da PagSeguro inaugurar uma onda de empresas brasileiras que decidiu abrir o capital nas bolsas de Nova York.

Os BDRs são “não patrocinados”, ou seja, emitidos por uma instituição depositária, sem envolvimento da companhia emissora dos valores mobiliários que servem de lastro.

Essa negociação, segundo o site Valor Investe, se tornou possível depois que a CVM alterou as regras de BDRs em outubro do ano passado.

Negociação liberada

O regulador liberou a negociação dos BDRs de ações para as pessoas físicas e abriu a possibilidade para que companhias com a maior parte do seu negócio no Brasil e que abriram capital fora pudessem negociar seus papéis no mercado local, como a PagSeguro.

Antes da liberação da CVM, o investidor brasileiro que quisesse se tornar acionista dessas companhias precisava abrir uma conta em corretora no exterior para comprar os papéis lá fora.

A expectativa agora é que outras empresas que possuem ações listadas nas bolsas norte-americanas, como Stone e XP, também tenham BDRs negociados na B3.

Novos preços

A bolsa também informou que irá oferecer BDRs da empresa americana Airbnb. Além disso, essa semana, 10 BDRs não patrocinados passam a ser negociados com novos preços na B3.

Após o desdobramento realizado pelo Bradesco, os papéis da Walt Disney, da indústria alimentícia Heinz, e das empresas de serviços financeiros American Express e Visa tiveram seus valores alterados para entre R$ 50 e R$ 65.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, o que amplia o desafio de busca pelas melhores aplicações para multiplicá-lo.