Orçamento: IFI prevê R$ 38,9 bi para novos gastos em 2022

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Foto: Pixabay

A Instituição Fiscal Independente (IFI) projetou que haverá espaço para quase R$ 40 bilhões em novos gastos no Orçamento de 2022.

Segundo o órgão ligado ao Senado Federal, cerca de R$ 38,9 bilhões poderiam ser direcionados para despesas não obrigatórias, que incluem emendas parlamentares, por exemplo.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, saiba quais são as melhores atitudes e aplicações para multiplicá-lo

A explicação informou que o governo estimou no projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2022 as despesas no limite do teto de gastos.

Segundo a IFI, as despesas previdenciárias estariam superestimadas pela equipe econômica em R$ 21,1 bilhões em 2022.

Haveria também valores discrepantes em relação às estimativas do governo para gastos com pessoal, seguro-desemprego e abono salarial, somatória que faria com que a projeção chegasse perto dos R$ 40 bilhões.

Orçamento de 2021 segue polêmico

Apesar de a IFI já estar dando pitacos a respeito do Orçamento de 2022, o passo mais urgente é colocar um ponto final nas polêmicas da versão 2021 do texto.

De acordo com os especialistas, caso o presidente Jair Bolsonaro sancione o Orçamento 2021 da forma em que foi aprovado no Congresso, , haverá um forte bloqueio de gastos livres, inviabilizando serviços para a população e o funcionamento da máquina pública.

O assunto vem se tornando um verdadeiro cabo de guerra entre os representantes do Ministério da Economia e os parlamentares do Congresso Nacional.

Segundo a IFI, “a disputa por recursos em 2021, no processo orçamentário, se deu em cima de um espaço fiscal inexistente. No próximo ano, entretanto, há esse espaço disponível para novas despesas”.

Órgão pede austeridade.

Mesmo com a possibilidade de abrir uma folga para novas despesas no Orçamento, a IFI deixou claro que não dá para abrir mão da austeridade no controle dos gastos públicos.

“A folga fiscal no teto de gastos não avaliza aumento de despesas, dado contexto fiscal desafiador. Ocorre que o déficit público ainda será elevado, no ano que vem, e a dívida continuará em trajetória de alta. Pelas nossas contas, a dívida bruta do governo geral deverá atingir 92,7% do PIB, em 2021, e 93,5% em 2022”, informou.

Segundo o órgão, a previsão de superávit primário do governo, por conta do atual e dos próximos cenários, só retornaria após 2030. Enquanto isso, a dívida pública deve atingir 100% do PIB entre 2027 e 2028.

“É um quadro que não avalizaria aumentos de gastos que não fossem estritamente necessários, como os relacionados ao combate à Covid-19, uma vez que o déficit e a dívida estarão altos”, concluiu.

Planilha de Ativos

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.