Money Week: Louise e o “jeito Barsi de investir”

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: louise-barsi-money-week-fonte-reproducao-executivo-sincero

Louise Barsi faz jus ao dito popular “filha de peixe, peixinha é”. Ela é a caçula de Luiz Barsi, apelidado de Warren Buffett brasileiro, e conhecido no mercado financeiro como “rei dos dividendos”.

Assim como o pai, Louise Barsi é presença confirmada na terceira edição da Money Week, maior conferência online sobre investimentos do País. O evento, que ocorre na última semana de novembro, é totalmente gratuito.

Formada em economia e em contabilidade, Louise Barsi também é analista CNPI (Certificado Nacional do Profissional de Investimento). Hoje, atua como conselheira de administração de Eternit, além de fazer parte dos conselhos fiscais do Santander e da Klabin.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

Como é ser filha de Luiz Barsi?

Engana-se quem pensa que Louise Barsi alcançou destaque no mercado financeiro pura e simplesmente por ser herdeira do “rei dos dividendos”.

Em um post nas redes sociais, publicado em 2019, a própria Louise resumiu, em poucas palavras, uma das perguntas que mais ouviu em seus 26 anos de vida.

“Muita gente me pergunta como é ser filha de um bilionário. Eu sou uma fã confessa do meu pai e me sinto privilegiada por ser filha de um grande homem, que me inspira diariamente.”

Louise decidiu, ainda criança, que seguiria os passos do pai. E começou cedo, logo aos 12 anos, acompanhando as reuniões de Luiz Barsi na Apimec (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais).

“Nunca me imaginei fazendo outra coisa, a não ser trabalhar com ações”, escreveu certa vez.

Mesada foi pontapé inicial

A trajetória de Louise Barsi na bolsa começou quando seu pai resolveu parar de dar a ela a tradicional “mesada”, e a presenteou com ações da Ultrapar.

“Aos 14 anos, ele decidiu me presentear com minhas primeiras ações. Os dividendos seriam minha mesada. Ele disse que não compraria mais nada para mim e eu teria que me virar com aquele valor”, lembrou.

Foi esse “empurrãozinho” que fez com que ela se interessasse por estudar as melhores estratégias para aumentar os dividendos.

“Sua intenção era me ensinar os benefícios do longo prazo, afinal de contas, eu tinha a escolha entre gastar o que quisesse ou poupar com aqueles dividendos”, comentou.

“Ele me dizia seriamente: ‘Filha, você prefere reinvestir e multiplicar os dividendos ou gastar tudo agora?’ Resumindo: Desde muito nova, os preceitos do ‘Jeito Barsi de investir’ já estavam entranhados no meu DNA”, completou Louise.

A partir de então, as ações passaram a fazer parte da vida da adolescente. Ela recebia mensalmente cerca de R$ 300 em dividendos e pedia ao pai para que a ajudasse a investir em novos papéis.

Os presentes de aniversário também mudaram. Apaixonada pelo mercado financeiro, passou a pedir ações ao pai todos os anos. E vem colhendo frutos até hoje, com investimentos em empresas como Unipar, Taesa e Itaúsa.

“Sempre reinvisto os dividendos. Aprendi com meu pai a poupar, a investir e a ter consciência da importância do dinheiro”.

Funcionária “mais antiga” da Elite Investimentos

Louise Barsi costuma brincar que é a funcionária “mais antiga” da Elite Investimentos, casa em que o pai, Luiz Barsi, opera há quase 30 anos.

Em entrevista recente, ela lembrou que frequentava o lugar desde criança, acompanhando o próprio pai. Até que teve a chance de fazer um estágio na empresa, logo depois de ganhar experiência na Ordem dos Economistas do Brasil (OEB).

O conhecimento adquirido na Elite Investimentos fez com que Louise fechasse 2018 com um rendimento de 36,75%. No mesmo período, o Ibovespa teve alta de 15,03%.

Conselhos de Louise Barsi

Para Louise Barsi, paciência é a palavra-chave pra quem está começando no mercado financeiro. “Os retornos só acontecem com o tempo”, frisou.

Recentemente, ela escreveu em uma coluna na internet quais suas melhores dicas para quem investe ou pretende investir em ações. Confira um resumo das principais:

Não procure a melhor taxa

“A primeira decisão não pode ser seguir a melhor taxa. A alocação dos recursos não deve ser feita de acordo com as taxas oferecidas, mas sim com os objetivos sobre o que fazer com o dinheiro.”

Faça reserva de emergência

“Antes de começar a investir, forme uma reserva de emergência, um colchão para 3 a 6 meses de despesas. Assim, se algum imprevisto acontecer, como perda de emprego ou problema de saúde, você não precisa se endividar. Depois, divida o montante em três partes, com horizontes de curto, médio e longo prazo”, completou.

Estude as empresas em que quer investir

“Quanto maior o horizonte, maior a chance de retornos satisfatórios. Se quiser garantir boa rentabilidade, seja pela valorização da carteira, seja por meio de dividendos, é importante se certificar de que as empresas em que vai investir são perenes, com previsibilidade de fluxo de caixa e bons dividendos. Para começar, algumas boas empresas são de energia, saneamento e bancos”, aconselhou.

Reinvista os dividendos

“Para ter uma boa rentabilidade, é fundamental reinvestir os dividendos recebidos. Sempre que você recebe e reinveste, sua posição de ações aumenta. Os juros compostos vão agir sobre um número maior de ações e você terá uma multiplicação geométrica do valor de dividendos a receber, o que forma uma bola de neve benéfica”.

Quer saber mais sobre Louise Barsi e seus investimentos? Inscreva-se na Money Week