IPP: preços ao produtor desaceleram para 1% em maio

Matheus Gagliano
Colaborador do Torcedores
1

Os preços na indústria desaceleraram em maio, na comparação com abril. O Índice de Preços ao Produtos (IPP), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apurou uma elevação de 1%.

Na passagem de março para abril, o IPP havia crescido 2,19%. Esta é considerada a menor variação de preços no ano. No acumulado de 2021, o índice atingiu 17,58%. Já o acumulado nos últimos 12 meses foi de 35,86%.

Das 24 atividades medidas, 16 tiveram variações positivas em maio. A maior influência no índice veio de alimentos, que representou 0,35 ponto percentual. Esta foi seguida por metalurgia (0,25 ponto); refino de petróleo e produtos de álcool (0,18 ponto) e produtos de metal (0,09 ponto).

Em março, o índice teve sua segunda maior alta da série histórica, iniciada em 2014.

IPP

 

IPP: queda do dólar causa desaceleração

Um dos motivos da desaceleração, segundo Manuel de Souza, gerente do IPP, explicou que um dos motivos da desaceleração foi a queda do dólar.

Em maio, o real registrou uma valorização de 4,9%. Para o especialista é um percentual considerável para um único mês. Com isso, acrescente, uma série de produtos cotados em dólar caíram de preço.

Alimentos e metalurgia crescem

Os alimentos cresceram 1,48% em maio. O setor registra variação acumulada de 8,96% no ano. Na comparação com maio do ano passado, a alta é de  30,54%. Nos últimos 12 meses, a alta também foi próxima a 30%.

Souza Neto afirma que o resultado em alimentos tem influência dos preços no mercado externo e da estiagem. O que afetou a produção do leite. Alimentos também têm o principal impacto no índice anual (7,57 pontos percentuais em 35,86%).

Outra alta preponderante em maio foi na metalurgia (3,54%). Esta é considerada a maior variação entre todas as atividades no mês. A alta acumulada pelo setor no ano é de 31,85% e 49,89% nos últimos 12 meses.

Ambas são as maiores variações acumuladas da atividade em toda a série histórica, iniciada em 2014.

Entre as quatro atividades que mais influenciaram o resultado do mês refino de petróleo e produtos de álcool (alta 1,80%) e produtos de metal (crescimento de 3,12%).

Em relação às grandes categorias econômicas, o IPP registrou uma queda em maio: de 0,36% em bens de capital. Já bens intermediários teve alta de 0,88%, enquanto bens de consumo subiu 1,48%. Sendo que 1,13% em bens de consumo duráveis e 1,54% em bens de consumo semiduráveis e não duráveis.

A pesquisa

A pesquisa investiga, em pouco mais de 2.100 empresas, os preços recebidos pelo produtor, isentos de impostos, tarifas e fretes e definidos segundo as práticas comerciais mais usuais.

Coletam-se cerca de 6 mil preços mensalmente. Gera indicadores para 24 atividades das indústrias extrativas e de transformação, além de reorganizar os mesmos dados em grandes categorias econômicas.