Fenabrave: aumento do ICMS derruba emplacamentos em janeiro

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Divulgação

A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) divulgou, nesta terça, os números de emplacamentos de veículos em janeiro de 2021. De acordo com o órgão, os números foram bastante decepcionantes, mas há uma explicação.

Alarico Assumpção Júnior, presidente da Fenabrave, revelou que os emplacamentos de veículos no primeiro mês do ano foram 30% menores do que o mesmo mês de 2020, e culpou diretamente as medidas do governador João Doria pelos números. Mais precisamente o aumento do ICMS.

“Se considerarmos que São Paulo responde por mais de 23% das vendas de veículos novos e por cerca de 40% das transações de usados no país, podemos ter a dimensão dos estragos que as medidas adotadas pelo governador João Doria estão fazendo”.

As retrações, segmentadas, ficaram divididas da seguinte forma: 32,8% em automóveis e 16,7% em utilitários, picapes e vans. Caminhões tiveram déficit de 24,7%, enquanto ônibus registraram queda de 14,6% no comparativo anual.

Segundo o executivo da Fenabrave, os licenciamentos de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus novos em janeiro somaram 171.153 unidades. Isso representou um recuo de 11,5% em relação ao mesmo mês de 2020.

Fenabrave

Fenabrave cita outros problemas

Além do já citado reajuste do ICMS< que o governo de São Paulo aumentou a alíquota de 12% para 13,3% sobre carros novos e de 1,8% para 5,52% sobre usados no fim do ano passado, a Fenabrave listou outros problemas que, segundo o órgão, justificam a queda nos números.

De acordo com o órgão, a falta de componentes e a segunda onda da pandemia no País, que obrigou as concessionárias a ficarem sem funcionar no último fim de semana do mês, estão entre eles.

O segmento de caminhões, apesar do cenário negativo, ainda se mantém quente, conforme os dados da Fenabrave, “tanto pelos resultados das commodities, quanto pela boa oferta de crédito para o segmento. Já se trabalha com a programação de entrega, de alguns modelos de caminhões, para o mês de junho”.

A Mercedes-Benz lidera o segmento, com 38,67% das vendas, seguida pela Volkswagen, com 26,66%, Volvo, com 13,99% e Scania, com 8,40% de participação em janeiro. O setor, como um todo, fechou o mês com uma pequena alta, de 1,13% em relação a janeiro de 2020.