EQI Asset atinge, em 5 meses, R$ 500 milhões sob gestão

Redação EuQueroInvestir
Colaborador do Torcedores
1

Foto: EQI Asset

A EQI Asset, gestora de recursos da EQI Investimentos, acaba de atingir a marca de R$ 500 milhões sob gestão.

Com apenas cinco meses de existência e quatro fundos – EQI Liquidez, EQI Macro, EQI Long Bias e EQI FIA –, a gestora se prepara, agora, para ingressar numa nova fase: ser uma asset multiproduto.

CASES DA BOLSA

Aprenda análise fundamentalista na prática, inscreva-se no evento!

“Tivemos um começo explosivo e as perspectivas são de acelerarmos ainda mais”, diz o CIO (executivo-chefe de Investimentos) da EQI Asset, Ettore Marchetti. “Buscamos oferecer um portfólio completo de soluções para os clientes”, acrescenta.

Entre as novas áreas da EQI Asset estão a de crédito estruturado e a de fundo de fundos (FoF). Mas não deve parar por aí, incluindo a área de Fundos Imobiliários e de fundos passivos, denominados de Track. 

A intenção da Asset é atingir uma fatia cada vez mais relevante dos ativos sob custódia (AuC) da EQI Investimentos, que atualmente somam mais de R$ 8 bilhões.

Para Ettore Marchetti, a expectativa é de que a EQI Asset atinja algo entre R$ 1,5 bilhão e R$ 1,8 bilhão sob gestão até o final do ano.

Diretor de Relações com Investidores e Produtos da EQI Asset, Gabriel Ramos destaca que, ao lado do potencial dos produtos, a EQI Asset contará com o histórico bem-sucedido dos fundos geridos pela equipe que agora a compõem.

Conheça os fundos da EQI Asset

  • EQI Liquidez se propõe a acompanhar as variações do CDI e tem aporte mínimo de R$ 100 reais, com resgate imediato (D+0) e taxa de administração de 0,25%. É destinado principalmente a valores que ficam em conta à espera da decisão de investir.
  • EQI Macro: para quem busca mais rentabilidade, há o EQI Macro que busca superar o CDI de forma consistente utilizando uma estratégia de investimento global e volatilidade próxima de 8%. Trata-se de um fundo multimercado dedicado a investir de forma diversificada entre as diferentes classes de ativos – ações, moedas, juros e commodities – em diferentes países. O objetivo é evitar concentração de risco em um só tipo de investimento e em um único mercado. O aporte mínimo é de R$ 500 e resgate em D+31. A taxa de administração é de 1,5%.
  • EQI Long Bias tem uma concentração maior em ações, mas também opera de forma tática outras classes de ativos, de mercados distintos. O objetivo é aportar aproximadamente 70% em uma carteira de longo prazo em ações, no mercado local e internacional, e direcionar o restante à diversificação de forma mais oportunista em uma carteira macro que busca tanto potencializar quanto defender o portfólio.
  • EQI FIA é voltado predominantemente para o investimento de longo prazo em ações, também diversificando as alocações no mercado local e internacional. “Esse fundo se mantém comprado em ações o tempo todo”, explica Gabriel Ramos, diretor de RI e de Produtos da nova Asset.

Para esses dois últimos, o resgate é em d+32, taxa de administração é de 2% e aporte inicial de R$ 500.

EQI Asset Previdência

Como previsto no início do projeto, em abril, a EQI Asset também lançou os seus fundos de Previdência.

“Acreditamos bastante no crescimento desses fundos no curto prazo. Esse segmento é um dos que mais cresce na indústria de fundos.” 

 Conheça:

  • EQI Macro Zurich Prev e o EQI Long Bias 70 Zurich Prev, destinados ao público em geral, seguem a estratégia dos fundos EQI Macro e do EQI Long Bias, porém adaptando os ativos à legislação dos fundos de previdência.
  • Já o EQI Long Bias BTG Vida e Prev também segue a estratégia do EQI Long Bias, porém o investimento em ações pode chegar a 100% do fundo e, por isso, é destinado apenas a investidores qualificados.

Equipe experiente do mercado

Os profissionais e gestores que formam a EQI Asset têm larga experiência no mercado, que trazem em seu currículo passagens por importantes casas e com experiências no Brasil e no exterior.

Conheça a equipe:

  • Roberto Chagas –Diretor de Investimento Renda Variável (Trafalgar, UBS, BRZ Investimentos, Direcional Administradora de Recursos, Petros e Ativa Corretora);
  • Ettore Marchetti – Diretor de Investimento Multimercado e Renda Fixa (Trafalgar e CSHG);
  • Gabriel Ramos – Diretor de Relações com Investidores e Produtos (Trafalgar, Canada Pacific Investment, Gap Asset, ARX Capital);
  • Bernardo Mota – Economista Chefe (Asset1, BTG Pactual);
  • Felipe Passaro – Gestor e analista de Renda Variável (Trafalgar, J.P. Morgan e HSBC);
  • Aline Cardoso – Gestora e analista de Renda Variável (Trafalgar, Bradesco, HSBC, Santander, Brascan e Opportunity);
  • Daniel Oliveira – Gestor de opções (Merrill Lynch);
  • Pedro Carneiro – Gestor multimercado Renda Fixa (Trafalgar, Ibiúna, Fundo Momentum, Opus, Direcional, Ático, Ativa, Banco Pactual e Banco Garantia);
  • Luiz Mello – Gestor multimercado Renda Fixa (Spinnaker Capital e BTG Pactual);
  • Arthur Rossi – Gestor de crédito estruturado (RB Capital e FAR);
  • Bruno Rebelatto – Gestor de crédito imobiliário (RB Capital, FaR);
  • Vitor Elias – Analista de crédito estruturado (Captalys, Octante);
  • Jonathan Medeiros – Analista de Fund of Funds (EQI Asset);
  • Samir Rodrigues – Risco (RB Capital);
  • Fernando Cremonesi – Back Office (Canvas e CSHG);
  • Camila Fernandes – Compliance (EQI Investimentos);
  • Tiago Poit – Trainee.

LEIA MAIS:

EQI Asset pretende atingir R$ 2 bilhões sob gestão no primeiro ano