Conheça em detalhes o plano de investimento de US$ 2 trilhões de Joe Biden

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Twitter

Esta semana o presidente norte-americano Joe Biden anunciou um pacote de infraestrutura de mais de US$ 2 trilhões. A medida é mais um reforço financeiro na tentativa de apoiar a economia pós-pandemia.

A CNBC detalhou o plano, que contempla gastos ao longo dos próximos oito anos e aumentaria a taxa de imposto corporativo para 28% para financiá-lo.

O presidente quer criar “a economia mais forte, mais resistente e inovadora do mundo” – e milhões de “empregos bem remunerados” ao longo do caminho.

A Casa Branca disse que o aumento de impostos, combinado com medidas destinadas a impedir a exploração de lucros, financiará o plano de infraestrutura em 15 anos.

Os principais destaques da proposta

  • Colocar US$ 621 bilhões em infraestrutura de transporte, como pontes, estradas, transporte público, portos, aeroportos e desenvolvimento de veículos elétricos;
  • Direcionar US$ 400 bilhões para cuidar de americanos idosos e deficientes;
  • Injetar mais de US$ 300 bilhões para melhorar a infraestrutura de água potável, expandir o acesso à banda larga e atualizar as redes elétricas;
  • Investir mais de US$ 300 bilhões na construção e reforma de moradias populares, junto com a construção e reforma de escolas;
  • Investir US$ 580 bilhões em esforços americanos de manufatura, pesquisa e desenvolvimento e treinamento profissional.

Segundo reforço financeiro

O anúncio desta semana dá início à segunda grande iniciativa de Biden, após a aprovação de um plano de alívio do coronavírus de US$ 1,9 trilhão no início deste mês.

O governo pretende aprovar uma primeira proposta destinada a criar empregos, renovar a infraestrutura dos EUA e combater a mudança climática antes de se voltar para um segundo plano para melhorar a educação e expandir licenças remuneradas e cobertura de saúde.

Joe Biden afirmou que revelará a segunda parte de seu pacote de recuperação “em algumas semanas”.

Desafios políticos à frente

Enquanto os democratas controlam de forma restrita as duas câmaras do Congresso, o partido enfrenta desafios para aprovar o plano de infraestrutura.

Os republicanos apoiam amplamente os esforços para reconstruir estradas, pontes e aeroportos e expandir o acesso à banda larga, mas se opõem aos aumentos de impostos como parte do processo.

O líder da minoria no Senado, Mitch McConnell, R-Ky., disse na quarta-feira que “não é provável” apoiar a proposta por causa dos aumentos de impostos.

O líder da maioria dos democratas Chuck Schumer, de Nova York, elogiou o projeto como um meio de criar empregos e, ao mesmo tempo, promover energia limpa e transporte. Em uma declaração na quarta-feira, ele disse: “Estou ansioso para trabalhar com o presidente Biden para aprovar um plano grande e ousado que impulsionará os Estados Unidos nas próximas décadas”.

Aumento de impostos

Segundo a CNBC, o presidente respondeu às críticas às propostas de aumento de impostos, dizendo que não aumentaria a carga sobre quem ganha menos de US$ 400.000 por ano. Ele disse que não tinha como objetivo punir os ricos.

“Isso não é para atingir aqueles que conseguiram. Não buscar retribuição ”, disse ele. “Trata-se de abrir oportunidades para todos os outros”.

Entre as metas do governo, Joe Biden pretende renovar 20.000 milhas de estradas e rodovias e reparar 10.000 pontes. A proposta prevê a construção de uma rede nacional de 500.000 carregadores de veículos elétricos até 2030 e a substituição de 50.000 veículos de transporte público a diesel.

O governo espera construir ou reabilitar 500.000 casas para americanos de baixa e média renda e substituir todos os encanamentos de chumbo nos sistemas de água potável. O plano também visa fornecer serviço de banda larga universal e acessível.

A Casa Branca quer garantir que a revitalização do transporte público alcance comunidades de cor prejudicadas por projetos anteriores, como rodovias construídas em bairros.

O governo também tem como objetivo concentrar esforços para tornar casas, escolas, transporte e redes de serviços públicos mais resilientes em comunidades marginalizadas com maior probabilidade de suportar o impacto de eventos climáticos severos.

Biden planeja financiar os gastos aumentando a alíquota do imposto corporativo para 28%. Os republicanos reduziram o imposto de 35% para 21% como parte de sua lei fiscal de 2017.

O governo também quer aumentar o imposto mínimo global para empresas multinacionais e garantir que elas paguem pelo menos 21% em impostos em qualquer país.

A Casa Branca tem como objetivo desencorajar as empresas a listar os paraísos fiscais como seu endereço e a cancelar as despesas relacionadas ao offshoring, entre outras reformas.