Confiança da construção cai pelo segundo mês consecutivo

Matheus Gagliano
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Reprodução/Flickr

O Índice de Confiança da Construção (ICST) caiu 0,8 ponto em novembro, para 95,3 pontos. Esta é a segunda queda consecutiva. Em médias móveis trimestrais, o índice recuou 0,3 ponto, após cinco meses de altas consecutivas.

Os dados foram divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV). De acordo com o instituto, o resultado negativo ocorre exclusivamente em função da piora das expectativas em relação aos próximos meses. Enquanto isso, a percepção sobre o momento se mantém estável.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

O Índice de Situação Atual (ISA-CST) se manteve estável em 92,0 pontos, enquanto o índice de Expectativas (IE-CST) caiu 1,6 ponto para 98,7 pontos, menor nível desde junho de 2021.

Confiança da construção

Ana Maria Castelo, Coordenadora de Projetos da Construção do instituto disse que a segunda queda consecutiva reflete um final de ano com cenário mais desafiador para empresas. A atividade perdeu força em novembro, embora ainda predomine a percepção de crescimento.

“Por outro lado, a alta das taxas de juros, uma inflação mais disseminada e custos crescentes minam as expectativas de continuidade da tendência de melhora dos negócios”, observou ela.

Confiança da construção: situação atual reflete variações opostas dos indicadores

Na avaliação da situação atual, o resultado do ISA-CST reflete variações opostas dos indicadores que o compõem. O indicador de situação atual dos negócios subiu 1,0 ponto, para 91,8 pontos, enquanto o indicador de carteira de contratos cedeu 1,0 ponto, para 92,4 pontos.

Já em relação as perspectivas futuras, o resultado do IE-CST retorna para patamar abaixo do nível neutro (100,0 pontos). Isto depois de ser influenciado principalmente pela queda de 2,3 pontos no indicador que mede a tendência dos negócios nos próximos seis meses. O indicador de demanda prevista também contribuiu para o resultado negativo. Já que caiu 1,0 ponto, para 100,8 pontos.

Apesar da queda no índice de confiança, o Nível de Utilização da Capacidade (NUCI) da Construção subiu 1,7 ponto percentual. Atingiu 77,3%. Os NUCIs de Mão de Obra e de Máquinas e Equipamentos cresceram 1,7 e 1,8 ponto percentual. Estes chegaram a 78,6% e 70,1% respectivamente.

INCC cai para 0,71%

O Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M) variou 0,71% em novembro, ante 0,80%, no mês anterior. Com este resultado, o índice acumula alta de 13,68% no ano e de 14,69% em 12 meses.

Em novembro de 2020, o índice havia subido 1,29% no mês e acumulava alta de 7,86% em 12 meses. A taxa do índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços passou de 1,45% em outubro para 1,11% em novembro. O índice referente à Mão de Obra variou 0,28% em novembro, ante 0,10%, em outubro.