Compra do Big pelo Carrefour (CRFB3) é um “negócio atraente”, diz UBS

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação

Em análise publicada nesta quarta-feira (24), após o anúncio da compra do Grupo BIG Brasil pelo Carrefour (CRFB3), o UBS analisou que a operação é um “negócio atraente”.

Os analistas ressaltam que os acionistas do Carrefour têm afirmado que desejam ver o capital devolvido por meio de recompras enquanto a gestão tem apontado para oportunidades de fusões e aquisições, criando mais valor de longo prazo.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

“Embora não vejamos isso como uma virada de chave deste tamanho, em nossa opinião, este negócio [entre Carrefour e Big] é feito em um múltiplo atraente com altas sinergias e fortalece significativamente sua posição competitiva. Esperamos que os investidores respondam positivamente ao negócio”, diz análise do UBS.

A recomendação é de compra para CRFB3.

As ações do Carrefour estão em alta nesta quarta-feira após o anúncio.

Posição estratégica

O banco suíço ressalta que o Carrefour está estrategicamente em uma posição muito forte como líder de mercado.

Espera-se que o acordo seja fechado até o fim de 2022, sujeito à aprovação do Cade.

Assim, segundo o UBS, aquisição leva a um aumento de 80% nas lojas, com sobreposição em todos os formatos.

“O Grupo Big adiciona 387 lojas às 489 do Carrefour. “A aquisição dobra o total de lojas do hipermercado, aumenta as do supermercado em 3x e adiciona 25% a mais  nas lojas C&C (Carry & Cash)”, explicam os analistas.

Ou seja, a fusão vai adicionar 32% nas vendas líquidas do grupo, enquanto adiciona apenas 16% para o Ebitda ajustado.

Sobre a operação entre Carrefour e Big

O Carrefour adquiriu a totalidade do Grupo Big por R$ 7,5 bilhões.

Deste valor, 70% das ações ordinárias do BIG serão compradas pelo montante de R$ 5,250 bilhões, em dinheiro.

A companhia ainda deliberará sobre a incorporação das ações ordinárias representativas dos 30% remanescentes do capital social do Grupo Big.

Segundo o Atacadão, a aquisição do Grupo BIG expandirá a presença do Carrefour Brasil em regiões onde tem penetração limitada, como o Nordeste e Sul do país, e que oferecem forte potencial de crescimento.

Desde 2018, o Grupo Big pertence à sociedade formada entre a empresa de investimentos Advent International e o Walmart.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo