Candles ajudam investidor técnico a analisar preços

Redação EuQueroInvestir
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Pxhere

Ao contrário do que se pode imaginar, o uso das figuras de análise técnica conhecidas como candlestick (ou candles) iniciou-se muito tempo atrás. O fato mais conhecido certamente foi o resultado alcançado por quem fez seu uso primeiramente. A partir disso, a técnica de análise gráfica ganhou cada vez mais popularidade, até que chegou ao Ocidente.

Neste artigo, você encontrará diversas informações a respeito dessa incrível forma de analisar preços. Primeiramente, você saberá porque a técnica é tão eficiente ao ponto de atravessar séculos e ser usada ainda hoje por uma grande quantidade de operadores. Além disso, você conhecerá ainda os principais tipos de candles existentes.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Então, não perca mais tempo e continue a leitura agora mesmo!

O que são os candles?

Em resumo, um conjunto de candles é uma maneira de realizar a análise gráfica de um determinado ativo objeto. Ele recebe outros nomes inclusive, podendo ser chamado simplesmente de vela, candelabro, candlestick ou ainda vela japonesa.

Trata-se de um recurso muito utilizado por quem negocia ativos no mercado financeiro usando a análise técnica para tal. Os candles são muito úteis nessa tarefa porque são capazes de fornecer várias informações de modo simplificado, o que ajuda na interpretação. 

Vale ressaltar que iniciantes de mercado não devem se apoiar tanto sobre essa técnica sem antes fazer um estudo profundo sobre seu modo de funcionamento e as formas de interpretação. 

De onde surgiram os candles?

O início do uso de candlesticks em análises gráficas remonta a um passado consideravelmente distante. O primeiro registro que se tem de seu uso data do século XII e foi feito pelo japonês Munehisa Homma. 

Ele o utilizou para negociar contratos de arroz no mercado futuro. “Conversas dos corredores” indicam que o uso de candles lhe rendeu mais de cem operações acertadas de modo consecutivo.

Talvez o mais incrível da história dos candles foi o tempo decorrido até que eles chegassem ao ocidente. Isso só ocorreu por volta de 1980, quando Steven Nison aplicou a técnica ao mercado de ações da bolsa norte-americana sediada em Nova York. Realmente foi um longo período até que tal conhecimento se difundisse além do Japão.

A ideia revolucionária para validar o seu uso parte do princípio que um gráfico de linhas é muito mais limitado porque demonstra uma informação apenas. Já o uso de candles pode fornecer quatro diferentes dados na mesma representação gráfica.

Como um candlestick deve ser interpretado?

Todo gráfico baseado em candlesticks fornece uma ampla gama de informações. Os quatro dados básicos sobre a formação de preços podem ser encontrados sempre em um único candle. O intervalo de tempo o qual a vela representa pode ser escolhida livremente por quem está fazendo a análise.

Todo candle tem um formato retangular e verticalizado. Em suas extremidades podem haver linhas que indicarão determinados preços. Essas linhas também podem ser chamadas de pavios, fazendo alusão ao nome de origem da figura.

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3

O pavio de cima de uma candle sempre indicará o preço máximo alcançado pelo ativo objeto, assim como o pavio inferior indica o preço mínimo do período pré-selecionado. As extremidades inferior e superior do corpo do candle indicam o preço de abertura e fechamento.

Essa interpretação mudará conforme é a indicação do candle: se ele representar uma subida de preços, então a parte inferior de seu corpo mostrará o preço de abertura e a parte superior será seu preço de fechamento.

Se o candle indicar queda de preços, a ordem deve se inverter. Essa é a razão pela qual é tão importante que os candlesticks tenham cores diferentes para indicar uma alta e uma baixa nos preços. Dessa forma um gráfico de velas tem interpretação clara e fácil.

Quais são os principais tipos de candlestick?

Acompanhe a seguir alguns dos principais tipos de velas encontradas em uma análise gráfica.

Doji

Um doji é um candlestick especial que pode revelar uma possível reversão de mercado. Isso ocorre exatamente porque ele não tem corpo e isso acontece graficamente devido seu preço de abertura ser igual ao de fechamento. Com isso, não há a formação retangular característica, indicando que não houve alta ou baixa nos preços de fechamento.

Marubozu

Essa palavra significa “careca” em japonês. Ela é atribuída ao candle que não tem nenhum pavio (ou tem um pavio muito pequeno). Isso traz uma forte interpretação de um movimento sólido no mercado e quanto maior é seu corpo, mais força tem o movimento. Com isso, tem-se uma figura no gráfico completamente preenchida e de grande destaque.

Martelo

Essa formação característica de um candle fornece um importante informação a um analista gráfico. Normalmente, um martelo surge no final de uma tendência, indicando reversão de preços. Vale ressaltar que seu pavio se dá apenas na parte de baixo e possui comprimento de pelo menos o dobro de seu corpo.

Martelo invertido

Conforme o próprio nome diz, o martelo invertido tem as características simétricas em relação ao candle martelo. Ele ocorre então ao final de uma tendência e seu pavio comprido situa-se na parte superior do corpo.

Os candles são fantásticas ferramentas de análise gráfica. De uma só vez, são capazes de fornecer ao menos quatro informações a respeito da leitura de preços. Com algumas combinações e muito estudo, é possível identificar padrões e agir de acordo com eles. Implemente isso em suas operações e seus resultados poderão ser ainda melhores!