BDR do JP Morgan (JPMC34): saiba como investir no banco americano

Ana Paula Schuster
Colaborador do Torcedores
1

Você sabia que é possível investir no banco americano JP Morgan a partir da bolsa de valores brasileira (B3). Desde outubro de 2020 isto já é possível, graças aos BDRs – Brazilian Depositary Receipts (BDRs).

Os BDRs são ativos que espelham as ações estrangeiras no Brasil. Na B3, os BDRs do JP Morgan são negociados sob o código JPMC34. E todo investidor está apto a negociá-los, inclusive as pessoas físicas com menos de R$ 1 milhão em investimentos – até ano passado, só estes tinham autorização para negociar BDRs. Vale lembrar que os ativos em dólar se toram especialmente interessantes no cenário atual, com o real desvalorizado. Saiba mais sobre a empresa neste artigo.  

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

A história do JP Morgan (JPMC34)

Em meados de 1871, J. Pierpont Morgan e Anthony Drexel, ambos vindos de famílias de banqueiros, fizeram uma parceria. Como resultado disso, surgiu um banco chamado de Drexel, Morgan & Co. Após a morte de Drexel, o nome foi modificado e a instituição passou a se chamar JP Morgan.

Em 1893, a empresa tornou-se uma das principais financiadoras dos Estados Unidos. Ela atuava no ramo das estradas de ferro do país. Em 1901, foi realizada a aquisição da indústria Andrew Carnegie.

E a partir anos 2000, foram feitas diversas fusões com o banco. Entre elas, as das seguintes companhias:

  • The Chase Manhattan Corporation;
  • Bank One.

Dessa maneira, a JP Morgan (JPMC34) conseguiu superar o Bank of  America em 2011. Ao passo que se tornou a instituição que mais concede crédito nos EUA. A estreia do banco na bolsa de valores ocorreu na década de 1980. 

JP Morgan (JPMC34): balanço do quarto trimestre

Os resultados do JP Morgan (JPMC34) foram muito bons no quarto trimestre de 2020. Seu lucro e receita chegaram a um patamar considerável. O lucro líquido alcançou os US$ 12,49 bilhões. Isso significa uma elevação de pelo menos 42% em comparação a 2019.

De tal forma,  houve 47% de aumento nos ganhos em cada uma das ações, ficando no valor de US$ 3,79 (comparativo) e US$ 3,07 (ajustado).

Por sua vez, a receita líquida cresceu em 3%, chegando aos US$ 30,2 bilhões. Dessa forma, a própria receita sem os juros alcançou os US$ 16,8 bilhões. E um dos motivos pelo qual isso ocorreu foram justamente os empréstimos do setor residencial.

Estratégia da JP Morgan (JPMC34) durante a pandemia

Diante do impacto causado pela pandemia de coronavírus, algumas medidas foram necessárias. 

No início do ano passado, o banco decidiu enviar 10% de seus funcionários para trabalharem a partir de suas casas. Ao todo, 127 mil funcionários fazem parte da companhia.

Outro ponto importante foi a decisão de mudar as sedes principais do banco. Já que elas estão situadas em cidades onde a população é muito grande. O que poderia causar um aumento no número de casos da doença, já que a atividade lida diretamente com o público.

Desempenho dos BDRs

Somente neste ano, de janeiro a 12 de março, os BDRs do JP Morgan valorizaram 30%, saindo de R$ 66,82 e chegando a R$ 87,09.

Se o período analisado for de um ano, a valorização é ainda maior: 101%.

Como investir nos BDRs do JP Morgan?

Os investidores brasileiros podem ter acesso aos chamados BDRs – Brazilian Depositary Receipts – do JP Morgan.

Eles são ativos que representam ações de empresas estrangeiras.

Quem adquire um BDR está, indiretamente, participando de uma empresa no exterior. E terá direito aos dividendos distribuídos pela companhia lá fora.

Funciona mais ou menos como um fundo de investimento. O investidor não vira o dono da ação, portanto não é sócio da empresa em questão.

Para comercializar um BDR, a instituição emissora do papel adquire várias ações de empresas estrangeiras. Depois monta um “pacote” e vende partes dele aos investidores. Logo, esses títulos são como cotas.

O que é preciso fazer para investir?

Para adquirir BDRs, o investidor precisa procurar um banco ou uma corretora de valores autorizados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3