Produção industrial da zona do euro recua 11,8% em março

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

A produção industrial na zona do euro recuou 11,8% em março, ante queda de 0,1% em fevereiro. O dado foi divulgado nesta quarta-feira (13) pelo Eurostat, escritório de estatísticas da Comissão Europeia.

Na União Europeia como um todo, a produção industrial apresentou queda de 10,4%.

Na comparação de março de 2020 com março de 2019, a produção industrial teve uma queda de 12,9% na zona do euro e de 11,8% na União Europeia.

No mês de março, os países europeus estavam com as medidas de distanciamento social, recomendadas para a contenção do coronavírus, já implantadas. De acordo com a Eurostat, este fato explica a queda acentuada.

produção industrial

Resultado por grupos

A produção de bens de consumo duráveis caiu 26,3%. Bens de capital, caiu 15,9%. Bens intermediários apresentaram recuo de 11%. Energia, de 4%. E bens de consumo não-duráveis, de 1,6%.

Na União Europeia, bens de consumo duráveis caiu 23,8%. Bens de capital, -15,1%. Bens intermediários, -9,9%. Energia, -3,5%. E bens de consumo não-duráveis, 1,2%.

Comparação por países

Entre os países, os que apresentaram quedas mais acentuadas foram Itália (-28,4%), Eslováquia (-20,3%) e França (-16,4%).Avanços foram observados na Irlanda (+15,5%), na Grécia e nas Filipinas (+1,9%) e na Lituânia (+0,7%).

Na comparação com março de 2019, as maiores quedas na produção industrial foram sentidas por Luxemburgo (-32,7%), Itália (-29,3%) e Eslováquia (-19,6%). Avanços foram registrados na Irlanda (+25,3%), em Malta (+5,7%) e nas Filipinas (+2,8%).

Leia também:
Os benefícios de se ter um assessor de investimentos

PMI da zona do euro atinge mínima histórica
Produção industrial do Brasil tomba 9,1% em março