Zeina Latif: reformas devem ser constantes para atrair investimentos

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Reprodução / YouTube

A economista Zeina Latif falou na noite desta terça-feira (29) no Cognition, evento da Unisinos promovido pela EQI, sobre as “reformas econômicas e fiscais que o Brasil precisa enfrentar”.

O evento que começou hoje e vai até sexta-feira (2) é virtual e pode ser acessado neste link.

Latif procurou elucidar o cenário macroeconômico enfrentado pelo Brasil, agora agravado pela pandemia, mas não apenas sob esse aspecto.

Conheça planilha que irá te ajudar em análises para escolha do melhor Fundo Imobiliário em 2021

O que a economista procurou sublinhar foi a importância das reformas.

Sem “bala de prata”

Na sua visão, “o Brasil é país muito difícil, com um complicado ambiente de negócios”.

Com a complexidade tributária, as dificuldades políticas, as incertezas cotidianas, fica tudo menos atraente para o investimento.

E isso reduz a produtividade. “É preciso ter ganho de produtividade”, ela salienta.

E a reforma tributária é importante neste cenário, para simplificar e para atrair o investimento.

Mas não é uma só a reforma tributária ou só “uma” reforma tributária.

“Não é uma bala de prata, é preciso atuar em várias frentes”, ela diz.

É preciso fazer toda hora ajustes nas políticas públicas, reformas constantes.

O que Latif deixa claro é que, como a sociedade muda, o ambiente internacional se altera.

É preciso estar a todo instante atento às necessidades de atualizar e alterar a própria sociedade para que ela permaneça atraente para o investimento e para o crescimento.

Entretanto, é preciso sempre passar o recado de que o país tem rigor fiscal.

Por isso, ela pede pela preservação do teto de gastos, aprovado em 2016.

Eficácia limitada do Banco Central

A dívida pública11 está caminhando para 100% do PIB, ela lembra.

Os investidores estão preocupados com o crescimento da dívida e fazem investimentos em papéis mais curtos do Tesouro Nacional, para terem maior liquidez.

“O Banco Central tem pouco o que fazer”, ela explica. A “eficácia dele é muito limitada” a um período curto.

São os governos que precisam atuar com mais segurança.

“O que o governo tem que desenhar claramente sua agenda, ter diálogo com o Congresso, tem que ter plano estruturado e capacidade de entrega e aqui a gente está falhando”, referindo-se não a um governo específico na nossa linha do tempo.

Entretanto, o atual tem “dificuldades de entregar reformas”.

Volatilidade do câmbio

“Para o setor produtivo, a volatilidade machuca muito”, ela reforça – e lembra: “a volatilidade fica”.

São muitas variáveis externas que trazem volatilidade ao câmbio. O quadro internacional é muito negativo para o mercado global.

“Nossa moeda sempre foi muito volátil, mas agora, durante a pandemia, está mais exacerbada. O real sempre teve um padrão de volatilidade maior que outras moedas, mas agora aumentou esse padrão”, diz.

Latif ensina que o comportamento do dólar perante o real, em média, é 70% influenciado pelo dólar no mundo.

Quando o comércio mundial está muito forte, como na primeira década do século, com a China crescendo em ritmo bastante acelerado, com o boom de commodities, fez o dólar se enfraquecer e a moeda dos emergentes subir.

Com a crise global de 2008, foram os Estados Unidos saíram mais rápido do buraco, o que fez o dólar se fortalecer, enquanto as outras moedas foram mais lentas.

Na atual crise, a China que controlou melhor a pandemia e se recuperou mais rapidamente, enquanto os Estados Unidos patinam.

Então, o dólar perdeu o vigor.

Mas o dólar alto ou baixo, a Selic alta ou baixa não resumem a economia: “cuidado com a intuição. A economia é muito mais complexa”.

Auxílio Emergencial e consumo reprimido

Para Latif, para além de estimular o consumo, algo que o Bolsa Família fez e agora com muito mais vigor o Auxílio Emergencial fez também, é preciso estimular a oferta.

Enquanto o Bolsa Família injeta algo em torno de R$ 32 bilhões por ano, o Auxílio coloca para rodar R$ 50 bi. Por mês.

Isos estimulou a economia nesse momento, em um país que tem o consumo muito reprimido.

Mas não é suficiente para fazer o empresário investir no país de forma continuada.

Por isso, a necessidade das reformas. Assim, no plural. E constantes.

Zeina Latif

Latif é economista com doutorado em Economia pela Universidade de São Paulo.

Foi economista-chefe na XP Investimentos, de onde saiu em 2020. Já passou pelo Royal Bank of Scotland (RBS), ING, ABN-Amro Real e HSBC.

Além disso, escreve uma coluna semanal no jornal O Estado de S.Paulo.

Ela tem 52 anos e é considerada uma das mulheres mais influentes do Brasil na área econômica.