Wiz (WIZS3): ações caem mais de 10% após perder concorrência com Caixa

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação

Após perder a concorrência da Caixa Seguridade, as ações da Wiz (WIZS3) registraram forte queda no pregão desta quarta-feira (17). Às 17h, os papéis eram negociados com queda de 10,08%.

Na última sexta-feira a Wiz comunicou que perdeu a concorrência no processo competitivo para oportunidade de negócios de co-corretagem com a Caixa.

Em comunicado divulgado nesta quarta-feira, a Wiz ressaltou que mantém sua estratégia de diversificação do negócio e atuação junto à Caixa Seguridade no período de transição. Desta forma, a empresa mantém os planos de avanço inorgânico focado na gestão de canais de distribuição de produtos financeiros e seguros.

Descubra novos caminhos para multiplicar seu patrimônio. Aprenda hoje a investir R$ 300 mil com os melhores desempenhos.

“Fruto da estratégia de diversificação do negócio, as novas áreas da Wiz seguem com aumento de participação nos resultados da empresa. A unidade do negócio Wiz BPO, que atua no pós-venda de seguros e produtos financeiros, backoffice, gestão eletrônica de documentos, cobrança e outsourcing de mão de obra especializada, representa 11,3% na receita bruta total da companhia, mesmo tendo pouco mais de dois anos de atividade. A Wiz Parceiros responde por outros 7,5%. As performances se referem aos nove meses iniciais de 2020”, afirma a Wiz.

 

Seis parcerias em dois anos

Segundo a Wiz, nos últimos dois anos, seis novas parcerias foram firmadas pela empresa conforme a estratégia de alavancar a distribuição de produtos financeiros e seguros em balcões de parceiros e terceiros.

Nestes dois primeiros meses de 2021, a companhia afirma que concretizou acordos com o Itaú para a comercialização de consórcios, com uma nova vertical da Wiz Parceiros dedicada exclusivamente à operação, e também com a Caoa, que resultou na Caoa Seguros, uma joint venture para atuação com exclusividade na rede de concessionárias.

No ano passado, um acordo foi estabelecido com o banco BMG para exploração da distribuição de seguros e outro com a Galápagos Capital para a criação da Wimo, voltada à oferta de crédito com garantia de bens no modelo home equity.

Meses antes, a Wiz adquiriu parte da Barigui Corretora do Grupo Barigui, a maior rede de concessionárias do sul do Brasil. Em 2019, celebrou-se pacto com o Banco Inter para aquisição de 40% da Inter Seguros.

Assim, a Wiz afirma que continua focada em sua estratégia de crescimento inorgânico por meio da construção de parcerias junto a empresas líderes de mercado.

“A companhia está bem estruturada para aproveitar oportunidades que permitam criar valor a partir de sua expertise na comercialização de produtos financeiros e seguros”, afirma Heverton Peixoto, CEO da Wiz.

A Wiz diz que tem uma situação favorável para a sequência do negócio com perenidade: “A condição financeira da companhia é bastante sólida. Fechamos o terceiro trimestre de 2020 com R$240 milhões em caixa e um lucro líquido de R$ 81 milhões, uma alta de 30% em relação ao mesmo período do ano anterior”, afirma Peixoto.

“Somos uma companhia sem alavancagem, com recursos descompromissados para proporcionar o crescimento de nossas unidades de negócios, assim como abraçar novas oportunidades de mercado”.

 

Parceria da Wiz com a Caixa continua

De acordo com o termo aditivo ao acordo comercial de 2018, assinado no mês passado e independente do resultado do processo competitivo – cujo escopo não corresponde ao acordo original entre as partes – a Wiz segue prestando serviços à Caixa Seguridade.

Assim, até agosto deste ano, a companhia dará todo o suporte para uma transição bem-sucedida à corretora proprietária e às co-corretoras selecionadas em processo competitivo.

Durante essa fase de transição, haverá redução gradativa e limitada a 50% dos comissionamentos referentes às vendas de produtos de seguros, previdência e consórcio, sob uma base de 90% dos negócios concretizados. Não está prevista remuneração para seguros habitacionais, conforme acordo prévio.

 

Permanência da carteira de clientes

As condições estabelecidas para o run-off da Wiz, que contempla todas as vendas realizadas até o término do contrato, não foram alteradas, segundo a empresa.

A companhia diz que tem asseguradas as comissões das carteiras até a extinção natural dos acordos com os clientes, sem redução da remuneração. Há longo estoque de receita – sem custo de operação agregado, o que traz um aumento de margem para as linhas em questão.

Os seguros de vida e habitacional possuem prazos médios de duração de 4 e 13 anos aproximadamente, sendo que o produto habitacional se estende no máximo a 35 anos.

Em conjunto, eles representam 86,6% do valor que a Wiz tem a receber a longo prazo, em razão das vendas provenientes da parceria com a Caixa Seguridade. Mas a companhia diz que prossegue com direito à renovação de contratos firmados até 14 de fevereiro deste ano com os clientes.

A Wiz já trabalha na readequação de sua estrutura, em especial da força de vendas dedicada ao balcão da Caixa Seguridade.

Assim, entre as alternativas, os profissionais envolvidos na operação serão remanejados para outras unidades da Wiz em processo de expansão ou poderão ocupar posições disponíveis em parceiros da companhia.