WEG (WEGE3) lucra R$ 500,4 mi no 4TRI19, com alta de 49,3%

Joana Kurtz
null
1

Crédito: Divulgação

A Weg (WEGE3), ação que tem se destacado na bolsa de valores, apresentou lucro líquido de R$ 500,487 milhões no quarto trimestre de 2019, com alta de 49,3% na comparação com igual período de 2018.

Em relação ao terceiro trimestre do ano passado, o avanço foi de 19,7%.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) atingiu R$ 666,4 milhões, 36,1% superior ao quarto trimestre de 2018 e 15,1% acima do terceiro trimestre de 2019.

A margem Ebitda de 17,6% foi 1,9 ponto percentual maior do que no quarto trimestre de 2018 e 0,3 ponto percentual acima do trimestre anterior.

A Receita Operacional Líquida (ROL) foi de R$ 3,779 bilhões nos últimos três meses do ano passado, 20,9% superior a um ano antes e 12,8% acima do terceiro trimestre de 2019.

Ajustada pelos efeitos da consolidação das aquisições da Geremia Redutores, PPI-Multitask e da V2COM, compras que foram feitas no período recente, a receita mostraria crescimento de 20,1% sobre o quarto trimestre de 2018.

Essa linha do balanço foi, além disso, positivamente impactada pela variação do dólar norte-americano médio, que passou de R$ 3,81 no quarto trimestre de 2018 para R$ 4,12 no último trimestre do ano passado, com valorização de 8,1% sobre o Real.

Os resultados foram impulsionados pelo crescimento dos indicadores financeiros, diz a Weg. Fatores como crescimento da receita, melhora das margens operacionais, ganhos de escala, mix de produtos mais favorável e eficiência na alocação de capital têm suportado o crescimento apresentado nos últimos trimestres.

O Retorno Sobre o Capital Investido (ROIC) atingiu 20,2% no último trimestre de 2019, com crescimento de 2,6 pontos percentuais em relação ao quarto trimestre de 2018 e crescimento de 1 ponto percentual em relação ao terceiro trimestre de 2019.

Destaques

No mercado local, os negócios da companhia apresentaram um bom desempenho, mesmo em um cenário de crescimento ainda tímido da economia brasileira.

Os equipamentos eletroeletrônicos industriais de ciclo curto e os equipamentos de ciclo longo ligados à área de geração, transmissão e distribuição de energia (GTD) foram componentes importantes para este crescimento.

O destaque ficou para os negócios de geração solar distribuída e transmissão & distribuição (T&D), que continuam a apresentar evoluções em relação aos trimestres anteriores.

A performance no mercado externo, por sua vez, foi positiva, principalmente nos produtos de ciclo longo.

Os destaques no exterior, por sua vez, foram projetos importantes de óleo e gás e mineração que continuam demandando os equipamentos industriais, em conjunto com o crescimento das vendas de transformadores na América do Norte, contribuindo para a boa performance de GTD.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

As vendas de equipamentos de ciclo curto apresentaram pequeno crescimento, reflexo da menor entrada de pedidos observada desde o último trimestre, principalmente em virtude da desaceleração do crescimento da economia global.

Custo dos Produtos Vendidos

O Custo dos Produtos Vendidos (CPV) no período de outubro a dezembro somou R$ 2,633 bilhões, 19,3% maior do que no quarto trimestre de 2018 e 12,3% maior do que no terceiro trimestre de 2019.

A margem bruta foi de 30,3%, 0,9 ponto percentual maior do que no quarto trimestre de 2018 e 0,3 ponto percentual maior do que no trimestre anterior.

Os esforços de redução de custo e melhorias de processos fabris que proporcionaram ganhos de produtividade, aliados a redução dos preços de algumas matérias primas, auxiliaram na melhora da margem bruta neste trimestre.

No quarto trimestre de 2019, o preço médio do cobre em dólares no mercado spot na London Metal Exchange (LME) apresentou aumento de 1,4% em relação ao terceiro trimestre de 2019 e queda de 4,5% em relação ao quarto trimestre de 2018.

Já o preço médio do aço em Reais apresentou queda de 7,5% e de 12,8%, na mesma ordem comparativa.

Despesas

As despesas de Vendas, Gerais e Administrativas (VG&A) consolidadas totalizaram R$ 494,9 milhões no quarto trimestre de 2019, com aumento de 13,2% sobre o quarto trimestre de 2018 e um aumento de 11,3% ante o terceiro trimestre de 2019.

Quando analisadas em relação a receita operacional líquida elas representaram 13,1%, 0,9 ponto percentual menor na comparação anual e 0,2 ponto percentual menor na trimestral.

Resultado financeiro fica positivo

O resultado financeiro líquido no quarto trimestre de 2019 foi positivo em R$ 12,9 milhões, contra um resultado negativo em R$ 39,4 milhões no quarto trimestre de 2018 e negativo em R$ 15,5 milhões no terceiro trimestre de 2019.

“Este resultado é explicado principalmente pela renovação de financiamentos no exterior com menores taxas de juros e pelo menor impacto das correções nas provisões realizadas no período”, diz a empresa, no balanço.

Vale lembrar que, no quarto trimestre de 2018, houve o efeito não recorrente de reconhecimento da atualização monetária no valor de R$ 26 milhões.

Dívida

Em 31 de dezembro de 2019 as disponibilidades, aplicações financeiras e instrumentos financeiros derivativos totalizavam R$ 3,581 bilhões, aplicados em bancos de primeira linha e majoritariamente em moeda nacional.

A dívida financeira bruta totalizava R$ 2,305 bilhões, sendo 41% em operações de curto prazo e 59% em operações de longo prazo. O caixa líquido totalizava R$ 1,276 bilhão.

A Weg em 2019

Em 2019, a Receita Operacional Líquida (ROL) consolidada atingiu R$ 13,347 bilhões, apresentando crescimento de 11,5% em relação a 2018.

O crescimento do EBITDA foi o principal destaque do ano. Essa linha do balanço atingiu R$ 2,244 bilhões, com crescimento de 23,1% sobre o ano anterior. A margem EBITDA ficou em 16,8%, ante 15,2% em 2018.

O lucro líquido consolidado atribuível aos acionistas da WEG atingiu R$ 1,615 bilhões, 20,6% acima dos R$ 1,338 bilhão obtidos em 2018.

O retorno sobre o patrimônio líquido inicial foi de 20,9% em 2019 (19,9% em 2018) e a margem líquida atingiu 12,1% (11,2% em 2018).

Ações, dividendos e payout da Weg

As ações da Weg encerraram o último pregão de dezembro de 2019 cotadas a R$ 34,66, com aumento nominal de 97,6% no ano e de 100,7% considerando-se os dividendos e juros sobre capital próprio declarados no período.

A Administração proporá à Assembleia Geral Ordinária a destinação de R$ 892,0 milhões para pagamento de dividendos e juros sobre capital próprio, como remuneração aos acionistas sobre os resultados do exercício de 2019, representando 55,2% do lucro líquido antes dos ajustes estatutários.

O payout da Weg aumentou de 53% em 2018 para 55%, no ano passado.

Expectativa da Weg para 2020

Para 2020, a empresa espera mais um ano de crescimento, embora as projeções sinalizem estabilidade no nível de crescimento global das principais economias.

“Atenção especial deve ser dada aos negócios industriais que envolvem produtos de ciclo curto, em especial no mercado externo, onde sinais de desaceleração foram observados no segundo semestre de 2019”, diz a Weg.

Em GTD, os leilões de transmissão de energia realizados nos últimos anos trazem boas perspectivas para a unidade de transmissão e distribuição, assim como a boa performance dos negócios de geração solar, em especial a geração solar distribuída.

“Desta forma, continuaremos expandindo nossa presença em novos mercados e ampliando a linha de produtos, tanto de maneira orgânica, investindo em pesquisa, desenvolvimento e inovação, quanto com aquisições e parcerias estratégicas.”

“Em 2020 o nosso orçamento de capital prevê investimentos de R$ 690,9 milhões em ativos imobilizados e R$ 13,8 milhões em ativos intangíveis.”

Tá, e aí?

A analista da XP Investimentos, Bruna Pezzin, escreveu que a Weg reportou resultados do quarto trimestre de 2019 acima das expectativas da equipe de análise e também do consenso do mercado.

A receita líquida consolidada atingiu R$ 3,78 bilhões e ficou 7% acima do estimado pela XP.

O resultado foi impulsionado principalmente pelo mercado interno, cujas receitas cresceram cerca de 30% ano contra ano no último trimestre do ano passado.

Na linha de custos, vale destacar que a companhia apresentou ganhos de eficiência importantes, com queda na representatividade de algumas das principais linhas (despesas gerais e administrativas, custos com pessoal e outros).

Assim, a margem expandiu na comparação anual e ficou levemente acima do esperado.

“Destacamos também que o retorno sobre o capital investido (ROIC) cresceu mais um trimestre, atingindo 20,2% e reforçando a capacidade da companhia de gerar valor consistentemente”, diz o relatório da XP.

O lucro líquido, por fim, também ficou acima das estimativas da XP e do mercado, beneficiado pelas linhas mencionadas acima e também por um resultado financeiro positivo.

“Em resumo, a WEG reportou avanços significativos no quarto trimestre de 2019, e vem sequencialmente reforçando sua capacidade de gerar valor tanto via as aquisições quanto de forma orgânica”, diz a analista.

“Apesar de reconhecermos o histórico sólido de execução da companhia, que continua a se reforçar ao longo do tempo, nós mantemos preferência relativa por nomes que negociam em níveis de valuation mais atrativos e possuem uma alavancagem mais direta à atividade econômica local dentro do universo de cobertura. Assim, mantemos recomendação Neutra para as ações, mas esperamos reação positiva.”