Entenda por que a WEG (WEGE3) é um dos fenômenos da bolsa

Carla Carvalho
Graduada em Ciências Contábeis pela UFRGS, pós-graduada em Finanças pela UNISINOS/RS. Experiência de 17 anos no mercado financeiro, produtora de conteúdo de finanças e economia.
1

Foto: Weg (WEGE3): companhia aposta na indústria 4.0 para ganhar ainda mais mercado

A fabricante de motores elétricos WEG (WEGE3) está no seleto grupo das nove companhias brasileiras que valem mais de R$ 100 bilhões. Quem acreditava que as ações da multinacional brasileira já tinham atingido o ápice, se surpreendeu na pandemia. Desde o início da crise do coronavírus, os papéis se valorizaram mais de 100%. No ano acumulam alta de 88%, enquanto o Ibovespa cai 12%.

Mesmo com os altos e baixos da indústria brasileira, a companhia catarinense consegue crescer com regularidade desde 1996. Nos últimos 10 anos, sua valorização na bolsa foi de 930%, enquanto o principal índice da bolsa evoluiu 40% no mesmo período.

Um dos fatores que explicam a alta é a sua forte atuação no setor de infraestrutura. Mesmo durante crises econômicas, as oscilações desse setor não costumam ser frequentes.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Outro motivo é a autonomia tecnológica da empresa. A Weg investe no desenvolvimento de soluções próprias. Dessa forma, ganha agilidade para desenvolver novos produtos, e isso contribui para o seu valor de mercado.

  • Se você tem interesse em se tornar acionista, confira o histórico da empresa, suas estratégias de crescimento e quais fatores impactam suas ações.

Como surgiu a Weg

A Weg foi fundada em 1961 em Jaraguá do Sul, interior de Santa Catarina. As iniciais de seus 3 sócios, Werner Voigt, Eggon Silva e Geraldo Werninghaus, deram o nome à empresa.

A princípio, era uma pequena fábrica de motores elétricos. Porém, gradualmente, a empresa começou a diversificar o seu portfólio. Isso fez com que se consolidasse não só como fabricante de motores, mas como fornecedora de sistemas elétricos industriais completos.

Tudo sobre Investimentos em mais de 80 aulas GRATUITAS

Hoje a Weg desenvolve soluções de eficiência energética para toda a cadeira produtiva. Seus produtos e serviços abrangem, de ponta a ponta, todas as fases desse processo. Isso significa atuar da geração de energia até a automação de edifícios, passando pela transmissão, distribuição e consumo industrial.

Processo de internacionalização da Weg

Nos anos 70, a empresa deu início a sua atuação no mercado externo. A princípio, as exportações eram feitas apenas em oportunidades pontuais.

Porém a Weg percebeu que a presença no exterior trazia outras vantagens além do faturamento em si. Afinal, além de vender seus produtos, o acesso a novos mercados traria oportunidades de crescimento para a operação. Dessa forma, começou também a investir em fábricas fora do Brasil.

Atualmente, 55% da receita total da empresa vem do mercado externo. Hoje a Weg tem cerca de 20 fábricas fora do Brasil, espalhadas em onze países. Além disso, possui presença comercial em mais de 100 localidades no exterior.

Mercado de atuação

A Weg possui portfólio com mais de 10 mil produtos, distribuídos nas seguintes categorias:

  • Equipamentos eletrônicos e industriais
  • Fabricação de motores elétricos de baixa e média tensão, equipamentos de automação industrial e serviços de manutenção.
  • Geração, transmissão e distribuição de energia
  • Geradores elétricos para usinas hidráulicas, térmicas, turbinas hidráulicas, aerogeradores, transformadores, subestações de painéis de controle e serviços de integração de sistemas.
  • Motores para uso doméstico
  • Motores para bens de consumo durável, como máquinas de lavar e ar condicionado.
  • Tintas e vernizes
  • Tintas líquidas e em pó e vernizes eletro-isolantes, com foco em aplicações industriais.

Veja quanto representa cada grupo no faturamento total da companhia:

Relatório semestral 2020

 

 

A fim de aumentar a sua participação no mercado, a Weg entrou na indústria 4.0. Recentemente a empresa anunciou uma série de aquisições, sendo as últimas focadas em telemetria de motores e monitoramento de chão de fábrica.

Ainda não foram divulgados os números desse novo nicho. Entretanto, a Weg aposta na inteligência artificial como mais um pilar de crescimento para suas atividades.

Diferenciais da WEG

No caso da Weg, alguns diferenciais fazem com que a empresa se destaque no mercado:

Verticalização

A Weg produz quase todos os componentes de seus produtos internamente. Logo, isso permite maior controle dos processos, o que garante segurança e eficiência de custos.

Além disso, o desenvolvimento de tecnologia própria contribui para a geração de novas oportunidades de crescimento. Isso porque, nos últimos 10 anos, mais da metade da receita da empresa veio de novos produtos.

Atuação em segmentos estáveis

Vimos que a Weg possui boa parte de sua receita (atualmente 35%) focada na infraestrutura de energia. Isso porque o longo ciclo desses projetos proporciona receitas constantes e estáveis. Ou seja, uma vez que contrate a Weg, o cliente ficará bastante tempo vinculado aos seus serviços.

Exposição a tendências seculares

Por fim, destacamos a atuação da empresa em segmentos de tendências seculares. Inteligência artificial, energia limpa e armazenamento de energia são alguns exemplos de nichos da Weg.

Dividendos

Resultados de 2020

Até junho deste ano, a receita líquida da WEG cresceu 24% em relação ao mesmo período de 2019, atingindo R$ 4,06 bilhões. Por outro lado, o lucro líquido foi de R$ 514,4 milhões, um aumento de 32% comparado ao ano passado.

A redução de custos e despesas contribuiu para a melhora do resultado. Desde o início da pandemia, a empresa racionalizou alguns processos, promovendo cortes de despesas e redução de jornadas de trabalho.

Além disso, a valorização do dólar também colaborou para o bom desempenho do semestre. Como vimos, a Weg tem 55% de suas receitas no mercado externo. Porém, parte de seus custos de produção também são dolarizados.

Entretanto, no primeiro semestre, o reflexo cambial foi sentido pela empresa somente nas vendas. Isso porque grande parte da matéria-prima ainda carregava o custo do dólar mais baixo. Dessa forma, a empresa acabou ganhando ao computar receitas ao dólar atual e custos referentes à época em que a cotação da moeda estava mais baixa.

Recomendações do mercado

Os fortes números divulgados no encerramento do semestre fizeram com que o JPMorgan elevasse a recomendação dos ativos WEGE3 de neutra para overweight (exposição acima da média do mercado).

“A resiliência do mercado e a execução de primeira linha, na nossa visão, continuarão a justificar os múltiplos elevados de 50 vezes P/E [valor de mercado dividido pelo lucro] na estimativa para 2021”, explicam os analistas.

Outro motivo citado pelos analistas para o otimismo em relação à empresa é a sua capacidade de encontrar novos alternativas para crescimento. Isso ficou claro depois das recentes aquisições e dos investimentos na indústria 4.0.

Em julho, o BTG Pactual avaliou a ação da empresa como ‘neutra’ devido à sua forte valorização.  O índice Preço Lucro (P/E ratio ou P/L) da companhia era de 27,5 vezes no fim de 2018. Já no final do ano passado, chegou a 45,3 vezes.

O BTG prevê que o indicador atinja 75,6 vezes no final deste ano, e depois comece a recuar, chegando a 59,9 vezes no final de 2022.

Mesmo sendo uma ação cara, a Weg segue agradando aos investidores. Isso porque ela está no rol das empresas de crescimento, ou ações de crescimento.

São companhias com múltiplos muito elevados mas com resultados consistentes e que darão lucros futuros igualmente consistentes.

Ou seja, o papel está caro mas pode remunerar bem o acionista no futuro. Outro ponto a favor da companhia é a política de pagamento de dividendos.

O que mexe com as ações da Weg

A WEG é vista no mercado como uma empresa praticamente única. Principalmente porque uma série de fatores faz com que a companhia consiga se proteger de  solavancos muito fortes na economia ou no cãmbio. No entanto, ela não está completamente blindada. Confira o que pode mexer com as ações da multinacional:

  • Preço de commodities: parte dos produtos produzidos pela empresa são compostos por cobre e chapas de aço, commodities cujos preços variam de acordo com a demanda global. Se houver um aumento brusco de preços, a companhia pode ter dificuldade de repassar os custos aos clientes
  • Economia interna: cerca de 40% da receita da Weg ainda vem do mercado interno. Portanto, uma parte considerável de seus resultados depende do ambiente para consumo e investimentos no País.
  • Variação cambial: como mais da metade da receita vem da operação internacional, uma variação cambial pode interferir no resultado com exportações e pressionar a margem operacional