Secretário diz que concessão de crédito está bem maior do que em 2019

Daniele Andrade
Jornalista formada pela Universidade Positivo, pós-graduada em Mídias Digitais. Atualmente cursa bacharel em História. Gosta de produzir reportagens sobre política tanto nacional quanto internacional, economia e tecnologia.
1

Crédito: José Cruz/Agência Brasil

Waldery Rodrigues, secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, disse que a concessão de crédito aumentou. Em 30% acima do ano passado, devido às medidas anunciadas pelo governo no combate ao coronavírus. As informações são do Estadão Conteúdo.

Em uma entrevista coletiva feita virtualmente, o secretário comentou: “A concessão na semana 16 entre 12 e 19 de abril foi para a pessoa física em torno de R$ 16 bilhões e pessoa jurídica R$ 31 bilhões.”

Quase 100 mil empregados foram contemplados com a medida de crédito. Para a folha de pagamento até o dia 17 de abril, segundo o diretor do programa do Ministério da Economia, Julio Cesar Costa.

Essa medida possibilita ao empregador tomar um crédito, para conseguir pagar  os salários a seus colaboradores. Em que, os recursos são depositados direto na conta do empregado.

De acordo com Julio, é esperado um número muito maior até o final do mês. Momento em que “rodam” as folhas de pagamento.

Secretário comentou sobre o auxílio emergencial

Em relação ao auxílio emergencial, Waldery Rodrigues comentou que os novos segmentos da sociedade vão poder ser contemplados. Entretanto, no momento ainda não há um consenso se haverá o pagamento de novas parcelas para o benefício. A princípio, foi definido que seriam três. “Estamos analisando tudo com cautela”, disse Rodrigues.

Na entrevista, Waldery disse que apesar dos aumentos nos gastos no combate ao coronavírus, haverá certeza e serenidade em relação à solvência das contas públicas. 

A projeção para o déficit primário no setor público, chega em torno de R$ 622 bilhões. Com um recuo de 5,34% do PIB, segundo as informações do Estadão Conteúdo.

 

LEIA MAIS:

Construção e petróleo devem ter recuperação mais lenta, prevê corretora

Senado propõe que Estados contraiam dívidas com garantia da União