Vulcabras (VULC3) pede empréstimo de até R$ 100 milhões para capital de giro

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor

Crédito: Reprodução / Facebook / Vulcabras

A Vulcabras Azaleia (VULC3) solicitou ao Banco do Nordeste do Brasil empréstimo na quantia de R$ 100 milhões, para capital de giro. Os recursos são provenientes do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), em quatro partes de R$ 25 milhões.

O prazo de pagamento é de 36 meses cada parcela. Como garantia, a empresa oferece hipoteca de imóveis em Jundiaí, cidade no entorno da Grande São Paulo.

Vulcabras enfrenta problemas

Nesta quinta-feira (28), o Sindicato dos Calçados de Itapetinga, na Bahia, informou que a cerca de 600 funcionários da fábrica local da Vulcabras Azaleia vão ser dispensados.

Em nota, a empresa confirmou as demissões: “não é segredo que a pandemia está atingindo forte e negativamente a economia e o setor de calçados”.

A companhia argumenta que tem se esforçado para manter a saúde dos negócios e a manutenção dos empregos, aplicando regime de banco de horas e antecipação de férias.

“Não é segredo que a pandemia está atingindo forte e negativamente a economia e o setor de calçados não se esquivou desse cenário. A crise desencadeada pela Covid-19 desarticulou toda a cadeia produtiva, com impactos econômicos sem precedentes. Diante disso, a companhia está se adequando ao novo momento e colocou em prática uma série de iniciativas para a manutenção da saúde dos negócios: adotou a Medida Provisória nº 936 do Governo Federal, antecipou férias e banco de horas, e mesmo com seus maiores esforços, teve que tomar a decisão de desligar parte dos colaboradores da unidade de Itapetinga, BA”, disse em nota.