Vulcabras (VULC3) lucra R$ 143,1 mi em 2019, queda de 5,9%

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/Wikimedia

A Vulcabras Azaleia (VULC3) registrou um lucro líquido de R$ 143,1 milhões, um desempenho 5,9% inferior ao ano de 2018.

No quarto trimestre de 2019, o lucro líquido totalizou R$ 45,1 milhões, representando uma queda 2,4% em comparação ao 4T18.

A margem líquida atingiu 12,1% no último trimestre de 2019, enquanto no acumulado do ano somou 10,5%, queda de 1,7 pontos percentuais em relação a 2018.

Guia definitivo sobre Renda Variável  e os Melhores Investimentos para 2021

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) no 4TRI19 somou R$ 60,2 milhões, queda de 12,9%. A margem Ebitda somou 16,1%, redução 3,4 pontos percentuais.

No ano, o Ebitda atingiu R$ 222,5 milhões, aumento de 2,1%. Já a margem Ebitda alcançou 16,4%, queda 1,1 p.p.

O resultado financeiro líquido no 4T19 foi dado como receita de R$ 7,5 milhões, em comparação ao mesmo período de 2018, que foi de uma despesa de R$ 6,9 milhões. Na comparação dos trimestres foram observadas reduções nas despesas com juros passivos e no resultado cambial.

No acumulado do ano de 2019 o resultado financeiro foi de uma receita de R$ 5,1 milhões representando 0,4% da receita liquida, versus os R$ 6,2 milhões de despesas no acumulado de 2018.

A companhia explica que o resultado financeiro foi impacto pelo “reconhecimento de R$ 10,2 milhões de receita referente ao ajuste a valor presente de débito de ICMS do Sergipe”.

Operacional

A receita líquida totalizou R$ 373,9 milhões no último trimestre do ano passado, crescimento de 5,6% em comparação ao 4T18 e, R$ 1.360,0 milhões no ano de 2019, aumento de 8,9% em relação ao apresentado no ano de 2018.

No quatro trimestre de 2019, o volume bruto faturado somou 7,4 milhões de pares/peças, crescimento de 1,9%, comparado ao total do 4T18.

No acumulado do ano, o volume bruto faturado totalizou 27,2 milhões de pares/peças, aumento de 8,9%, ante ao volume do ano de 2018.

A companhia informa que o desempenho foi puxado por “aumento em calçados esportivos; impulsionado pelo crescimento no mercado interno; e também, ao crescimento no mercado externo, embora em bases muito menores, a diminuição em calçados femininos, devido à queda registrada no mercado interno e leve crescimento no mercado externo acréscimo em Outros calçados e Outros, aumento em confecções e acessórios, devido principalmente à expansão registrada com a marca Olympikus”.

A margem bruta anual atingiu 34,7%, baixa de 1,2 pontos porcentuais, enquanto a margem bruta no 4T19 fiocu em 35,8%, queda de 2,0 p.p. em relação ao 4T18.

Em 2019, as despesas somaram R$ 69 milhões, uma elevação de 16,9% em comparação ao cumulado do ano de 2018, que totalizavam R$ 59 milhões.

Endividamento

No final de 2019, a dívida bruta somou R$ 43,1 milhões, uma redução de 28,2% em relação ao mesmo período de 2018. A Vulcabras apresentou uma diminuição nas disponibilidades de 9,3%, alcançando caixa líquido no final do período de R$ 21,9 milhões.

CAPEX

Os investimentos em imobilizado somaram R$ 22 milhões no 4T19, com destaque para rubrica de moldes. Já o investimento em inatingível foi de 1 milhão. Os recursos deram continuidade ao projeto de modernização das plantas fabris.

Em 2019, a Vulcabras investiu a cifra de R$ 115,9 milhões em imobilizado , aumento de 22,6% comparação ao ano anterior. O investimento no intangível foi de R$ 3,5 milhões.