Você sabe como funciona a cotação do dólar?

Patrícia Auth
Patrícia Auth é jornalista formada pela Univali de Itajaí/SC. Trabalhou em impressos, como o Jornal de Santa Catarina, e também, como repórter na Rede Record e RBS TV. É casada, mãe da Lívia e adoradora de boa música e gastronomia.Na equipe EuQueroInvestir, é responsável pela produção de vídeos, e também escreve e edita artigos para o site.Entre em contato com a Patrícia pelo e-mail: patricia.auth@euqueroinvestir.com

A variação da cotação do dólar no Brasil flutua diariamente. Você já deve ter percebido!

Mas, você sabe quais são os fatores que influenciam na cotação do dólar?

E quais acontecimentos econômicos e políticos determinam a valorização ou desvalorização da moeda no Brasil?

Antes das respostas, precisamos entender o que é a tal taxa de câmbio, afinal, é ela que vai dizer quanto está valendo o dólar hoje.

Taxa de Câmbio 

Taxa de câmbio é a relação entre duas economias: norte-americana e brasileira.

O câmbio tem a missão de facilitar as transações comerciais entre os países. E a taxa de câmbio é flexível porque problemas econômicos influenciam no valor da moeda.

O que rege a cotação do dólar?

Os Estados Unidos são a maior potência econômica do mundo, e por ser o dólar a sua moeda oficial, a maioria das transações internacionais a utilizam.

No Brasil, o que faz a cotação do dólar variar é a boa e velha lei da oferta e demanda.

Quando existe muita circulação de dólar dentro do nosso país, a oferta está grande, e seu preço cai. Se a circulação da moeda diminui, fica mais difícil de se obetê-la e consequentemente o preço sobe.

O Banco Central e a oscilação do dólar

É super  comum o governo tentar controlar as oscilações do dólar através do Banco Central.

Quando a circulação está muito alta, o Banco Central compra muito dólar, o que faz com que o valor suba (Lembra? Pouca moeda circulando = pouca oferta = alta do valor). Com o valor alto, o Banco Central passa a vender muito, satura o mercado, e cai o valor novamente.

A prática é bem usual e a ideia até que é boa, mas nem sempre dá certo!

Antes de conhecermos os tipos de dólar…

Vamos descobrir o seu perfil de investidor?

Os 3 tipos de dólar

  • Dólar Comercial
  • Dólar Turismo
  • Dólar Paralelo

Dólar Comercial

É a cotação do dólar comercial que é utilizada nas transações da bolsa de valores, nas negociações feitas no exterior entre empresas e pelo governo. A cotação que a gente vê nos sites de economia e nos telejornais é a do dólar comercial.

O dólar comercial, teoricamente, “participa” de negociações que agregam crescimento ao país, por isso ele tem que ser mais acessível, ou seja, mais baixo. Afinal, as tributações em negociações envolvendo empresas e governo são mais altas.

Dólar Turismo 

Além de ser usado, obviamente, para suas viagens ao exterior, é a cotação dele que vale também para as compras no cartão de crédito que você utiliza lá fora.

O dólar turismo é sempre maior que o dólar comercial – Por quê? Porque o dólar turismo não é negociado de forma jurídica, apenas para o consumo de pessoas físicas.

Dólar Paralelo

O dólar paralelo é comercializado por pessoas ou entidades que não têm autorização para comercializar a moeda. No Brasil não é proibido que você tenha dólares em casa, mas quando volta de uma viagem, por exemplo, tem obrigação de declarar a quantia que está entrando no país. Em caso de dólar paralelo, simplesmente – não compre!

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Política e Cotação

A gente já viu acima que o dólar “sobe e desce” de acordo com as leis de oferta e procura. Então fica clara a relação entre cenário político e a oscilação do dólar.

Quando o cenário político é ruim, o “risco país” aumenta, o investidor estrangeiro fica receoso e retira suas moedas de circulação. A consequência disso é o aumento da cotação do dólar, já que a circulação diminuiu.

Impostos

O imposto que incide sobre a compra de dólares é o IOF ( Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio, e Seguros) e as alíquotas são variáveis.

Compra de moeda em espécie – IOF de 1,10% do valor da operação.

Uso de cartão de crédito ou recarga de cartão de débito – IOF de 6,38% do valor da compra ou recarga.

Como comprar dólar mais barato?

Quando você vai até uma casa de câmbio para comprar dólar, é importante levar em consideração não só a cotação propriamente dita, mas sim a comparação dos Vets (Valor Efetivo Total), que nada mais é que taxa de câmbio + tarifas e tributos incidentes em determinada operação.

Algumas casas oferecem uma taxa de câmbio menor, porém a taxa de transação alta faz com que o custo da operação não compense. Então, fique atento!

Se considera um investidor conservador? Então você está em risco de extinção!

O cenário econômico virou do avesso e o país já não é mais o mesmo.

As taxas de juros caíram à níveis jamais vistos no Brasil desde o final do governo Militar (imagem abaixo) e levaram os rendimentos de Renda Fixa para próximo de Zero (ou negativos no caso da poupança).

Italian Trulli

A nova equipe econômica está incentivando novos investimentos no país, e com isso já não é mais possível ganhar dinheiro confortavelmente na poupança e em CDBs comuns. Por isso, estamos declarando a Extinção do Investidor Conservador.

Se você faz parte dessa espécie de investidor que está em risco de extinção, confirme seus dados no formulário abaixo e fale com nossa equipe. Vamos te ajudar, sem dor e sem custo.